Construção clivada - Ciberdúvidas da Língua Portuguesa
Este é um serviço gracioso e sem fins comerciais, de esclarecimento, informação e debate sobre a língua portuguesa, o idioma oficial de Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique, Portugal, São Tomé e Príncipe e Timor-Leste. Sem outros apoios senão a generosidade dos seus consulentes, ajude-nos a dar-lhe continuidade: Pela viabilização do Ciberdúvidas. Os nossos agradecimentos antecipados.
Construção clivada

O que é uma oração clivada?

Priscila Amaral Advogada Campos/RJ, Brasil 8K

Fala-se mais em construção clivada ou de clivagem do que em "oração clivada" (Ana Maria Brito e Inês Duarte, em M.ª Helena Mira Mateus et alii, Gramática da Língua Portuguesa, 2003, págs. 685-694). Aparentada com as orações relativas, trata-se de uma construção em que participa o verbo ser com pronomes relativos ou a expressão é que e que permite pôr em destaque a maior parte dos constituintes de uma frase, a saber, sujeito, complementos e adjuntos do verbo (exceptuando advérbios de frase como provavelmente e orações adverbiais condicionais e concessivas). Por exemplo, a partir de uma frase como «a Rita comprou o vestido na feira», focam-se vários constituintes do seguinte modo:

1. Sujeito «a Rita»
(a) Foi a Rita que/quem comprou o vestido na feira.
(b) Quem comprou o vestido na feira foi a Rita.
A Rita foi quem comprou o vestido na feira.
A Rita é que comprou o vestido na feira.

2. Objecto directo
(a) Foi o vestido o que/que a Rita comprou na feira.
etc.

3. Adjunto adverbial
(a) Foi na feira que a Rita comprou o vestido.
etc.

Em (2) e (3), também se inclui, respectivamente, «A Rita comprou foi o vestido» e «A Rita comprou o vestido foi na feira», construção que não é possível com o sujeito — *«Comprou o vestido na feira foi a Rita.»

Carlos Rocha
Campos Linguísticos: Ordem dos constituintes; Orações