Este é um serviço gracioso e sem fins comerciais, de esclarecimento, informação e debate sobre a língua portuguesa, o idioma oficial de Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique, Portugal, São Tomé e Príncipe e Timor-Leste. Sem outros apoios senão a generosidade dos seus consulentes, ajude-nos a dar-lhe continuidade: Pela viabilização do Ciberdúvidas. Os nossos agradecimentos antecipados.
Início Aberturas Abertura
De Angola, do Brasil, de Portugal e de Timor-Leste – passando por Espanha (Castela e Leão e a Catalunha)
De Angola, do Brasil, de Portugal e de Timor-Leste
– passando por Espanha (Castela e Leão e a Catalunha)
Por Ciberdúvidas da Língua Portuguesa 217

1.  De Timor-Leste, veio este pedido: «Numa aula com formandos de um curso de magistrados [em Díli], surgiu a dúvida sobre a diferença nas seguintes palavras: estabelecimento prisional, prisão, cárcere e penitenciária. Em dicionários são consideradas sinónimos, mas ao nível jurídico e histórico não é bem assim. Gostaria, se possível, que me esclarecessem.» O esclarecimento, subscrito pelo jurista Miguel Faria de Bastos, é uma das 8 novas respostas da presente atualização do consultório do Ciberdúvidas*. A que se acrescentam, entre elas, perguntas chegadas de Angola («maioria de razões» ou «maioria de razão»?), do Brasil («Gostaria de saber se a expressão «no que tange» requer a preposição a» e sobre a regência dos verbos chamar e denominar), de Espanha (qual a diferença entre «todo o leite» e «o leite todo»?) e de Portugal: «Diz-se “desgastado com” ou “desgastado por”?, "Tem por tema" ou «Tem como tema»?, "Aluna do Mestrado em Design" ou "Aluna do mestrado em Design"?»; e, ainda, uma pergunta sobre a divisão silábica da palavra conseguia, e uma última sobre um caso de  coesão lexical

*Pelas razões já anteriormente expostas, o Ciberdúvidas passou a assegurar as suas atualizações temáticas apenas uma vez por semana, à segunda-feira. Sempre que a atualidade ou a importância do assunto o justificar, não deixaremos de o noticiar, com o devido registo nos Destaques. 

2.  Em Portugal, mas com origem em Espanha, e por via do fluxo noticioso à volta da questão da Catalunha, também tem sentido esta dúvida: como dizer o apelido Puigdemont? Pronunciado indistintamente na rádio e na televisão portuguesas, é oportuno lembrar o que já anteriormente aqui** se abordou com outros antropónimos estrangeiros de uso corrente no espaço mediático. No essencial: dizê-los em português levando em conta a forma como é pronunciado o nome no país de origem e a consequente aproximação fonética do seu aportuguesamento. Sendo um nome catalão (e não espanhol…) /Pújdemon/, na língua original –, o mais aproximado da fonética portuguesa será, pois, /Púijdemon/. 

** Outros  casos de nomes estrangeiros que sofreram um processo de aportuguesamento na sua dicção:  Al-Qaeda, Co Adriaanse, KoemanIKEAGulbenkian, Nobel, ONU, etc. 

3. Organizada pelo Grande Oriente Lusitanorealiza-se em Lisboa, no sábado, dia 18/11, a cimeira da Aliança Maçónica Europeia. Trata-se de uma associação que inclui 23 obediências de Portugal, Espanha, França, Bélgica, Luxemburgo, Grécia, Turquia, Suíça, Áustria, Países Baixos, Croácia, Roménia e Polónia. Oportunidade então para revisitarmos o que foi respondido por  José Neves Henriques (1916-2008 ) a um dos primeiros primeiro pedidos de esclarecimento chegados ao Ciberdúvidas, ainda em vida de João Carreira BomMação. E a mulher da Maçonaria? 

4. A origem da palavra água e os seus muitos significados é o tema do quarto episódio da 10.ª série do magazine Cuidado com a Língua!.Na segunda-feira, dia 13/11, no primeiro canal da RTP, depois das 21h00* 

 

* Hora oficial de Portugal continental, com repetição nos demais canais da televisão pública portuguesa; ficando depois acessível, também, na aplicação RTP Play.