Infinitivo pessoal no segundo verbo, com sujeito diferente, da mesma frase - Ciberdúvidas da Língua Portuguesa
Este é um serviço gracioso e sem fins comerciais, de esclarecimento, informação e debate sobre a língua portuguesa, o idioma oficial de Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique, Portugal, São Tomé e Príncipe e Timor-Leste. Sem outros apoios senão a generosidade dos seus consulentes, ajude-nos a dar-lhe continuidade: Pela viabilização do Ciberdúvidas. Os nossos agradecimentos antecipados.
Infinitivo pessoal no segundo verbo,
com sujeito diferente, da mesma frase

«Há mais coisas no céu e na terra. Entre nós é hábito começar assim contos desse tipo, a fim de se escudar com Shakespeare das setas dos provocadores, para os quais não há nada desconhecido.» Está correta a forma “se escudar” acima, uma vez que foi usada a expressão “entre nós”, que sugere a flexão “nos escudarmos”? Muito obrigado.

Fernando Bueno Engenheiro Belo Horizonte, Brasil 1K

1. Emprega-se o Infinitivo impessoal ou não flexionado em geral no enunciar das ações e quando o sujeito dos dois verbos em presença é o mesmo. Exemplos: «É de justiça ouvir sempre as duas partes»; «As pessoas fizeram tudo para obter o que era justo».

2. Emprega-se o infinitivo pessoal ou flexionado quando este tem um sujeito próprio, diferente do do verbo da oração da qual depende ou na qual se integra. Exemplo: « Expliquei várias vezes, para os alunos não ficarem com dúvidas» (expliquei – eu; não ficarem – os alunos).

in Assim é que é falar, Maria Regina de Matos Rocha, Maria João Casanova de Matos; Sandra Duarte Tavares)

Tendo em conta o que foi citado como regra, a frase deveria empregar o infinitivo pessoal no segundo verbo, pois mudou o sujeito: «Entre nós é hábito começar assim contos desse tipo, a fim de nos escudarmos com Shakespeare das setas dos provocadores, para os quais não há nada desconhecido.» 

Maria Eugénia Alves
Classe de Palavras: verbo