Miguel Esteves Cardoso - Ciberdúvidas da Língua Portuguesa
Miguel Esteves Cardoso
Miguel Esteves Cardoso
18K

Nasceu em Lisboa em 1955. É doutorado em Filosofia Política, pela Universidade de Manchester, Inglaterra. Desde 2009 escreve diariamente no Público e, em 2013, passou a ser autor da Porto Editora, a quem confia a obra inteira. Publicou entre outros: A causa das coisas (1986), O amor é fodido (1994), A vida inteira (1995), Explicações de Português (2001). Mais aqui.

 
Textos publicados pelo autor
Agradecimentos para quê?
Ainda as respostas a quem diz «obrigado»

 «Os agradecimentos portugueses não têm fim – é uma prova da nossa cortesia. Dizem os povos mais brutos que somos uns fingidos e uns hipócritas. Ainda bem que somos. O que seria da boa educação sem o fingimento e a hipocrisia?» – reflete o escritor Miguel Esteves Cardoso em crónica saída no jornal Público em 22 de junho de 2022, na sequência de uma outra, de 20 de junho, à volta de maneiras de formular respostas a um agradecimento.

 

 

O que não lembra ao diabo
O uso de «de nada», «não tem de quê» e «ora essa»

«O “ora essa” nem tem de ser pronunciado com o costumeiro ponto de exclamação. Há o “ora essa” com reticências, comido e descrente. E até há o “ora essa?” com ponto de interrogação, tipo “mas este gajo está a agradecer-me porquê?”.»

Crónica de Miguel Esteves Cardoso incluída no jornal Público em 20 de junho de 2022, com considerações sobre a importância dos usos populares, a propósito das formas de responder em português a um agradecimento.

 

As palavras comidas
A expressão «come-se» referida a restaurantes

«[O] comentário mais frequente quando alguém se pronuncia sobre a qualidade de um restaurante é "come-se". Alguma vez leu "come-se" num comentário sobre um restaurante? Pois, eu também não.»

Crónica do escritor Miguel Esteves Cardoso incluída no jornal Público em 5 de abril de 2022. O autor comenta, à volta da comida e da restauração, a expressão «come-se», que faz parte de uma série de expressões usadas em Portugal que ocorrem coloquialmente e só raramente afloram na expressão escrita. Respeitou-se a grafia original, conforme a norma ortográfica de 1945.

 




Bombons de língua
Os comentários no Facebook como documento linguístico

«[O]s comentários [no Facebook] estão cheios de recordações interessantes, com pormenores que doutra forma estariam para sempre perdidos [...]» – crónica do escritor e jornalista Miguel Esteves Cardoso incluída no jornal Público em 27 de março de 2022, acerca de um episódio de troca de comentários no Facebook, ilustrativo do valor documental desses registos do ponto de vista linguístico.

 

O criptofanfarrão
Como traduzir o inglês humblebrag

«[...] Como chamaremos ao humblebrag? Gabarolice encapotada? Auto-fanfas? Elogios de contrabando? Sub-gabarolices? Humilfanfas? Ou Autopromoções disfarçadas?» Miguel Esteves Cardoso questiona-se acerca da tradução do inglês humblebrag («gabarola discreto»), numa crónica publicada no jornal Público no dia 7 de fevereiro de 2022.