A grafia das formas reduzidas: abreviaturas, siglas e acrónimos - Ciberdúvidas da Língua Portuguesa
Este é um serviço gracioso e sem fins comerciais, de esclarecimento, informação e debate sobre a língua portuguesa, o idioma oficial de Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique, Portugal, São Tomé e Príncipe e Timor-Leste. Sem outros apoios senão a generosidade dos seus consulentes, ajude-nos a dar-lhe continuidade: Pela viabilização do Ciberdúvidas. Os nossos agradecimentos antecipados.
A grafia das formas reduzidas:
abreviaturas, siglas e acrónimos

Como devo escrever as siglas: DT (Diretor de Turma), ou D. T.? ONU,ou O. N. U.?

Diana Almeida Estudante Vila Real, Portugal 10K

Tal como já foi dito numa resposta anterior, há uma certa flexibilidade em relação ao emprego do ponto a seguir a cada uma das letras das siglas, dos acrónimos, assim como das formas abreviadas das palavras.

Cunha e Cintra, no capítulo dedicado à pontuação, e mais especificamente no âmbito do ponto, nas Observações, afirmam: «Além de servir para marcar uma pausa longa, o ponto tem outra utilidade. é o sinal que se emprega depois de qualquer palavra escrita abreviadamente. Assim: V. S.ª (Vossa Senhoria), Dr. (Doutor), C. F. C. (Conselho Federal de Cultura), I. N. I. C. (Instituto Nacional de Investigação Científica. Note-se que, se a palavra assim reduzida estiver no fim do período, este encerra-se com o ponto abreviativo, pois não se coloca outro ponto depois dele» (Cunha e Cintra, Nova Gramática do Português Contemporâneo, Lisboa, Sá da Costa, 2002, p. 647).

Se seguirmos indicação, dever-se-ia escrever D. T. sempre que nos referíssemos ao diretor de turma, assim como O. N. U. para designarmos a Organização das Nações Unidas.

No entanto, apercebemo-nos de que esta regra não tem sido posta em prática, pois não vemos nem as siglas nem os acrónimos escritos com o ponto após cada uma das letras. Pode parecer uma incongruência, mas a mesma gramática acima citada não aplica essa regra na parte dedicada às siglas [e aos acrónimos], pois não coloca os respetivos pontos nos exemplos da lista comprovativa do «processo de criação vocabular que consiste em reduzir longos títulos a meras siglas [e acrónimos], constituídos das letras iniciais das palavras que os compõem: ONU, UNESCO (= United Nations Educational, Scientif and Cultural Organization), OEA (= Organização dos Estados Americanos), OUA (= Organização da Unidade Africana), ABI (= Associação Brasileira da Imprensa), APU (= Aliança Povo Unido), PCP (= Partido Comunista Português), PPM (= Partido Popular Monárquico), PS (= Partido Socialista), PSD (= Partido Social Democrático), PDS (= Partido Democrático Social), PD (= Partido Democrático Trabalhista), PMDB (= Partido do Movimento Democrático Brasileiro), PT (= Partido dos Trabalhadores), MPLA (= Movimento Popular de Libertação de Angola), PAIGC (= Partido Africano da Independência da Guiné e Cabo Verde), MEC (= Ministério da Educação e Cultura), CGTP (= Confederação Geral dos Trabalhadores Portugueses), UGT (= União Geral dos Trabalhadores), UNE (= União Nacional de Estudantes), TAP (= Transportes Aéreos Portugueses), VARIG (= Viação Aérea Rio-Grandense), FIFA (Féderation Internationale de Football Association») (idem, p. 116).

Por outro lado, se tivermos em conta os vocabulários ortográficos, verificamos que as abreviaturas se encontram registadas com o ponto (ou no final da abreviatura ou após cada uma das letras representantes de cada palavra. Por exemplo, o Vocabulário Ortográfico da Língua Portuguesa, da Porto Editora, 2009, regista do seguinte modo as abreviaturas: A. (= autor), AA. (= autores), a. C. (= antes de Cristo), A. D. (= aguarda deferimento; ou Anno Domini, no ano do Senhor), adj. (= adjetivo), A. R. (= aviso de receção),  Av. ou av. (= avenida), câm. (= câmara), cap. (= capítulo), Da. (= dona)*, Dr. (= doutor), Dra. (= doutora), E. D. (= espera deferimento), E. M. (= estado-maior), N. da D. (= nota da direção), N. da E. (= nota da editora), N. do E. (= nota do editor), P. F. ou p. f. (= por favor), Prof. ou prof. (= professor), Prof.ª ou prof.ª (= professora), rub. (= rubrica), S. O. S. (save our souls), X. P. T. O. [= de qualidade excelente; Χριστδζ (Cristo)].

Perante estas referências, consideramos aconselhável o emprego do ponto a separar em D. T., de diretor de turma, uma vez que se trata de uma abreviatura. Em relação às siglas e aos acrónimos cuja grafia já se encontra legitimada pelo uso – e pelas gramáticas – sem os pontos a separar as letras, poderemos escrevê-los de um ou de outro modo. Se optarmos pela colocação dos pontos, marcamos a nossa posição de puristas da língua, se preferirmos a forma simplificada, estaremos de acordo com a prática corrente.

De qualquer modo, é de referir que o emprego do ponto nestes casos não pode ser considerado errado.

Nota: Sobre este tema, aconselha-se a leitura de uma outra resposta sobre os casos particulares das reduções.

* Não é de recomendar esta abreviatura, uma vez que as mais conhecidas são D. e D.ª. Cf. A abreviatura da forma de tratamento Dona.

Eunice Marta
Tema: Uso e norma Classe de Palavras: substantivo