A escrita de numerais - Ciberdúvidas da Língua Portuguesa
Este é um serviço gracioso e sem fins comerciais, de esclarecimento, informação e debate sobre a língua portuguesa, o idioma oficial de Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique, Portugal, São Tomé e Príncipe e Timor-Leste. Sem outros apoios senão a generosidade dos seus consulentes, ajude-nos a dar-lhe continuidade: Pela viabilização do Ciberdúvidas. Os nossos agradecimentos antecipados.
A escrita de numerais

Os números de zero a nove escrevem-se, por regra, por extenso. Quais são as excepções? Nomeadamente, para percentagens e para valores em divisas, escreve-se por extenso, ou o algarismo respectivo?

Muito obrigado.

Fernando Valdez Jornalista Lisboa, Portugal 20K

Como se refere na Gramática do Português (Fundação Calouste Gulbenkian, 2013, p. 945), a escrita dos numerais nos textos não é uma questão gramatical, mas, sim, uma questão estilística e de uso. Há, no entanto, alguns pontos que reúnem consenso, a saber:

1. Os numerais cardinais até dez e os numerais terminados em um ou mais zeros escrevem-se, normalmente, por extenso (ex.: «trezentos lápis» vs. «301 lápis») – exceto os numerais que ocorrem no início de frase ou de título (ex.: «Cento e cinquenta livros foram oferecidos à escola»).

2. Os numerais cardinais da ordem de grandeza das dezenas ou centenas de milhares ou de milhões costumam escrever-se com palavras e algarismos (ex.: «perdão fiscal custou 495 milhões em juros, coimas e custos»). Se não for exigido grande rigor, usa-se um numeral de valor aproximado: ao numeral 12 552 327 pode corresponder à expressão «cerca de 12,5 milhões» ou «cerca de 12 milhões e meio» ou ainda «cerca de 12 milhões e 552 mil»Note-se ainda que os chamados números muito grandes dividem-se em grupos de três algarismos, separados por um espaço. Até quatro algarismos não se usa espaço. 

3. Devem usar-se algarismos em percentagens, sobretudo quando contêm casas decimais (ex.: «12,5 % do volume de negócios»); nos quadros e enumerações, ou quando se comparam resultados estatísticos; em anos, meses, dias de idade ou de antiguidade (ex.: «tenho 30 anos e trabalho na empresa há 2 anos e 2 meses»); em datas e horas, exceto em determinados documentos oficiais; na numeração de documentos legislativos (ex.: «Decreto-Lei n.º 177/99»); em pesos e medidas (ex.: «mede 47 cm e pesa 2,5 quilos»); em somas de dinheiro (ex.: «são 50 euros»); na numeração das portas; e nos numerais decimais em geral.

4. Os números fracionários escrevem-se normalmente por extenso (ex.: «apresentaram-se ao exame três quartos dos alunos»).

5. Milhão, bilião, trilião e milhares são palavras masculinas e, por isso mesmo, aquelas que as modificam também surgem no masculino. Da mesma forma, o artigo, o numeral, o pronome e o adjetivo deve constar no masculino e concordar em número – singular ou plural. Ex.: «A guerra matou dois milhões de pessoas», «Os milhares de crianças presentes vibraram com o espetáculo».

 

Cf.  Escrevo números por extenso ou não? + Milhão, milhares e milA concordância correta com "milhões" + Milhões, Mil milhões, Biliões ou Triliões? Esclareça a confusão!

Sara Mourato
Tema: Uso e norma Classe de Palavras: quantificador