Lugar da gramática na aula de português - Ciberdúvidas da Língua Portuguesa
Este é um serviço gracioso e sem fins comerciais, de esclarecimento, informação e debate sobre a língua portuguesa, o idioma oficial de Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique, Portugal, São Tomé e Príncipe e Timor-Leste. Sem outros apoios senão a generosidade dos seus consulentes, ajude-nos a dar-lhe continuidade: Pela viabilização do Ciberdúvidas. Os nossos agradecimentos antecipados.
Lugar da gramática na aula de português
Paulo Osório, Eulália Leurquin e Maria da Conceição Coelho
Dialogarts 1K   

Lugar da gramática na aula de português¸ uma obra organizada por Paulo OsórioEulália Leurquin e Maria da Conceição Coelho, da editora brasileira Dialogarts (obra de acesso livre, disponível neste endereço), oferece ao leitor uma perspetiva do ensino do português em diferentes contextos: do português língua não materna ao português língua oficial, sem esquecer o português língua estrangeira, língua de acolhimento, língua de herança ou língua segunda. Apresentando textos de pesquisadores oriundos do Brasil, Portugal e África, esta edição oferece quatro reflexões centradas no português língua não materna nas suas várias realidades (os quatro primeiros capítulos), sendo os nove restantes capítulos dedicados ao português língua materna nas variantes europeia e brasileira. Uma obra que abre caminho a um mapeamento das especificidades do ensino do português no mundo lusófono e que propõe alguns percursos a seguir no espaço da sala de aula como forma de ultrapassar as dificuldades particulares de cada realidade de ensino. Estas são abordagens desenhadas a partir dos quadros do interacionismo sociodiscursivo e do funcionalismo linguístico.

               Entre as várias perspetivas desenvolvidas na obra, destacamos a defesa (comum a vários autores) do ensino da gramática na aula de português língua não materna associada à finalidade comunicativa, a partir do desenvolvimento de práticas sociais reais (capítulo 1) ou a apresentação de um conjunto de princípios a seguir numa gramática de matriz enunciativa (capítulo 13).

               A maioria dos capítulos centra-se em problemáticas específicas da aprendizagem do português. Por exemplo, no capítulo 3, apresenta-se um estudo sobre o conhecimento dos alunos angolanos relativamente à colocação do pronome clítico no português europeu, que nos dá um panorama das dificuldades específicas e da didática adequada à realidade escolar angolana. A este tema associa-se o capítulo 6, que nos oferece, por seu turno, uma reflexão sobre o ensino da gramática nas escolas brasileiras. Também no capítulo 7, a gramática está presente com a questão do sujeito e da referência indefinida, numa abordagem didática associada ao português brasileiro. O presente do conjuntivo e o seu tratamento em manuais escolares de português língua não materna é o mote da reflexão desenvolvida no capítulo 4 e a questão da concordância nominal na escola brasileira, abordada no contexto de uma gramática de usos, está presente no capítulo 8. Por fim, a distinção entre o substantivo e o adjetivo é o tema central do capítulo 11.

               A didática do género está também presente nesta publicação com uma proposta de abordagem didática do resumo de artigo científico,no capítulo 5, onde se desenvolve um percurso estruturado para o tratamento deste género textual. O género encontra-se ainda na base do capítulo 12, que apresenta os resultados de um estudo centrado na descrição do tipo de abordagem de género proposta por diferentes coleções de manuais escolares.

               Esta obra constitui uma publicação destinada não só a quem leciona o português no espaço da lusofonia mas também a quem desenvolve investigação centrado no ensino da língua portuguesa pelo mundo.

Carla Marques