O topónimo Carnicães (Trancoso) e o seu gentílico - Ciberdúvidas da Língua Portuguesa
Este é um serviço gracioso e sem fins comerciais, de esclarecimento, informação e debate sobre a língua portuguesa, o idioma oficial de Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique, Portugal, São Tomé e Príncipe e Timor-Leste. Sem outros apoios senão a generosidade dos seus consulentes, ajude-nos a dar-lhe continuidade: Pela viabilização do Ciberdúvidas. Os nossos agradecimentos antecipados.
O topónimo Carnicães (Trancoso) e o seu gentílico

Como se designam os naturais de Carnicães (concelho de Trancoso, distrito da Guarda)?

Luis Vieira Rente Professor aposentado Seia, Portugal 240

Nas fontes de que dispomos não se encontra informação sobre o gentílico em questão. Sem elementos sobre a etimologia do topónimo, torna-se difícil construir um gentílico, pelo que a solução será empregar expressões como «os de Carnicães» ou «os naturais de Carnicães».

Sobre o topónimo, convém referir já teve ou ainda tem a forma Cornicães e é nesta variante que ele é comentado por Almeida Fernandes (Toponímia Portuguesa. Exame a um Dicionário, Arouca, Associação de Defesa da Cultura Arouquense, 1999, s. v. Cornados), autor que o integra numa vasta série toponímica1 que tem em comum as raízes pré-romanas carn- (ou karn-), genericamente interpretável como «pedra», ou corn- (ou korn-), «rochedo». Para Almeida Fernandes, Cornicães poderá ter origem nas formas hipotética Cornicales, que passou a Cornicaes, depois a Cornicais e, finalmente, a Cornicães. Contudo, considerando a forma Carnicães, o autor citado propõe ainda outras hipóteses:

A. O topónimo vem de Carnicales, derivado da associação dos elementos pré-romanos  karn, «pedra», e kan, «altar», num composto que significaria «rochedo-altar» – «isto é, uma rocha sacrifical dos povos pré-romanos».

B. O topónimo remontaria a um «[...] duplo derivado de carn- (karn-), devido, simplesmente, ao carácter rochoso do local, na época da designação» (mantém-se a ortografia do original).

Apesar do seu caráter especulativo, as hipóteses de Almeida Fernandes encontram alguma sustentação noutros casos da toponímia portuguesa, galega ou de outras regiões peninsulares.2 De qualquer modo, que desta discussão se consiga deduzir, com seguro critério etimológico, um radical "Carnical-", que serviria de base de derivação para um gentílico com a forma "carnicalense", será muito duvidoso, pelo que se justifica o recurso prudente a perífrases como as acima apontadas, para designar os habitantes ou naturais de Carnicães (ou Cornicães).

 

1 Cornados (Vale de Cambra), Cornaga (Lousã), Cornalheira (Meda), Cornedos (Felgueiras), Corneira (Alcobaça, Guimarães, Oliveira do Hospital, Santo Tirso e também na Galiza), Corneirinha (Baião), Corneiros (Évora), Cornes (Arouca, Vila do Conde, Vila Nova de Cerveira), Cornide (Braga, Sever do Vouga, Vila Nova de Famalicão), Cornido (Arouca, Braga), Cornidos (Paredes).2 No artigo que a Wikipédia em português dedica a Carnicães, afirma-se que este topónimo «[...] é formado por 2 elementos: Carne - que significa terra e Cães que significa mouros - Limite da terra de Mouros, o que sugere ser um povoado muito antigo». Trata-se de uma proposta muito mais falível: se "carne", que se diz significar «terra», ainda pode encontrar alguma relação metonímica com a noção de «pedra», que Almeida Fernandes associa à raiz karn-, já fazer equivaler cães a mouros pode ser uma conclusão apressada, porque não se documenta que carne tenha sido usado como sinónimo de «terra» ou «imite», por forma a construir um sintagma sintática e semanticamente coerente. 

Carlos Rocha
Tema: Topónimos Classe de Palavras: nome próprio
Áreas Linguísticas: Léxico Campos Linguísticos: Gentílicos