«O problema do Brexit é/são as fronteiras» - Ciberdúvidas da Língua Portuguesa
Este é um serviço gracioso e sem fins comerciais, de esclarecimento, informação e debate sobre a língua portuguesa, o idioma oficial de Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique, Portugal, São Tomé e Príncipe e Timor-Leste. Sem outros apoios senão a generosidade dos seus consulentes, ajude-nos a dar-lhe continuidade: Pela viabilização do Ciberdúvidas. Os nossos agradecimentos antecipados.
«O problema do Brexit é/são as fronteiras»

Devemos escrever «O problema do Brexit é as fronteiras» ou «O problema do Brexit são as fronteiras"»? Li [aqui] este vosso resultado, mas não fico esclarecida para este exemplo em concreto.

Obrigada!

Ana Isabel Pereira Jornalista Porto, Portugal 565

As frases apresentadas são um exemplo de uma estrutura em espelho, do tipo «A é B» é igual a «B é A». Nestas frases copulativas, coloca-se a questão de qual é o constituinte que desempenha a função de sujeito, uma vez que será este que determina a flexão em pessoa e número do verbo copulativo. De acordo com Inês Duarte, é possível identificá-lo através do redobro do sujeito (repetição do sujeito), que só é possível quando o pronome retoma o constituinte com função de sujeito, o que justifica a agramaticalidade de (1) e a correção de (2)1:

(1) «O problema do Brexit é/são as fronteiras. *Ele é as fronteiras»

(2) «O problema do Brexit é/são as fronteiras. Elas são o problema do Brexit.»

O contraste entre as frases (1) e (2) mostra que o sujeito da frase é o constituinte «as fronteiras», pelo que deverá ser este a determinar a pessoa e número da flexão verbal:

(3) «As fronteiras são o problema do Brexit.»

O facto de a frase apresentar uma estrutura invertida corresponde a um caso de frase copulativa invertida2 que se caracteriza pelo facto de o sujeito surgir na posição do predicativo do sujeito e de o predicativo do sujeito surgir na posição do sujeito, sem que isso afete, todavia, o processo de concordância sujeito-verbo.

Para outros casos de concordância das frases copulativas, poderão ser consultadas as respostas apresentadas nas "perguntas relacionadas".

Disponha sempre!

 *Assinala a agramaticalidade da frase.

1. Cf. Mira Mateus et al., Gramática da Língua Portuguesa. Caminho, pp. 544-546.

2. Cf. Idem, ibidem. P. 544.

N. E. (10/04/2019) – Em inglês, a palavra Brexit tem duas pronúncias: "bréksit", maioritária no Reino Unido, e "brégzit", mais frequente, por exemplo, nos Estados Unidos (ouvir o registo do canal Emma Saying, no Youtube, e os do sítio eletrónico da Oxford University Press). Em Portugal, coexistem as duas pronúncias: embora o único dicionário que, até à data, consigna a palavra – o da Porto Editora, disponível na Infopédia – a transcreva com [gz], ficando, portanto, "brégzit", há quem prefira a solução britânica e articule "bréksit" (cf. Helder Guégués, "Brexit: como se pronuncia? – Boa desculpa", Linguagista, 27/07/2017). Sobre as duas pronúncia concorrentes, ler, em inglês, David Shariatmadari, "The real Brexit debate: do you pronounce it Breggsit or Breckit?", The Guardian, 27/07/2017 (tradução: "O verdadeiro debate do Brexit: pronuncia-se Breggsit ou Brecksit?"; este artigo é mencionado por Helder Guégués, op. cit).

Carla Marques
Tema: Uso e norma Classe de Palavras: verbo