A combinação de pronomes átonos - Ciberdúvidas da Língua Portuguesa
Este é um serviço gracioso e sem fins comerciais, de esclarecimento, informação e debate sobre a língua portuguesa, o idioma oficial de Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique, Portugal, São Tomé e Príncipe e Timor-Leste. Sem outros apoios senão a generosidade dos seus consulentes, ajude-nos a dar-lhe continuidade: Pela viabilização do Ciberdúvidas. Os nossos agradecimentos antecipados.
A combinação de pronomes átonos

Num desafio com um amigo de tentar descobrir o máximo número de hífens que poderia existir numa palavra, chegámos a "pré-abrir-se-me-vo-la-á".
O significado seria alguma coisa do género «a porta [la] será [se] aberta [abrir][á] antes do tempo [pré] a vós [vo] por meu desejo [me].
Depois tivemos algumas dúvidas... Para não complicar, pergunto só se essa palavra é possível.
Se não é, quais são os erros?
Obrigado!

Paulo Pereira Portugal 4K

A sequência proposta na pergunta não é aceitável, porque se detectam problemas na compatibilidade entre pronomes pessoais enclíticos (colocados depois do verbo).
O primeiro erro situa-se na impossibilidade do uso de -la- no contexto em questão. Com efeito, não é possível usar esta forma, porque ela corresponde a um complemento directo; ora, sucede que o verbo está na conjugação pronominal reflexa (abrir-se), criando uma incompatibilidade:

(1) a porta abriu-se
(2) *a porta abriu-se-a

Em (2), não faz sentido que um verbo reflexo tenha um complemento directo diferente do que já é marcado pelo pronome se. Por outro lado, podia argumentar-se que o pronome se é sujeito indeterminado, mas acontece que o uso deste, em português europeu, é incompatível com o complemento directo pronominal (ver Evanildo Bechara, Moderna Gramática Portuguesa, Rio de Janeiro, Editora Lucerna, 2002, pág. 180); por exemplo.

(3) abre-se a porta (= há alguém que a abre )
(4) *abre-se-a

Em (4), é simplesmente impossível associar se a a, talvez porque se guarda ainda aspectos da construção reflexa correspondente a «a porta abre-se».
Em segundo lugar, os pronomes me e vos podem desempenhar a função de complemento indirecto, mas surgem muitas vezes também a assumir o valor do que a gramática designa de dativo ético; por exemplo:

(5) o João abriu-me a porta à professora

O que temos em (5) é o emprego de me para exprimir um certo grau de envolvimento de quem profere a frase (locutor) no evento referido («abrir a porta a alguém»). Neste caso, o sujeito da frase («o João») a(c)tuou em meu benefício, na medida em que o locutor («eu») tinha interesse em que o evento («abrir a porta») tivesse lugar. Por exemplo, incumbia ao locutor («eu») abrir a porta a certa pessoa , mas o João realizou essa acção em lugar dele.
Com o pronome vós, poder-se-ia construir (6) e (7):

(6) o João abriu-vos a porta
(7) o João abriu-vos a porta à professora

A frase (6) é gramatical e indica que a acção do sujeito («o João») tem um beneficiário («-vos», isto é: «vocês»). No entanto, e fundando-me apenas na minha intuição, parece-me que (7) é muitíssimo menos frequente em português europeu, talvez porque não haja o hábito de implicar o interesse do interlocutor («tu», «vocês») na enunciação.
O que não é de todo aceitável é (8):

(8) *o João abriu-me-vos a porta

O que (8) evidencia é que são incompatíveis o dativo de interesse, marcado por me, e o complemento indirecto a que corresponde vos: ou se usa um ou se emprega o outro.
Há, no entanto, combinações possíveis. Por exemplo, o sujeito indeterminado se consegue associar-se com as formas pronominais de complemento/objecto indirecto:

(9) abriu-se-me/-te/-lhe/-nos/-vos/-lhes a mala sem querer

Em (9), todas as formas de complemento indirecto são aceitáveis.
Em suma:
A. É possível dizer pré-abrir-se, porque obedece às regras gerais de prefixação do português;
B. É possível dizer pré-abrir-se-á, como futuro do indicativo do verbo pré-abrir na conjugação pronominal reflexa (marcada pelo pronome se).
C. É possível dizer:
(10) pré-abrir-se-me-á
(11) pré-abrir-se-vos-á
D. De acordo com os comentários à frases (8), não é aceitável:
(12) pré-abrir-se-me-vos-á
E. Pelos motivos expostos na análise de (4), é completamente agramatical dizer
(13) pré-abrir-se-a-á

Carlos Rocha