O modismo «manter o foco», recursos lexicais e gramaticais da língua e a apropriação do termo ideologia no discurso político brasileiro - Ciberdúvidas da Língua Portuguesa
Este é um serviço gracioso e sem fins comerciais, de esclarecimento, informação e debate sobre a língua portuguesa, o idioma oficial de Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique, Portugal, São Tomé e Príncipe e Timor-Leste. Sem outros apoios senão a generosidade dos seus consulentes, ajude-nos a dar-lhe continuidade: Pela viabilização do Ciberdúvidas. Os nossos agradecimentos antecipados.
Início Aberturas Abertura
O modismo «manter o foco», recursos lexicais e gramaticais da língua e a apropriação do termo ideologia no discurso político brasileiro
O modismo «manter o foco», recursos lexicais e gramaticais da língua
e a apropriação do termo ideologia no discurso político brasileiro
Por Ciberdúvidas da Língua Portuguesa 130

1. Foco, focalizar, enfoque são hoje palavras recorrentes, fazendo eco da compulsão para tudo promover como prioritário, numa corrida de estímulos mediáticos. Em O nosso idioma, a professora Carla Marques comenta o modismo «manter (ou ter) o foco», cujo uso redunda na perda de recursos lexicais – e, ironicamente, na falta de concentração no que é importante. O remédio para este mal é sugerido na mesma rubrica, com uma lista de 20 expressões idiomáticas, para dar cor ao discurso e revitalizá-lo.

2. No consultório, não faltam recursos lexicais e gramaticais diversificados: revela-se, por exemplo, que «totalmente impossível» é expressão enfática, mas correta; que «por via postal» vem a ser o mesmo que «via correio»; e que o verbo conduzir pode ter associada a preposição para, pelo que não erra quem disser uma frase como «ele conduziram-no para um alto destino». Outras questões ainda: é legítima a expressão «mais da metade»? E empregar a preposição entre com um nome comum no singular («entre o casal»)? E estará certo coordenar o possessivo meu com um grupo preposicional («um antigo professor meu e da Amanda»)? Finalmente, uma pergunta sobre ortografia: escreve-se septuagésimo – com p?

3. Do Brasil, chegam as sempre estimulantes reflexões do linguista Aldo Bizzocchi, da Universidade de São Paulo, sobre língua e linguagem. Por isso, na rubrica Lusofonias, transcreve-se com a devida vénia um texto deste autor, que o publicou no seu blogue Diário de um Linguista, em 22/01/2019, a respeito dos desafios da análise do verbo estar no quadro da nomenclatura gramatical brasileira. Por seu lado, as Controvérsias apresentam o vídeo da discussão que Bizzocchi desenvolve no seu canal Planeta Língua, acerca de certos equívocos do discurso político brasileiro na apropriação do termo ideologia.

4. Entre a atualidade que se publica sobre a língua e a situação linguística dos territórios onde ela tem implantação, selecionamos:

– a comemoração dos 20 anos da consagração do mirandês como segunda língua oficial em Portugal, graças à aprovação da Lei n.º 7/99 pela Assembleia da República; 

– na Índia, em Nova Deli, o discurso que Constantino Xavier, académico de origem goesa, fez (também) em português, ao receber o prémio do Conselho Indiano para as Relações Culturais.

5. O programa Língua de Todos − transmitido na RDP África* – entrevista a formadora Laura Mateus Fonseca, responsável, na Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova, por cursos livres na área editorial e de escrita criativa. O programa Páginas de Português, emitido na Antena 2*,  dá espaço de honra a uma entrevista com o novo secretário executivo da CPLP, o embaixador português Francisco Ribeiro Telles.

Língua de TodosRDP África, sexta-feira, 1 de fevereiro às 13h15, com repetição no sábado, dia 2 de fevereiro. Hora oficial de Portugal continental, ficando o programa disponível posteriormente, aqui. Páginas de Português, emitido na Antena 2, no dia 3 de fevereiro, às 12h30**, com repetição no sábado seguinte, dia 9 de fevereiro, pelas 15h30. Hora oficial de Portugal continental, ficando o programa disponível posteriormente, aqui.