Complemento indireto e complemento oblíquo - Ciberdúvidas da Língua Portuguesa
Este é um serviço gracioso e sem fins comerciais, de esclarecimento, informação e debate sobre a língua portuguesa, o idioma oficial de Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique, Portugal, São Tomé e Príncipe e Timor-Leste. Sem outros apoios senão a generosidade dos seus consulentes, ajude-nos a dar-lhe continuidade: Pela viabilização do Ciberdúvidas. Os nossos agradecimentos antecipados.
Complemento indireto e complemento oblíquo

Peço a vossa ajuda no esclarecimento da seguinte questão.

Surge, numa nova gramática, a seguinte frase: «O João assistiu ao espetáculo.» A expressão «ao espetáculo» aparece como sendo complemento indireto, contudo parece-me ser um complemento oblíquo (CO). Vejamos:

Para ser CO, tem sempre de ser (1) GPrep ou GAdv; (2) sendo GPrep, pode ser introduzido por qualquer preposição; (3) não pode ser substituído pelo pronome pessoal lhe; (4) aparece na resposta às perguntas: O que aconteceu…? O que se passa com…? O que fez…?

Ora, voltando à parte da frase em questão:

1) É um GPrep.

2) É introduzida por uma preposição.

3) Não pode ser substituída pelo pronome pessoal lhe.

4) Aparece na resposta à pergunta: O que fez o João? Assistiu ao espetáculo.

Admitamos a hipótese defendida na tal gramática. Para ser complemento indireto:

1) É sempre um GPrep selecionado pelo verbo (confirma-se).

2) É sempre introduzido pela preposição a (confirma-se).

3) Pode ser substituído pelo pronome pessoal lhe (não me parece).

4) Responde à pergunta: «A quem?» (não me parece).

Se o meu raciocínio está correto, estamos perante um CO. Admito, no entanto, que esteja errado.

Jorge da Cunha Professor Arruda dos Vinhos, Portugal 4K

O consulente tem razão: trata-se de um complemento oblíquo, pelos motivos que refere, que são, aliás, os indicados no Dicionário Terminológico.

Carlos Rocha