Usos do infinitivo pessoal, a expressão «campo pelado» e a diversidade geográfica (dos regionalismos às variantes da língua) - Ciberdúvidas da Língua Portuguesa
Este é um serviço gracioso e sem fins comerciais, de esclarecimento, informação e debate sobre a língua portuguesa, o idioma oficial de Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique, Portugal, São Tomé e Príncipe e Timor-Leste. Sem outros apoios senão a generosidade dos seus consulentes, ajude-nos a dar-lhe continuidade: Pela viabilização do Ciberdúvidas. Os nossos agradecimentos antecipados.
Início Aberturas Abertura
Usos do infinitivo pessoal, a expressão «campo pelado» e a diversidade geográfica (dos regionalismos às variantes da língua)
Usos do infinitivo pessoal, a expressão «campo pelado»
e a diversidade geográfica (dos regionalismos às variantes da língua)
Por Ciberdúvidas da Língua Portuguesa 151

1. O infinitivo pessoal, ou seja, a forma flexionada do infinitivo, é um fenómeno linguístico particular da língua portuguesa que ocorre em situações específicas, mas que não deixa de gerar espaço para a liberdade expressiva e, claro, para hesitações dos falantes. É este facto que está na base da dúvida entre a escolha de «Trabalhavam para comer» e «Trabalhavam para comerem». Outras dificuldades podem também surgir quando se pretende classificar orações no quadro de uma abordagem gramatical tradicional. Como classificar a oração «ao contrário do que se pode pensar»? As dúvidas passam também pela correção de construções com expressões percentuais. Será adequado dizer «Uns exclusivos 25% de desconto»? E ainda qual a expressão correta: «com condições para» ou «em condições de»? Ainda nesta nova atualização do Consultório, o significado de «campo pelado».  

2. «Vem  para a minha beira» ou «fica ao pé de mim»? Embora as duas frases tenham um significado semelhante, sinalizam, desde logo, a origem de quem prefere uma ou outra. São, por isso, regionalismos, isto é, expressões características de determinadas regiões do país. Aqui não há lugar a juízos de valor sobre correção ou incorreção. É apenas a língua e os falantes em interação, como nos explica a lexicógrafa Ana Salgado numa crónica divulgada no sítio eletrónico Gerador, onde é possível encontrar outros textos sobre questões lexicais e outros temas da língua, da responsabilidade da mesma investigadora. 

O tema dos regionalismos tem passado muitas vezes pelo Ciberdúvidas, como aqui recordamos: «Regionalismo», «Regionalismos», «Regionalismos I», «Regionalismos», «Pronúncia afectada, regionalismos e erros» e «A propósito de dicção, norma-padrão e regionalismos». 

3. A variação da língua é também muito evidente quando cotejamos as realidades lexicais utilizadas no português europeu e no português do Brasil, como evidencia o contraste entre «Cadê meu estilete?» e «Onde está o meu x-ato?». Este é o assunto que está na base de outra crónica de Ana Salgado, divulgada no sítio Gerador.

     A propósito do nome x-ato, recordamos aqui algumas respostas: «A origem de x-ato», «X-ato é uma marca» e «A pronúncia e grafia do substantivo x-ato». E quanto às diferenças lexicais Brasil - Portugal, entre outros textos disponíveis no arquivos do Ciberdúvidas: Brasil-Portugal: significados diferentes + Portugal-Brasil. Diferenças linguísticas + O modismo «manter o foco», recursos lexicais e gramaticais da língua e a apropriação do termo ideologia no discurso político brasileiro + Xerox, xérox + A origem da palavra bus + As diferenças linguísticas no mundo de língua oficial portuguesa Sinónimos e variedades linguísticas + Oito séculos, oito palavras, oito países + "Abissurdo" – um caso da inserção do i na pronúncia brasileira + A pronúncia de nh no Brasil + Dialetos brasileiros + Brasil-Portugal: significados diferentes + Brasil-Portugal. E, ainda, 70 diferenças entre Portugal e Brasil por uma brasileira.

4. No âmbito das notícias relacionadas com a língua, destacamos:

— A nova sessão do «Camões dá que falar», promovida pelo Instituto Camões, desta feita dedicada à obra da escritora Sophia de Mello Breyner Andresen, cujo centenário do nascimento se comemora, evento que conta com a presença de Augusto Santos Silva, Ministro dos Negócios Estrangeiros, e da escritora Lídia Jorge, com lugar a 17 de maio, pelas 17:00, no Auditório do Camões;

— O lançamento do guia de conversação vietnamita-português, desenvolvido pelo Instituto Português no Oriente (IPOR), num encontro que decorre na Universidade de Hanói, no Vietname;

— A notícia de que a Austrália emitiu cerca de 46 milhões de notas com um erro ortográfico ('responsibilty' em lugar de 'responsibility' (em português 'responsabilidade').

5. No programa Língua de Todos, transmitido pela RDP ÁfricaAna Josefa Cardoso, responsável por um projeto de bilinguismo no Agrupamento de Escolas do Vale da Amoreira (Moita, Setúbal), abordará a questão da situação linguística de Cabo Verde (na sexta-feira, dia 10 de maio, depois do noticiário das 13h00* e com repetição no dia seguinte, pelas 9h15*). O programa Páginas de Português, da Antena 2, contará com uma entrevista à linguista Mafalda Mendes, investigadora do CELGA/ILTEC, na qual fará o relato de uma experiência pedagógica com alunos do 1.º ciclo de algumas escolas de Coimbra, centrada no contributo da construção de diálogos para o desenvolvimento de competências de escrita de textos narrativos (domingo, 12/05/2019, às 12h30**, com repetição no sábado seguinte, dia 18 de maio, às 15h30**).

 ** Hora oficial de Portugal continental, ficando os programas Língua de Todos e Páginas de Português disponíveis, posteriormente, aqui e aqui