A pronominalização com função de dativo em espanhol e em português - Ciberdúvidas da Língua Portuguesa
Este é um serviço gracioso e sem fins comerciais, de esclarecimento, informação e debate sobre a língua portuguesa, o idioma oficial de Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique, Portugal, São Tomé e Príncipe e Timor-Leste. Sem outros apoios senão a generosidade dos seus consulentes, ajude-nos a dar-lhe continuidade: Pela viabilização do Ciberdúvidas. Os nossos agradecimentos antecipados.
A pronominalização com função de dativo em espanhol e em português

Queria saber se na língua portuguesa existe a dupla pronominalização.

Eu sou hispanofalante e surgiu a dúvida porque em espanhol podemos dizer cómetelo (come=verbo; te=pronome; lo=pronome) e eu quis fazer a tradução mas não consegui.

Obrigada!

Mariana Adame socióloga Gustavo A. Madero, México 637

A estrutura espanhola em causa traduz-se em português muito simplesmente por um único pronome: «come-o» ou «come».

Em português, existe dupla pronominalização, mas geralmente em relação ao objeto direto e indireto:

(1) «Dei um livro ao João.» → «Dei-lho [lhe+o]»

Pode também ocorrer com verbos pronominais:

(2) «As portas abriram-se para mim.». = «Abriram-se-me as portas.»

No entanto, a dupla pronominalização com verbos transitivos que é característica do espanhol, em que ao pronome de objeto direto (-lo) se soma um pronome reflexo (te), não ocorre em português. Com efeito, enquanto em espanhol, a uma frase como «me bebí el zumo» corresponde «me lo bebí», em português nada disto acontece, a não que se junte um quantificador a marcar a noção de culminação que está associada ao pronome reflexo no caso espanhol: «bebi o vinho (todo)» → «bebi-o (todo)».

A este tipo de pronominalização típica do espanhol, a Nueva Gramática de la Lengua Española (Asociación de Academias de la Lengua Española, 2010) chama dativo aspetual, que define assim (idem, p. 683/684; tradução minha):

«O chamado DATIVO ASPETUAL parece-se com o dativo ético no seu valor fundamentalmente afetivo, mas diferencia-se dele pelo facto de, como os pronome reflexos, concordar em número e pessoa com o sujeito, DATIVO CONCORDADO: Ya me [1.ª pessoa do singular] leí [1.ª pessoa do singular] toda la prensa.1 Nos [1.ª pessoa plural] fumábamos [1.ª pessoa plural] dos cajetillas diarias.2 [...] O dativo aspetual tem valor enfático. Com efeito, a diferença entre Leímos toda la prensa3 e Nos leímos toda la prensa radica em pela segunda opção se dar a entender que a leitura implicava algum esforço, que comportava certo mérito e que havia algo de particular no facto de a realizar. Às vezes sugere-se que a ação descrita ultrapassa o que se considera normal ou acrescentam outras conotações similares. O dativo concordado só se combina com predicados que expressam eventos delimitados [...].

1 «Já li os jornais todos.»

2 «Fumávamos dois maços inteiros por dia.»

3 «Lemos todos os jornais.»

Carlos Rocha
Tema: Uso e norma Classe de Palavras: pronome
Áreas Linguísticas: Sintaxe; Tradução Campos Linguísticos: Funções sintácticas