Ensino - Ciberdúvidas da Língua Portuguesa
 
Início Português na 1.ª pessoa Ensino Covid-19
Questões relativas ao ensino do português língua materna/língua estrangeira.
Celebrar a educação em tempos de covid-19
Comemoração do Dia Internacional da Educação

No âmbito das comemorações, no dia 25 de janeiro de 2021, do Dia Internacional da Educação, com o tema "Recuperar e revitalizar a educação para a geração da covid-19", a professora universitária e linguista Margarita Correia reflete, num artigo publicado no Diário de Notícias no dia 25 de janeiro de 2021, acerca das consequências da pandemia para  a educação, numa  situação «em que as nossas escolas do pré-escolar, básico e secundário se encontram encerradas devido à terrível situação que Portugal atravessa, com um número crescente de infetados e mortos, e um Serviço Nacional de Saúde à beira do colapso.»

Artigo publicado no Diário de Notícias no dia 25 de janeiro de 2021.

Professora, quando é que isto acaba?
Parar para pensar

 Perante o agravamento da pandemia de covid-19 em Portugal, onde, em 18 de janeiro de 2021, o governo anunciou o reforço das medidas de confinamento, apesar de manter as escolas abertas, a professora Lúcia Vaz Pedro pergunta: «Alguém já parou para pensar que, nas condições em que vivemos, os alunos não conseguem aprender?»

Artigo da autora saído no Público de 19 de janeiro de 2021.

O ensino de português em tempos de pandemia
Uma língua que sai das telas dos computadores

«Eu não sei dizer em outras línguas, mas o português que eu vi saltar das telas dos computadores transbordou em riqueza linguística, cultural e afetiva» – considera a linguista brasileira Edleise Mendes, docente da Universidade da Bahia, a propósito das dificuldades criadas pela pandemia de covid-19 aos professores de Português como Língua estrangeira.

Crónica que a autora leu na emissão do programa  Páginas de Português de 6 de dezembro de 2020, na Antena 2.

As universidades e as competências para um futuro pós-covid
Caminhos para uma recuperação

«A crise provocada pela pandemia da covid-19 [...] [r]evelou problemas graves sem visibilidade pública, revelou fragilidades, mas também revelou as forças que permitiram responder melhor na proteção da saúde pública e na preservação do tecido económico e social» – defende Maria de Lurdes Rodrigues, reitora do ISCTE-Instituto Universitário de Lisboa e antiga ministra da Educação de Portugal (2005-2009), numa reflexão sobre o papel das universidades no quadro da recuperação da referida crise sanitária. Texto saído em 23 de junho de 2020 no jornal Público e adiante transcrito com a devida vénia.

 Ensino@Distância não foi um sucesso
Um remendo necessário longe de uma solução brilhante

«[E]ntrámos de tal forma pela casa dos nossos alunos que tanto eles como os pais passaram a perceber-nos como mais um elemento da família» – afirma a professora Estefânia Barroso, apontando as vantagens e as muitas desvantagens do Ensino a Distância (E@D), alternativa criada pelo Ministério da Educação português no quadro da suspensão ou limitação das atividades escolares presenciais como medida de combate à propagação da covid-19. Texto saído no P3, suplemento do jornal Público em 22 de junho de 2020 e adiante transcrito com a ortografia original.

Estudo em casa, crianças invisíveis
Como detetar sinais de risco no ensino à distância

Em regime de ensino à distância, como podem educadores de infância e professores reconhecer sinais de uma criança se encontrar eventualmente em risco? A psicóloga Rute Agulhas dá indicações num artigo publicado no jornal Diário de Notícias em 29 de maio de 2020.

Que exame nacional vale uma vida?
Os riscos para a saúde dos professores em tempo de covid-19

O regresso às aulas presenciais do 11.º e 12.º anos do ensino secundário em Portugal (que são os alunos em ano de exame nacional) comporta  riscos para a saúde nesta fase em que a pandemia de covid-19 ainda  se encontra longe de estar controlada – escreve  a professora Lúcia Vaz Pedro, neste artigo publicada no jornal Público do dia 18/05/2019.«[E] á ainda outra situação: há alunos cujos pais não autorizam os filhos a frequentarem a escola. Tudo isso vai gerar uma desigualdade, pois a escola não está obrigada a prestar esse serviço via internet. Não seria pressuposto promover a equidade? (...) E se nos concentrássemos na preparação do próximo ano letivo?» 

Que Educação para a Era Pós-Covid-19?
Desafios para uma nova prática pedagógica

 Reforçar a autonomia nas escolas, assegurar que as escolas constituam uma infraestrutura sustentável e um padrão que a prolongue de forma permanente para o espaço online, formar professores para a educação online, iniciar um percurso gradual de apropriação cultural do telemóvel para a prática pedagógica, mantendo um serviço público, pedagógico e televisivo acessível a todos, independentemente das suas posses –  defende o autor, no seu blogue, com a data de 9/05/2020.