Que se cuidem os defensores do caduco «orgulhosamente sós»…. - Acordo Ortográfico - Ciberdúvidas da Língua Portuguesa
Este é um serviço gracioso e sem fins comerciais, de esclarecimento, informação e debate sobre a língua portuguesa, o idioma oficial de Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique, Portugal, São Tomé e Príncipe e Timor-Leste. Sem outros apoios senão a generosidade dos seus consulentes, ajude-nos a dar-lhe continuidade: Pela viabilização do Ciberdúvidas. Os nossos agradecimentos antecipados.
Início Português na 1.ª pessoa Acordo Ortográfico Artigo
Que se cuidem os defensores do caduco «orgulhosamente sós»….

Em 1911, pouco tempo depois da implantação da República, houve força suficiente para que a revolução chegasse também à língua, numa altura de quase discricionariedade na escrita, com o uso das letras dobradas, do ph, do ye de outras heranças etimológicas com que se mostrava erudição individual. A resistência dos conservadores foi enorme; há testemunhos escritos, hoje considerados caricatos.

As consoantes mudas levaram também sumiço no acordo de 1931 (exemplo: ceptropassava a cetro e só se admitia o grupo cc quando as duas consoantes se pronunciassem). O Governo brasileiro estabeleceu oficialmente esta ortografia em 1938. No entanto, a Academia das Ciências de Lisboa não acatou a determinação de 1931, e, em 1940, publicou o seu completo Vocabulário, que introduzia as consoantes mudas. Em 1945, após tentativas de aproximação, foi feito um novo acordo entre os cientistas de Portugal e do Brasil (a norma que presentemente ainda nos rege em Portugal, nas suas bases fundamentais). Nele mantinham-se as consoantes não articuladas, com o pretexto de se respeitar a história das palavras e a abertura da vogal anterior (isto sem sentido em palavras como actividade ou didáctica…). Estabelecia ainda a ideia peregrina de o acento agudo poder ter o valor do circunflexo, como por exemplo na palavra António (no Brasil Antônio). Claro que, por sua vez, o Brasil não acatou este acordo, pois violentava os seus hábitos linguísticos já consagrados.

Entretanto, o esforço de aproximação entre os cientistas irmãos na língua não parava, e em 1986 foi apresentado um projecto revolucionário de ortografia que, por exemplo, duma vez liquidava a querela António/Antônio, pois suprimia os acentos nas esdrúxulas. Ficou então célebre a resistência portuguesa, no medo de que a palavra `cágado´ ficasse sem acento. Note-se que os acentos nas esdrúxulas foram introduzidos em 1911, mas em 1919 ainda muita gente não os usava, sem que fizessem grande falta…

É oportuno sublinhar que o tenaz esforço de aproximação nunca esmoreceu. Assim, as duas normas ortográficas, como que por milagre, acabaram por ser quase idênticas ponto por ponto, conseguindo-se que seja indiscutível tratar-se da mesma língua, não obstante as diferenças semânticas e de prolação. Isso deveu-se também ao facto de que os avisados cientistas, nas suas reuniões, mantiveram sempre a base etimológica na língua, permitindo a enorme riqueza da sua adaptação a todas as pronúncias (salvo quando as letras não serviam para nada…). Neste impressionante objectivo de aproximação, foi finalmente assinado o acordo de 1990, agora com ampla concordância (dos sete países da Lusofonia na altura). Neste acordo, estabelecem-se duplas grafias nos casos indispensáveis, para não alterar o uso nos dois países, o Brasil faz várias cedências nos acentos e Portugal consente finalmente em acabar com a teimosia das consoantes não articuladas (além de outras simplificações, modestas para evitar muitas resistências).

Ora a uniformização na língua é importante também para Portugal. Não faz sentido que nas instâncias internacionais apareça uma variante da língua que se diga brasileira, quando a língua é a mesma. Os defensores do caduco «orgulhosamente sós» que se cuidem…

Um problema é o interesse legítimo das editoras. De acordo que é necessário um prazo para escoamento das edições com a norma anterior.. No entanto, dez anos é excessivo; bastariam quatro a cinco, visto que o Brasil pretende estar em vigor pleno muito cedo. Note-se que se o Brasil avançar rapidamente, como já pode, e se conseguir cativar outros países que presentemente seguem o português europeu, o papel inverte-se, e serão as editoras portuguesas que aí ficarão blindadas, se continuarem com a norma antiga.

Um outro motivo para a resistência à mudança na língua é o receio de que depois não se saiba escrever correctamente, nos hábitos que se tem de escrever na grafia actual. Como as pessoas se assustam sobretudo com o desconhecido, indicam-se na página www.dsilvasfilho.com, em Problemas Ortográficos > Linguística, do Autor deste texto [vide também  O que (não) muda com o Acordo Ortográfico (1990)] as alterações previstas, em pormenor. Pode-se observar que muitas bases ficam sem alteração nos hábitos actuais de escrita e que as outras são simplificações úteis ou de fácil adaptação.

Fonte

artigo publicado no Jornal de Notícias de 3 de Dezembro de 2007

Sobre o autor

D´Silvas Filho, pseudónimo literário de um docente aposentado do ensino superior, com prolongada actividade pedagógica, cargos em órgãos de gestão e categoria final de professor coordenador deste mesmo ensino. Autor do livro Prontuário Universal — Erros Corrigidos de Português. Consultor do Ciberdúvidas da Língua Portuguesa.