Miguel Esteves Cardoso - Ciberdúvidas da Língua Portuguesa
Miguel Esteves Cardoso
Miguel Esteves Cardoso
12K

Nasceu em Lisboa em 1955. É doutorado em Filosofia Política, pela Universidade de Manchester, Inglaterra. Desde 2009 escreve diariamente no Público e, em 2013, passou a ser autor da Porto Editora, a quem confia a obra inteira. Publicou entre outros: A causa das coisas (1986), O amor é fodido (1994), A vida inteira (1995), Explicações de Português (2001). Mais aqui.

 
Textos publicados pelo autor
O placebo da letra
O gosto que dava ver os médicos a ecrever...

Os tempos em que os médicos escreviam à mão – e as saudades quando eles, «de caneta em punho, fazendo mais uma pergunta antes de começar a traçar o nome da poção mágica»  –, evocados nesta crónica do autor, no jornal "Público" do dia 30 de agosto de 2021. Manteve-se a grafia original, segundo a norma de 1945.

A gente organiza-se
Sardinhadas... afrancesadas

Crónica* do escritor Miguel Esteves Cardoso, parodiando o afrancesamento do popular prato português em Marselha: «Não, não eram emigrantes portugueses a falar. Era gente fina, arquitectónica,a dizer sardinades para impressionar.»

*in jornal Público do dia 7 de agosto de 2021- Manteve-se  a a norma ortográfica de 1945 do original.

Vai uma baixadinha?
Sobre as traduções do inglês download

«É fascinante tentar medir a atracção que a palavra download exerce sobre as outras línguas» – declara o escritor Miguel Esteves Cardoso acerca do anglicismo download e do pouco sucesso que as formas vernáculas equivalentes têm tido entre  falantes do português. Crónica incluída no jornal Público em 23/07/2021.

Como falar buzinês
Um código para o uso da buzina

«[E]stou a aprender a linguagem portuguesa da buzinação e já vi que não será nesta vida que eu hei-de dominá-la» – lamenta o escritor Miguel Esteves Cardoso, que fala de um código para o uso da buzina do automóvel, o "buzinês", e cria termos para dois tipos de buzinadela – "cortinadela" e "curtinatória".

Crónica incluída no jornal Público em 9 de julho de 2021.

 

Ser capaz de dizer
O se calhar em português significa «de certeza» e o vou precisar significa «preciso»

Os usos de expressões como «se calhar» ou «vou precisar» estão imersos na cultura portuguesa. É o que comprova na sua crónica o escritor Miguel Esteves Cardoso

Crónica incluída no jornal Público em 29 de junho de 2021.