Predicativos, adjuntos e os dois modos de estar - Lusofonias - Ciberdúvidas da Língua Portuguesa
Este é um serviço gracioso e sem fins comerciais, de esclarecimento, informação e debate sobre a língua portuguesa, o idioma oficial de Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique, Portugal, São Tomé e Príncipe e Timor-Leste. Sem outros apoios senão a generosidade dos seus consulentes, ajude-nos a dar-lhe continuidade: Pela viabilização do Ciberdúvidas. Os nossos agradecimentos antecipados.
Início Português na 1.ª pessoa Lusofonias Artigo
Predicativos, adjuntos e os dois modos de estar
Predicativos, adjuntos e os dois modos de estar
A análise do verbo estar no Brasil e não só

« (...) Afinal, qual a diferença entre «Ele é diabético» e «Ele tem diabetes»? Do ponto de vista da semântica profunda, nenhuma... (...)»

 

O verbo estar pode ser de ligação («estar feliz, triste, doente, atrasado») ou intransitivo («estar bem», «estar na sala», etc.). No primeiro caso, pede como complemento um predicativo do sujeito, que pode ser um adjetivo, como nos exemplos acima, ou um substantivo («Eu não sou ministro, eu estou ministro»). No segundo caso, estar só pode ser complementado por um adjunto adverbial. É o caso de «estar bem», «estar mal», etc. (adjunto adverbial de modo) e o de «estar na sala», «estar aqui», etc. (adjunto adverbial de lugar). Em «estar bem», «estar mal», que se referem ao estado de saúde, estar tem aproximadamente o mesmo significado de passar: «ele está bem» equivale a «ele passa bem». Só que estar também poderia ser interpretado aqui como verbo de ligação. Por isso, muita gente diz «Eu estou bom», «Ela está boa», no lugar de «Eu estou bem», e assim por diante. Por sinal, em inglês popular, «He is good» tem o mesmo sentido de «He is well». Já em «He is alright», em que alright é tanto adjetivo quanto advérbio, fica impossível decidir se o verbo to be é de ligação ou intransitivo.

O predicativo, seja do sujeito ou do objeto, é uma classe sintática ambígua, pois, em muitos casos, funciona como um adjunto adverbial. «João entrou na sala silencioso» tem o mesmo valor semântico de «João entrou na sala silenciosamente». A situação se complica porque muitos advérbios de modo prescindem do sufixo -mente: em «Este livro custou caro», caro é advérbio e equivale a um hipotético caramente. A indistinção entre o adjunto adverbial e o predicativo é que leva algumas pessoas a dizer «Estes livros custaram caros» em vez de «custaram caro». O famoso slogan da cerveja que «desce redondo» já causou muita polêmica e ensejou inúmeras questões em vestibulares e concursos públicos, pois, na realidade, é válido considerar que redondo pode referir-se tanto a cerveja (a cerveja desce redonda) quanto a descer (e aí, desce redondo).

Não por acaso, muitos termos que, numa língua, são adjetivos usados como predicativos, em outra, são advérbios invariáveis. Em português, dizemos que fulano e beltrano chegaram juntos (ou separados), o que mostra, pela flexão dessas palavras (juntos/juntas, separados/separadas) que se trata de adjetivos e, portanto, de predicativos. No mesmo contexto, o inglês usa together ou apart, vocábulos que constam nos dicionários ingleses como advérbios. Só que, na língua de Shakespeare, os adjetivos também são invariáveis, o que torna ainda mais opaca a distinção entre um adjetivo e um advérbio e, por conseguinte, entre um predicativo e um adjunto adverbial. Tanto que well é o advérbio de modo correspondente ao adjetivo good (assim como bem corresponde a bom), mas a possibilidade de intercâmbio entre well e good («He is good/well»), como, aliás, também ocorre em português («Ele está bem/bom»), fez que, com o tempo, well passasse a ser sentido como predicativo e, portanto, adjetivo, o que propiciou o surgimento do substantivo abstrato wellness, "bem-estar”. Para isso contribuiu, sem dúvida, a prévia existência de illness, «doença, mal-estar», derivado de ill, que pode ser tanto adjetivo quanto advérbio.

Esse é um dos típicos casos em que a gramática normativa pouco esclarece. Já os estudos linguísticos apontam para a singularidade dos verbos designativos de essência ou existência, como ser e estar, que têm ao mesmo tempo características de verbos lexicais (também chamados de verbos cheios ou pesados) e de verbos gramaticais (ou vazios ou leves), em que são meras cópulas ou, no dizer da gramática normativa, verbos de ligação.

A própria distinção entre predicado verbal e predicado nominal fica abalada quando se introduz a semântica na questão. Afinal, qual a diferença entre «Ele é diabético» e «Ele tem diabetes»? Do ponto de vista da semântica profunda, nenhuma, pois ambas as frases denotam a relação entre um ente (no caso, uma pessoa) e um estado (no caso, doença). Para a gramática, no entanto, ter é verbo transitivo, tanto quanto ver ou matar, por exemplo, mesmo não admitindo voz passiva («A diabetes é tida por ele» é um enunciado inaceitável em português). Ocorre que ter é mais um desses verbos vazios. Mas isso é assunto para outro post.

Fonte

Texto do linguista brasileiro Aldo Bizzocchi , que o publicou no seu blogue Diário de um Linguista em 22/01/2019.

Sobre o autor

Linguista brasileiro, é doutor em Linguística pela USP, pós-doutorado pela UERJ, pesquisador do Núcleo de Pesquisa em Etimologia e História da Língua Portuguesa da USP e autor de Léxico e Ideologia na Europa Ocidental e Anatomia da Cultura . Faz ainda parte dos grupos de pesquisa Semiótica, Leitura e Produção de Textos (SELEPROT) e Morfologia Histórica do Português (GMHP), do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico. Também é poeta e tradutor (ver sítio pessoal e blogue associado à revista brasileira Língua Portuguesa).