Lusofonias - Ciberdúvidas da Língua Portuguesa
 
Início Português na 1.ª pessoa Lusofonias
Textos que versam sobre política de língua.
Literaturas de língua portuguesa: as trocas que não existem
Intercâmbio perde vitalidade

«Talvez mais lamentável e contraditório, tratando-se de uma organização criada sob a bandeira da língua e da cultura, seja a ausência de um efetivo intercâmbio cultural entre os países membros da CPLP» – opina o escritor angolano João Melo, criticando a perda de vitalidade no intercâmbio entre escritores e circulação de livros na Comunidade de Países de Língua Portuguesa (CPLP).

Artigo publicado no Diário de Notícias em 12 de outubro de 2021 (ver também, do mesmo autor, "Que lusofonia é essa?", em 1 de outubro de 2021).

A propósito da CPLP
Falta de visão e estratégia

«Como cidadão desta comunidade, seja lá o que isso for, defendo que a mesma deve ser uma comunidade "total", ou seja, ao mesmo tempo linguística, cultural, económica, diplomática, científica, tecnológica, em suma, multiforme» – afirma o escritor angolano João Melo, criticando o funcionamento da Comunidade de Países de Língua Portuguesa (CPLP).

Artigo transcrito a seguir, com a devida vénia, publicado no Diário de Notícias de 5 de outubro de 2021.

Que
Os repetidos atos falhados por Portugal e pelo Brasil

«O conceito de lusofonia, embora seja prático, é claramente um conceito ambíguo e limitado, que não exprime toda a complexa realidade constituída e vivenciada pelos povos de língua portuguesa» – argumenta João Melo neste artigo publicado no Diário de Notícias, no dia 28 de setembro de 2021, acerca do conceito de lusofonia e das falhas relativamente à literatura que se cometem à volta das comunidades de língua portuguesa.

Um olhar sobre a Declaração de Luanda <br>assinada na XIII Cimeira da CPLP
Compromissos estratégicos para enfrentar numerosos problemas e desafios

 «A Declaração de Luanda não esqueceu a importância altamente estratégica relacionada com a consolidação e desenvolvimento da  língua portuguesa em todo o mundo» – assinala o professor universitário Manuel Azancot de Meneses, neste comentário ao documento que saiu da  XIII Conferência de Chefes de Estado e de Governo da CPLP, realizada em 17 de julho de 2021.

Artigo publicado no jornal em linha Tornado no dia 19 de julho de 2021. Mantém-se a ortografia de 1945, adotada no original.

 

Oficializar a língua cabo-verdiana? (1)
Discussão e reflexão sobre a sua consagração

«Reconhecer e conferir estatuto oficial à língua cabo-verdiana é um desejo legítimo e compreensível, sobretudo num jovem país que há meio século não mais era que parte de um domínio colonial. A língua cabo-verdiana é a língua nacional de Cabo Verde, endógena, definidora da identidade do seu povo». Este é o ponto de partida da crónica da liguista portuguesa Margarita Correia publicada no Diário de Notícias de 12 de julho de 2021.

A língua de todos nós
Em África, Brasil e Portugal

As principais especificidades do português contemporâneo – de Portugal ao Brasil, à África e a Timor-Leste – são abordadas neste apontamento da professora Lúcia Vaz Pedro, constante de uma das suas aulas a alunos do ensino secundário em Portugal sobre o idioma comum dos oito países fundadores da CPLP e das suas variedades.

Por uma Comunidade de Cidadãos de Língua Portuguesa
A propósito da circulação de livros na CPLP

«A leitura em suporte impresso é, e continuará a ser, fundamental para a formação de cidadãos, i. e., indivíduos pertencentes a Estados livres, com direitos e obrigações civis e políticas. E, no entanto, a produção e livre circulação de livros na CPLP estão longe de ser realidade.» Considerações da linguista Margarita Correia, que, a pretexto da dificuldade em comprar edições do Brasil em Portugal, propõe a criação de Comunidade de Cidadãos de Língua Portuguesa, como forma de possibilitar aos países da CPLP a produção e o acesso a livros e bens culturais. Artigo publicado no Diário de Notícias em 15 de março de 2021.

Recordações do jovem Eanes para goeses lerem em português no jornal <i>O Heraldo</i>
O diálogo necessário para salvaguardar a herança cultural de Goa

«Natural e inteligente será, também, que ultrapassados os "ajustes históricos" e as suas 'contas', Goa e a sua juventude, em especial, entendam que a cultura do seu povo se enriquece, sempre, na relação histórica e civilizacional-cultural com outros povos, nomeadamente com o povo português, com o qual percorreu séculos de história.» É a citação que o jornalista Leonídio Paulo Ferreira na síntese de um artigo que Ramalho Eanes, antigo presidente da República em Portugal (entre 1976 e 1986) escreveu para edição em português do jornal goês O Heraldo e que também foi traduzido para a versão em inglês do mesmo diário.

Apontamento publicado no Diário de Notícias  de 25 de janeiro de 2021.

E se um jornal de Goa voltar a escrever em português? Aconteceu
Os goeses redescobrem a língua portuguesa

Fundado em 1900, O Heraldo é um jornal de Goa que, em 1983, mais de duas décadas depois da integração deste território na Índia, passou a publicar apenas em inglês. Contudo, a pedido dos seus leitores, voltou a incluir conteúdos em português, numa secção publicada ao domingo. «[Goa] tem uma cultura de tolerância que é notável e mantém um código civil que não faz distinção entre comunidades religiosas, um legado português que foi respeitado por Jawaharlal Nehru, o homem que foi o primeiro primeiro-ministro da Índia independente em 1947 e que não desistiu enquanto não incluiu as possessões portuguesas no novo país» – lembra o jornalista português Leonídio Paulo Ferreira em crónica publicada em 6 de setembro de 2020 no Diário de Notícias, para assinalar este e outros acontecimentos que têm marcado a redescoberta da língua portuguesa pelos goeses.

Uma viagem lusófona
Um périplo pela literatura africana de língua portuguesa

Uma história que se centra na viagem pelo continente africano levada a cabo por uma borboleta. Nessa viagem a borboleta cruza-se com autores africanos de língua portuguesa, como Mia Couto, Luandino Vieira, etc., interferindo na criação escrita dos mesmos. 

Um texto escrito pelo professor João Nogueira da Costa para os seus alunos de Português da Universidade Mohammed V de Rabat, no ano letivo 2012-2013 e mais tarde divulgado pelo mesmo autor em 18 de maio de 2018 na sua página de Facebook.