Objecto indirecto e complemento oblíquo - Ciberdúvidas da Língua Portuguesa
Este é um serviço gracioso e sem fins comerciais, de esclarecimento, informação e debate sobre a língua portuguesa, o idioma oficial de Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique, Portugal, São Tomé e Príncipe e Timor-Leste. Sem outros apoios senão a generosidade dos seus consulentes, ajude-nos a dar-lhe continuidade: Pela viabilização do Ciberdúvidas. Os nossos agradecimentos antecipados.
Objecto indirecto e complemento oblíquo

«Passava das quatro horas, quando o crime ocorreu.»

Na frase acima, a expressão «das quatro horas» é objeto indireto?

E na frase «Basta de perguntas!», como se analisa sintaticamente a expressão «de perguntas»?

Obrigado.

Fernando Bueno Engenheiro Belo Horizonte, Brasil 5K

Nenhuma das duas expressões — «das quatro horas» e «de perguntas» — desempenha a função sintáctica de objec}to indirecto.

O objecto indirecto corresponde à função de um grupo preposicional introduzido pela preposição a, que pode ser substituído por um pronome pessoal na sua forma dativa lhe/lhes:

1. a. «Esse projecto agradou aos alunos

     b. «Esse projecto agradou-lhes

Na terminologia linguística actual, a função sintáctica dos grupos preposicionais «das quatro horas» e «de perguntas» tem a designação de complemento oblíquo. Trata-se de um complemento seleccionado pelo verbo, de natureza preposicional (ou adverbial, noutros casos), que não é substituível pelo pronome pessoal na sua forma dativa lhe/lhes:

2. «Ninguém faltou à reunião» (* faltou-lhe)

3. «Os alunos foram para casa» (* foram-lhe)

4. «A cozinheira pôs a tarte no forno» (* pôs-lhe)

5. «O professor conversou com os alunos» (* conversou-lhes)

Assim, uma vez que os grupos preposicionais em análise são complementos dos verbos passar e bastar, respectivamente, e não são substituíveis pelo pronome pessoal lhes, desempenham a função sintáctica de complemento oblíquo.

Sandra Duarte Tavares