Guineense Icanha Itunga é o novo diretor-executivo do IILP - Ciberdúvidas da Língua Portuguesa
Este é um serviço gracioso e sem fins comerciais, de esclarecimento, informação e debate sobre a língua portuguesa, o idioma oficial de Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique, Portugal, São Tomé e Príncipe e Timor-Leste. Sem outros apoios senão a generosidade dos seus consulentes, ajude-nos a dar-lhe continuidade: Pela viabilização do Ciberdúvidas. Os nossos agradecimentos antecipados.
Guineense Icanha Itunga é o novo diretor-executivo do IILP
Substitui a moçambicana Marisa Mendonça
Por Lusa 676

O investigador e linguista guineense Icanha Itunga foi indicado pelo seu país para novo diretor-executivo do Instituto Internacional de Língua Portuguesa (IILP), tendo sido aprovado por unanimidade num encontro de representantes da CPLP na terça-feira, 26/09/2018, num hotel em Nova Iorque, à margem da 73.ª sessão da Assembleia-Geral das Nações Unidas, conforme anúncio do Presidente de Cabo Verde, Jorge Carlos Fonseca, na qualidade de presidente em exercício da comunidade lusófona.

A Guiné-Bissau, representada na reunião pelo ministro dos Negócios Estrangeiros, João Butiam Có, foi quem apresentou em Nova Iorque o nome de Icanha Itunga para a direção do IILP.

A indicação já devia ter sido indicado em julho, na cimeira da CPLP, na ilha do Sal, em Cabo Verde, mas na altura o Governo guineense pediu mais tempo para o fazer e comprometeu-se a apresentar o candidato em setembro.

O linguista guineense sucede no cargo à moçambicana Marisa Mendonça.

O IILP tem um orçamento de 300 mil euros, mas a sua ação tem sido limitada devido à falta de financiamento, tendo em conta os atrasos no pagamento das quotas por parte de alguns Estados-membros da CPLP. Antes da cimeira do Sal, o instituto tinha dívidas de quotas que ascendiam a 800 mil euros, uma preocupação manifestada numa das ultimas entrevistas.

Outra questão discutida na reunião foi a data da posse do próximo secretário-executivo da CPLP, Francisco Ribeiro Telles, de Portugal, mas ficou definida apenas entre dezembro e janeiro, sendo que a atual secretária, a são-tomense Maria do Carmo Silveira, vai cessar funções em dezembro deste ano.

No encontro em Nova Iorque, em que participaram três chefes de Estado – Marcelo Rebelo de Sousa (Portugal), Jorge Carlos Fonseca (Cabo Verde) e Teodoro Obiang (Guiné Equatorial) – foram ainda discutidos os processos eleitorais futuros no espaço da lusofonia: presidenciais no Brasilautárquicas em Moçambiquelegislativas, autárquicas e regional em São Tomé e Príncipelegislativas na Guiné-Bissau.

Os vários países da CPLP disponibilizaram equipas de observadores para acompanharem todos os processos eleitorais. 

A presença do Presidente angolano, João Lourenço, também era esperada na reunião, o que não aconteceu, não tendo sido dada nenhuma explicação para a ausência.