O emprego dos relativos que e quem - Ciberdúvidas da Língua Portuguesa
Este é um serviço gracioso e sem fins comerciais, de esclarecimento, informação e debate sobre a língua portuguesa, o idioma oficial de Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique, Portugal, São Tomé e Príncipe e Timor-Leste. Sem outros apoios senão a generosidade dos seus consulentes, ajude-nos a dar-lhe continuidade: Pela viabilização do Ciberdúvidas. Os nossos agradecimentos antecipados.
O emprego dos relativos que e quem

Estava a ouvir a fabulosa música do Rui Veloso, intitulada "A Paixão (segundo Nicolau da Viola)" e reparei nesta passagem da letra:

«Era só a ti que eu mais queria/ Ao meu lado no concerto nesse dia...»

Em termos linguísticos, não seria mais correto que fosse «...quem eu mais queria»? Se bem que em termos de métrica para a música, a palavra que se ajuste melhor.

Alexandre Pires Trabalhador Independente Porto, Portugal 638

Na frase apresentada, o pronome relativo que não pode ser substituído pelo pronome relativo quem.

Para compreendermos a sintaxe da frase, é necessário começar por assinalar que no caso em apreço estamos perante uma construção de foco (cf. Peres e Móia, Áreas Críticas da Língua Portuguesa, pp. 467-469), também designada clivada (cf. Mira Mateus et. al., Gramática da Língua Portuguesa, pp. 685-694). Estas construções permitem colocar em destaque um determinado constituinte da frase, como se observa em (1):

(1) «Foi este livro que o João leu ontem.»

Nesta frase, dá-se realce ao constituinte «este livro» por meio de uma construção introduzida por uma forma do verbo ser e completada por uma oração introduzida pelo pronome relativo que. Sem estrutura de realce, a frase (1) corresponde a:

(2) «O João leu este livro ontem.»

Esta mesma frase poderia dar origem a outras com diferentes construções de foco:

(3) «Foi o João que leu o livro ontem.»

(4) «Foi ontem que o João leu o livro.»

A frase retirada da música de Rui Veloso, «Era só a ti que eu mais queria / Ao meu lado no concerto nesse dia», apresenta também uma estrutura de foco que realça o constituinte tu e que corresponde à seguinte construção sem foco (que simplificamos para facilidade de análise):

(5) «Eu queria-te só a ti.»

Nesta frase simples, recorre-se ao redobro do pronome te através do constituinte a ti. O redobro é uma construção de reforço do pronome clítico1 que surge em enunciados como:

(6) «Ele deu-lhes a elas um livro.»

(7) «Ele viu-me a mim na feira.»

Trata-se, portanto, de uma construção que é introduzida pela preposição a e que permite realçar um pronome com a função sintática de complemento direto ou indireto.

O aspeto central da questão colocada pelo consulente está relacionado com a possibilidade de substituição do pronome relativo que pelo pronome relativo quem. Para equacionar esta possibilidade, convém recordar que o pronome quem tem algumas restrições de uso:

(i) utiliza-se apenas com antecedentes de natureza humana, razão pela qual é agramatical a frase «*O livro a quem li.»;

(ii) utiliza-se apenas antecedido de preposição, como em «O amigo a quem dediquei o texto agradeceu-me.»;

(iii) não pode ter a função de sujeito ou de complemento direto, pelo que são agramaticais as frases «*Chegou o rapaz quem fez este trabalho.» ou «*Chegou o rapaz quem conheci.»

(iv) usa-se como predicativo em construções clivadas: «O João é quem escreveu o livro.» ou «Tu és quem eu queria encontrar.»

No caso que aqui consideramos, embora o relativo quem se refira a um ser humano, não é introduzido por preposição e tem a função de complemento direto. Acresce que a oração relativa não desempenha a função de predicativo do sujeito, embora integre uma construção clivada. Pelas razões apresentadas, na frase apresentada pelo consulente, não é possível substituir o pronome relativo que por quem.

1. Cfr. Mateus et al., Gramática da Língua Portuguesa.5.ª ed.,Lisboa, Caminho, 2003, pp. 832-833.

Carla Marques
Tema: Uso e norma Classe de Palavras: pronome