Estrangeirismos - Acordo Ortográfico - Ciberdúvidas da Língua Portuguesa
Este é um serviço gracioso e sem fins comerciais, de esclarecimento, informação e debate sobre a língua portuguesa, o idioma oficial de Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique, Portugal, São Tomé e Príncipe e Timor-Leste. Sem outros apoios senão a generosidade dos seus consulentes, ajude-nos a dar-lhe continuidade: Pela viabilização do Ciberdúvidas. Os nossos agradecimentos antecipados.
Início Português na 1.ª pessoa Acordo Ortográfico Artigo
Estrangeirismos
Estrangeirismos

Artigo que faz parte de um projeto de melhoria do Acordo Ortográfico de 1990 (AO 90) em que o autor está envolvido. Trata-se de um conjunto de critérios para aplicação aos estrangeirismos (substituição por formas vernáculas, adaptação à língua, manutenção da grafia original).

 

 

• SUBSTITUIÇÃO POR FORMAS VERNÁCULAS. – Os estrangeirismos devem ser, sempre que possível, substituídos por formas vernáculas. Por exemplo, usar apagar e não delete, gravar e não save, etc. Deveria haver uma entidade oficial que recomendasse essas substituições por um português correto, em defesa da língua, combatendo-se a ostentação em mostrar que se está atualizado no jargão técnico internacional.

• ADAPTAÇÕES – Tem havido grande confusão e arbitrariedade nestas adaptações, de que o próprio autor não se tem livrado. Umas vezes faz-se a adaptação do estrangeirismo pela fonia em português das palavras que estão no original (ex.: Jugoslávia, quando no original o J na palavra tem o som I, como pronunciam os brasileiros), outras vezes faz-se a adaptação do som com as letras do nosso alfabeto, que fica então rebarbativa (ex.: chofer).

Depois de meditar no assunto, o autor fixou-se finalmente no seguinte critério:

Recomenda que nos nomes comuns a adaptação seja feita sempre pela fonia, com as letras do nosso alfabeto segundo a pronúncia na qual as palavras entraram nos hábitos linguísticos [ex.: toalete (e não toilete pronunciada |tua|), flarte, náilon, sarfe, sarfista (e não surfe pronunciada |sarfe| e surfista pronunciada |surfista|), aicebergue (e não icebergue), blogue, lóbi, beisebol (e não basebol pronunciada |bɐj|), etc.). Nota: emendas feitas ao que está registado no dicionário da Academia 2001.

Nas palavras derivadas de nomes próprios estrangeiros, como há a obrigação de se respeitar a grafia estrangeira, alguns puristas recomendam que se siga a pronúncia das letras em português (ex.: |frêu| em freudismo e |chau| em chauvinismo). Contudo, a última generalização de se dominar uma segunda e mais línguas torna caricata a pronúncia diferente daquilo a que o ouvido culto está habituado, e corre o risco de ser considerada inculta, por mais puro vernáculo que pretenda usar. Assim, o autor fixou-se também no respeito pelo som, quanto às palavras que devem seguir a grafia original estrangeira (ex.: em freudismo de Freud o som |frói| e em chauvinismo de Chauvin o som |chou|).

No entanto, como estamos na fase de revisão do AO90 e atendendo à generalização da escolaridade avançada do povo (12.º ano em geral), o autor sugere que se pondere a hipótese de a norma poder ser mudada no futuro. Conservando-se a grafia original nos antropónimos e topónimos (Darwin, Oxford), deixaria de haver exigência de a respeitar em derivados (ex.: daruinismo, muleriano). Então seria já legítimo escrever-se: froidismo e chouvinismo, como toalete e náilon.

Em resumo, em qualquer dos casos é sempre a pronúncia usual da palavra neste mundo globalizado que deve ser o critério orientador na representação do estrangeirismo.

• SEM SUBSTITUIÇÃO OU ADAPTAÇÃO – Aceitemos também que muitas vezes, na explosão atual dos conhecimentos, nem sempre haja termo vernáculo nem adaptação já bem divulgados com adequação ao novo conceito. Então recomenda-se que não haja pruridos na sua utilização, na condição de se indicar sempre que isso é feito com reserva, expressa por meio de aspas altas ou itálico [ex.: "software” (programas e dados, instruções ao computador, suporte lógico?]) browser (navegador, pesquisador?)].

Sobre o autor

D´Silvas Filho, pseudónimo literário de um docente aposentado do ensino superior, com prolongada actividade pedagógica, cargos em órgãos de gestão e categoria final de professor coordenador deste mesmo ensino. Autor do livro Prontuário Universal — Erros Corrigidos de Português. Consultor do Ciberdúvidas da Língua Portuguesa.