Abreviatura de número - Ciberdúvidas da Língua Portuguesa
Este é um serviço gracioso e sem fins comerciais, de esclarecimento, informação e debate sobre a língua portuguesa, o idioma oficial de Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique, Portugal, São Tomé e Príncipe e Timor-Leste. Sem outros apoios senão a generosidade dos seus consulentes, ajude-nos a dar-lhe continuidade: Pela viabilização do Ciberdúvidas. Os nossos agradecimentos antecipados.
Abreviatura de número

Li neste site que a abreviatura de número se escreve com ponto, assim: n.º Essa forma vale para o Brasil? Nunca vi a utilização por aqui (sou brasileiro) destas formas, como: 1.º, 3.ª, n.º, etc. Escrevemos todos errados por aqui? Ou nesse ponto não há unificação entre nossas gramáticas?

Fernando Marcelo Cavalcanti Campos Analista tributário Dourados, Brasil 7K

Em português,  para indicar que se trata de uma abreviatura, utiliza-se, sempre, o ponto abreviativo – em Portugal, como no Brasil. Como já foi aqui anteriormente esclarecido, este ponto indica que houve supressão de letras, sendo por isso indispensável a sua colocação em qualquer abreviatura, seja de um numeral ou de uma palavra (o que não acontece já com a grafia dos símbolos). Assim, escrevemos 1.º (para primeiro), 2.º (para segundo), n.º (para número), s. f. f. (para se faz favor), Sr. (para Senhor), entre outros exemplos.

Refira-se que, no Vocabulário Ortográfico da Língua Portuguesa da Academia Brasileira de Letras (VOLP da ABL), a abreviatura em apreço não exibe a letra em expoente: n.o.* A mesma fonte apresenta também n., N.o e num. como abreviaturas de número.* É de frisar, porém, que todas as abreviaturas exibem o ponto abreviativo.

* É provável que se trate de gralha, em lugar da forma correta, n.º, porque nos jornais brasileiros a abreviatura aparece por regra com a vogal sobrescrita. Mas, sobre o ponto abreviativo e o sobrescrito, convém dizer que nos textos brasileiros se observa um uso nem sempre sistemático. Recordem-se as considerações do gramático brasileiro Napoleão Mendes de Almeida (NMA), no seu Dicionário de Questões Vernáculas (Rio de Janeiro, Editora Ática, 4.ª edição, 2001), nas quais o ponto abreviativo é referido como parte essencial da abreviatura:

«Abreviaturas – No abreviar palavras em que após o ponto abreviativo não venham outras letras, devemos ter o tradicional cuidado de fazer, sempre que possível, terminar a abreviatura numa consoante e não numa vogal. Filosofia, por exemplo, tem por abreviatura fil. ou filos., mas não filo., com o o no fim. Se a palavra for cortada num grupo de consoantes, deverão as consoantes aparecer na abreviatura: geogr., e não geog.

É de lei ortográfica: se na abreviatura aparece a sílaba acentuada da palavra, o acento permanece: pág. (página).

É tradicional na língua o emprego de diversas abreviaturas, que ora consistem na inicial seguida de ponto (D. – dom), ora nas primeiras letras e o ponto (Rev.– reverendo), ora em algumas letras e o ponto (Revmo. reverendíssimo), ora numa letra seguida de barra: m/ – meu(s), minha(s). [...]»

Contudo, no artigo "Numeral cardinal por ordinal", a referida obra de NMA representa sempre os ordinais com um algarismo sem ponto seguido de letra sobrescrita, correspondente à marca de masculino ou feminino: «Artigos de leis, decretos e portarias enumeram-se com o ordinal até nove, daí em diante, com o cardinal: Artigo 1.º (primeiro) – Artigo 9.º (nono)  Artigo 10 (dez).» É também de referir que, na mesma edição consultada (pode não ser decisão de NMA ), ocorre n.º sem ponto  ou seja, nº, como a seguir se reproduz: «6. Observe-se finalmente que, exceto nos casos do nº, os algarismos romanos vêm perdendo a preferência [...].» Tudo leva a crer que a ausência de ponto se deva a lapso da edição consultada.

Quanto à forma n.o, que, como foi dito, deve corresponder também a um lapso, assinale-se que esta e outras abreviaturas figuram assim, sem vogal em expoente depois do tempo abreviativo, no VOLP da ABL, na secção intitulada "Reduções", enquanto outras se apresentam com a letra sobrescrita após esse ponto, como é o caso de cons.º (conselheiro) e Ex.ª (Excelência). Deteta-se situação igual no Vocabulário Ortográfico da Língua Portuguesa da Porto Editora (VOLP-PE), o qual exibe formas com e sem sobrescritos; por exemplo: Ex.ª, Ex.ma, Exma.; de qualquer modo, no VOLP-PE, as abreviaturas de número são n.º. e núm. (com ponto abreviativo). Os outros vocabulários ortográficos atualmente disponíveis – o Vocabulário Ortográfico do Português (Portal da Língua), o Vocabulário Ortográfico Atualizado da Língua Portuguesa (Academia das Ciências de Lisboa) e o Vocabulário Ortográfico Comum da Língua Portuguesa (Instituto Internacional da Língua Portuguesa) – não facultam listas de reduções (o vocabulário da Academia das Ciências de Lisboa tem uma lista de abreviaturas apenas para a terminologia usada na classificação das palavras que o constituem).

Sara Mourato
Tema: Uso e norma Classe de Palavras: substantivo
Áreas Linguísticas: Léxico Campos Linguísticos: Pontuação