O ensino do português e a convivência com a sua diversidade - Ciberdúvidas da Língua Portuguesa
Este é um serviço gracioso e sem fins comerciais, de esclarecimento, informação e debate sobre a língua portuguesa, o idioma oficial de Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique, Portugal, São Tomé e Príncipe e Timor-Leste. Sem outros apoios senão a generosidade dos seus consulentes, ajude-nos a dar-lhe continuidade: Pela viabilização do Ciberdúvidas. Os nossos agradecimentos antecipados.
Início Aberturas Abertura
O ensino do português e a convivência com a sua diversidade
O ensino do português e a convivência com a sua diversidade
Por Ciberdúvidas da Língua Portuguesa 225

1. Como integrar o estudo da gramática nas aulas de Português? No contexto escolar, reconhece-se a necessidade de enquadrar o conhecimento explícito da língua na realidade e nas expetativas dos alunos. E, aceitando uma visão pluricêntrica da língua, também se atende à sua diversidade nos âmbitos e nos países onde é falada: de língua materna a língua segunda, de língua de herança a língua estrangeira. Ao encontro destas preocupações, Carla Marques, consultora permanente do Ciberdúvidas, apresenta na Montra de Livros a obra Lugar da Gramática na Aula de Português, organizada pelos linguistas Paulo OsórioEulália Leurquin e Maria da Conceição Coelho, que reúnem um conjunto de textos centrados na problemática do ensino do português nos países lusófonos.

2. Que se sabe ao certo acerca da eficácia dos métodos aplicados ao ensino das línguas, em especial, ao do português, quer seja língua materna quer não? Em Portugal, parece que pouco, sustenta Ana Sousa Martins num apontamento intitulado "Números precisam-se", em linha na rubrica Ensino.

3. No consultório, uma pergunta dá relevo à análise gramatical a propósito da distinção entre adjetivos participiais e particípios passivos, enquanto outra regressa à identificação do complemento do nome. As restantes questões dizem respeito à morfologia, quando indagam pela boa formação dos termos obesogénico e representação icónica ou exigem pesquisa etimológica para criar o gentílico de Carnicães, um topónimo localizado no distrito da Guarda.

4. Das palavras, depende muito o clima das relações humanas, em casa ou no trabalho. Em O nosso idioma, transcreve-se um texto que a consultora linguística Sandra Duarte Tavares escreveu e publicou na edição digital revista Visão em 22/01/2019, a respeito da distinção dos vocábulos em categorias, de acordo com a sua capacidade de despertar ou neutralizar emoções positivas e negativas. Na mesma rubrica, disponibiliza-se igualmente uma lista curiosa, recolhida no portal Vortexmag, à volta de certos arcaísmos, ou seja, palavras que caíram ou vão caindo no esquecimento, como asinha, soer ou tença. Duas outras palavras menos usadas no léxico comum – almece e atabefe, ambas de origem árabe, denominando produtos do leite, – trá-las ao conhecimento público o colunista Miguel Esteves Cardoso nesta sua crónica no jornal Público deste dia. 

5. Voltando ao tema do ensino em países de língua oficial portuguesa, é de assinalar a preocupação sentida em Angola com o funcionamento das escolas, nestas notícias recentes do jornal angolano Nova Gazeta (nos títulos, mantém-se a ortografia de 1945, ainda em vigor em Angola):  "Mais de 45 por cento dos alunos não sabem ler" (29/11/2018); "Primária com materiais atualizados" (6/12/2018); "Professores com dupla efectividade têm os dias contados (23/01/2019). Da atualidade, merece igual destaque o lançamento, pela Anistia Internacional Brasil, do livro eletrónico Educação em Direitos Humanos 2018.

6. Respeitante ainda a conteúdos da Internet que veiculam informação (às vezes nem sempre com o rigor devido..) sobre a nossa língua ou, por causa dela, suscitam debate (nem sempre moderado), uma chamada de atenção para:

– a polémica que ainda rodeia a etimologia de mulato, há tempos reacesa pela historiadora brasileira Lita Chastan (ler notícia);

– uma lista dos "falsos amigos" que o português tem noutros idiomas (aqui);

– e o vídeo da saborosa conversa entre o brasileiro Gregório Duvivier e o português Ricardo Araújo Pereira, dois humoristas que glosam o tópico da diversidade do português no Brasil e em Portugal.

7. Em foco, no Língua de Todos, emitido na RDP África*, uma conversa com o professor universitário e tradutor Marco Neves acerca do seu Dicionário de Erros Falsos e Mitos do Português. O Páginas de Português, difundido na Antena 2*, centra-se numa entrevista com o novo diretor-executivo do Instituto Internacional da Língua Portuguesa (IILP), o linguista guineense Icanha Itunga, sobre a agenda para a promoção do português.

* Língua de TodosRDP África, sexta-feira, 25 de janeiro,  13h15 , com repetição no sábado, dia 26 de janeiro, depois do noticiário das 09h00 + Páginas de Português, Antena 2, 27 de janeiro, 12h30, com repetição no sábado seguinte, dia 2 de fevereiro, pelas 15h30. Hora oficial de Portugal continental, ficando ambos os programa disponíveis posteriormente, aqui e aqui.