O complemento oblíquo na frase «Ceder ao sentimento» - Ciberdúvidas da Língua Portuguesa
Este é um serviço gracioso e sem fins comerciais, de esclarecimento, informação e debate sobre a língua portuguesa, o idioma oficial de Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique, Portugal, São Tomé e Príncipe e Timor-Leste. Sem outros apoios senão a generosidade dos seus consulentes, ajude-nos a dar-lhe continuidade: Pela viabilização do Ciberdúvidas. Os nossos agradecimentos antecipados.
O complemento oblíquo na frase «Ceder ao sentimento»

Gostaria de saber como classificar a função sintática do segmento «ao sentimento» na expressão «Camilo cedeu ao sentimento». Consideramos que se trata de um complemento oblíquo ou indireto?

Muito obrigada.

Cláudia Santos Portugal 340

O constituinte «ao sentimento» desempenha a função sintática de complemento oblíquo.

Na frase em questão

(1) «Camilo cedeu ao sentimento.»

a dúvida na identificação da função sintática desempenhada pelo constituinte residirá no facto de este ser introduzido pela preposição a, o que é típico do complemento indireto. Não obstante, é importante ter em consideração outros aspetos para proceder a uma correta identificação da função sintática:

(i) há constituintes introduzidos pela preposição a que não desempenham a função sintática de complemento indireto: «Eu vou a casa do Rui.» — neste caso, estamos perante uma preposição regida pelo verbo: ir a;

(ii) a possibilidade de substituição pelo pronome pessoal clítico dativo lhe permite identificar o complemento indireto: «Eu dou uma prenda ao Rui. / Eu dou-lhe uma prenda» vs. «Eu vou a casa do Rui. / *Eu vou-lhe.»

Assim, voltando à frase em apreço, registe-se, por um lado, que nela o verbo ceder tem uma utilização transitiva indireta e está a reger a preposição a (tal como acontece acima com «ir a»), situação em que significa “dar-se por vencido; não resistir” (Dicionário Houaiss). Por outro lado, não parece muito aceitável a substituição do constituinte «ao sentimento» pelo pronome lhe1:

(2) «? Camilo cedeu-lhe.»

Parece mais natural a sua substituição por um pronome neutro tónico:

(3) «Camilo cedeu a isto.»

Pelas razões apresentadas, consideramos que o constituinte em questão desempenha a função de complemento oblíquo. 

Disponha sempre. 

*Assinala a agramaticalidade da frase.

? Assinala a dúvida quanto à aceitabilidade da frase

1. Note-se, no entanto, que, caso se considere aceitável a substituição do constituinte por lhe, isso não impedirá que se trate de um complemento oblíquo (ver aqui).

Carla Marques
Tema: DT (Dicionário Terminológico) Classe de Palavras: verbo
Áreas Linguísticas: Léxico; Sintaxe Campos Linguísticos: Funções sintácticas; Regência