Miguel Esteves Cardoso - Ciberdúvidas da Língua Portuguesa
Miguel Esteves Cardoso
Miguel Esteves Cardoso
10K

Nasceu em Lisboa em 1955. É doutorado em Filosofia Política, pela Universidade de Manchester, Inglaterra. Desde 2009 escreve diariamente no Público e, em 2013, passou a ser autor da Porto Editora, a quem confia a obra inteira. Publicou entre outros: A causa das coisas (1986), O amor é fodido (1994), A vida inteira (1995), Explicações de Português (2001). Mais aqui.

 
Textos publicados pelo autor
Importações verbais
E palavras merecedoras de mais uso

«[H]á palavras portuguesas que mereciam ser mais usadas: por exemplo, chorume

Miguel Esteves Cardoso enumera palavras que deviam ser mais usadas, nomeadamente preventivo em vez de orçamentotexosca ou cherume. 

Crónica publicada no jornal Público no dia 17 de fevereiro de 2021.Manteve-se a norma ortográfica de 1945, seguida pelo autor.

Um passeio pelo crinjódromo
Um exercício de neologia com alguns anglicismos

«O cringe é um reflexo debilitante de embaraço que corresponde ao nosso «não sabia onde havia de me meter» ou «fiquei para morrer, do tamanhinho de um alfinete», caso este último existisse.» Miguel Esteves Cardoso explora com ironia a possibilidade de entrada de algumas palavras, vindas diretamente do inglês, na língua portuguesa numa crónica publicada no jornal Público em 28 de janeiro de 2021, a seguir transcrita, com a devida vénia. Manteve-se a norma ortográfica de 1945 seguida pelo autor.

A flor de Itália
A Accademia della Crusca

«Lembro-me de um dicionário antigo na biblioteca do meu avô, publicado pela Accademia della Crusca, em que surgia o lema que escolheram: «Il più bel fior ne coglie». (...) [S]endo essoutro eu adolescente e ignorante, pensei que estava a dizer «a flor mais bela não se colhe

 

Crónica de Miguel Esteves Cardoso a propósito da Accademia della Crusca, que, há mais de 400 anos, se notabiliza pela sua ação codificadora da gramática e do estilo da língua italiana – publicada em 5 de janeiro de 2020, no jornal Público. Na transcrição que, com a devida vénia, se faz do original, manteve-se a ortografia aí seguida, anterior à norma atualmente em vigor.

 

Falar e desfalar
Porquê comunicar bem pessoalmente e mal na TV?

O problema (e a razão) de tantos portugueses comunicarem escorreitamente  no  seu dia a dia – e pessimamente quando falam na televisão.

  [Miguel Esteves Cardoso, in jornal Público do dia 17 de novembro de 2020.]    

Já não há haver

A substituição do verbo haver pela locução «estar disponível é uma opção que merece a reflexão do escritor Miguel Esteves Cardoso,  em crónica publicada na edição de 23 de outubro de 2020 do jornal Público.

Mantém-se a grafia a ortografia de 1945 em que o texto se encontra escrito no seu original.