A concordância do verbo ser na frase «Aprender não são fake news» - Ciberdúvidas da Língua Portuguesa
Este é um serviço gracioso e sem fins comerciais, de esclarecimento, informação e debate sobre a língua portuguesa, o idioma oficial de Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique, Portugal, São Tomé e Príncipe e Timor-Leste. Sem outros apoios senão a generosidade dos seus consulentes, ajude-nos a dar-lhe continuidade: Pela viabilização do Ciberdúvidas. Os nossos agradecimentos antecipados.
A concordância do verbo ser
na frase «Aprender não são fake news»

Visto num reclame de uma escola de línguas: «Aprender inglês não são fake news.»

«Aprender inglês não é», ou «não são»? Ou ambos são corretos?

Para mais, se quisermos ser “picuinhas”, news em inglês, gramaticalmente pede verbo no singular, apesar da sua morfologia aparentemente plural.

Obrigado.

Rui Pombal Médico Lisboa, Portugal 544

Neste caso, como acontece em muitas frases copulativas, poder-se-ia colocar o problema de distinguir o sujeito do predicativo do sujeito.

predicativo do sujeito tem como característica definitória descrever um estado ou uma propriedade que se atribui ao sujeito. Ora, na frase em apreço, e de acordo com a minha interpretação, predica-se sobre o ato de «aprender inglês». O sujeito é, portanto, o constituinte «aprender inglês», que é inserido na frase como um constituinte nominal. Este constituinte é substituível pelo pronome isto:

(1) «Isto não são fake news

Em casos similares a este, é aceitável a concordância do verbo ser com o predicativo do sujeito expresso por um nome no plural (cf. Cunha e Cintra, Nova Gramática do Português Contemporâneo. Ed. Sá da Costa, p.502).

Por outro lado, a expressão fake news tem sido integrada no português como um estrangeirismo que leva à flexão no plural e no feminino, como se pode observar por uma breve pesquisa em textos de comunicação social:

(2) «Como identificar e combater as fake news» (título do jornal Público, de 11 de novembro de 2018)

Esta concordância deve-se, a meu ver, à interpretação da expressão como equivalente a «notícias falsas», constituinte feminino plural.

Uma última nota para o recurso a expressões em inglês: será sempre preferível procurar o equivalente em português, por inúmeras razões associadas à defesa da língua que não cabe aqui enumerar. Não obstante, tratando-se de uma frase associada à publicidade a uma escola de línguas, compreende-se o efeito estilístico que daqui se pretende extrair.

Carla Marques
Tema: Uso e norma