Lusofonias - Ciberdúvidas da Língua Portuguesa
 
Início Português na 1.ª pessoa Lusofonias
Textos que versam sobre política de língua.
E se um jornal de Goa voltar a escrever em português? Aconteceu
Os goeses redescobrem a língua portuguesa

Fundado em 1900, O Heraldo é um jornal de Goa que, em 1983, mais de duas décadas depois da integração deste território na Índia, passou a publicar apenas em inglês. Contudo, a pedido dos seus leitores, voltou a incluir conteúdos em português, numa secção publicada ao domingo. «[Goa] tem uma cultura de tolerância que é notável e mantém um código civil que não faz distinção entre comunidades religiosas, um legado português que foi respeitado por Jawaharlal Nehru, o homem que foi o primeiro primeiro-ministro da Índia independente em 1947 e que não desistiu enquanto não incluiu as possessões portuguesas no novo país» – lembra o jornalista português Leonídio Paulo Ferreira em crónica publicada em 6 de setembro de 2020 no Diário de Notícias, para assinalar este e outros acontecimentos que têm marcado a redescoberta da língua portuguesa pelos goeses.

Uma viagem lusófona
Um périplo pela literatura africana de língua portuguesa

Uma história que se centra na viagem pelo continente africano levada a cabo por uma borboleta. Nessa viagem a borboleta cruza-se com autores africanos de língua portuguesa, como Mia Couto, Luandino Vieira, etc., interferindo na criação escrita dos mesmos. 

Um texto escrito pelo professor João Nogueira da Costa para os seus alunos de Português da Universidade Mohammed V de Rabat, no ano letivo 2012-2013 e mais tarde divulgado pelo mesmo autor em 18 de maio de 2018 na sua página de Facebook.

 

 

Longe dos papagaios
Frases feitas e esvaziadas de cordialidade

As frases feitas estão por todo o lado, de tal forma que o seu conteúdo parece ter-se esvaziado.É o caso da expressão «em que mais posso ajudá-lo», recorrente no comércio, como escreve o autor, em crónica originalmente publicada no jornal Público, de 16 de novembro, que a seguir transcrita com a devida vénia. 

Lusofonia: um conceito operativo
O estatuto do português nos países africanos de língua oficial portuguesa

Discordando da promoção do uso extensivo das línguas nacionais nos países africanos de língua oficial portuguesa, o jornalista angolano José Luís Mendonça defende a ideia de Lusofonia, considerando que a língua portuguesa deve manter o estatuto de língua principal nesses Estados, entre eles, Angola e Moçambique, a bem da unidade dos mesmos.

Uma língua à portuguesa no Sri Lanka?
Na terra terra dos Fonsekas, dos Fernandos e dos "Perera"

O muito de português num dos  poucos países sem um nome próprio em português – as formas aportuguesadas SeriiLanca (tal como se encontra abonada no Vocabulário Ortográfico Comum da Língua Portuguesa) e Sri Lanca não se impuseraram nos media –, neste texto* do professor universitário e tradutor Marco Neves, a propósito do ataque terrorista contra quatro hotéis e três igrejas cristâs, no dia 21/04/2019, causando mais de mil vítimas, entre mortos e feridos.

 * transcrito, com a devida vénia, do blogue Certas Palavras, conforme a norma ortográfica do original.

O estatuto de ficção da língua portuguesa na Guiné Equatorial
Cinco anos passados da entrada do país na CPLP

A despeito do compromisso da Guiné Equatorial na adoção do português como terceira língua oficial do país, cinco anos passados da sua entrada na CPLP,  com o estatuto de membro de pleno direito, até a página oficial do Governo de Malabo  continua só em espanhol, em francês e.. em inglês. Quanto à outra condição – a abolição da pena de morte no país –  é o que se sabe

Predicativos, adjuntos e os dois modos de estar
A análise do verbo estar no Brasil e não só

No Brasil, as frases «ele está doente» e «ele está na sala» são analisadas de maneira diferente. Na primeira, está é um verbo de ligação, e doente, um predicativo do sujeito; mas, na segunda, o mesmo verbo é considerado intransitivo, e a expressão «na sala» constitui um adjunto adverbial*. O linguista brasileiro Aldo Bizzocchi revela que o uso intransitivo («ele está na sala») pode ser compreendido no contexto do funcionamento de estar como verbo de ligação, também evidenciando o contraste destas frases do português com as suas homólogas na língua inglesa. Texto do referido autor publicado no seu blogue Diário de um Linguista em 22/01/2019.

* Em Portugal, no contexto da terminologia gramatical atualmente empregada no ensino não universitário – a do Dicionário Terminológico –considera-se que, em ambas as frases, o verbo estar é sempre um verbo copulativo, pelo que tanto o adjetivo como a expressão adverbial desempenham as funções de predicativo do sujeito.

 

 

«Viagem a Nova Orleães a bordo do português»
Sobre a variação histórica e contemporânea da língua portuguesa

Uma perspetiva do tradutor Marco Neves sobre a proximidade e as tendências de afastamento entre o português de Portugal, o português do Brasil e o galego (texto publicado no blogue Certas Palavras em 1/11/2018; todas as imagens provêm do original).

O impasse no Instituto Internacional da Língua Portuguesa
Moçambicana Marisa Mendonça, em fim do mandato, apreensiva com indefinição do IILP
Por Lusa

A 15 dias da realização da XII Conferência de Chefes de Estado e de Governo da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP), marcada nos dias 17 e 18 de julho de 2018, em Santa Maria, na ilha do Sal, em Cabo Verde, em entrevista à agência Lusa – e transcrita pelo diário digital Observador do dia 11/07/208 –, a diretora executiva do Instituto Internacional da língua Portuguesa (IILP), a moçambicana Marisa Mendonça, mostrou-se apreensiva por não existir, até ao momento, decisão sobre quem a sucederá. Outro problema, este recorrente no IILP: os atrasos no pagamento das quotas por parte dos países-membros, o que  tem obrigado e o instituto a funcionar com 8% do seu orçamento.

Filhos de uma nação ausente
Descendentes dos navegadores portugueses em Singapura

Reportagem publicada no semanário macaense  Ponto Final, de 7 de abril de 2018  sobre o milhar de descendentes dos navegadores portugueses que passaram por Singapura há 500 anos. Texto de Sílvia Gonçalves, fotografias de Eduardo Martins.