Palavras do português em viagem, o regionalismo catacus e tópicos à volta do Dia Mundial do Teatro - Ciberdúvidas da Língua Portuguesa
Este é um serviço gracioso e sem fins comerciais, de esclarecimento, informação e debate sobre a língua portuguesa, o idioma oficial de Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique, Portugal, São Tomé e Príncipe e Timor-Leste. Sem outros apoios senão a generosidade dos seus consulentes, ajude-nos a dar-lhe continuidade: Pela viabilização do Ciberdúvidas. Os nossos agradecimentos antecipados.
Início Aberturas Abertura
Palavras do português em viagem, o regionalismo catacus e tópicos à volta do Dia Mundial do Teatro
Palavras do português em viagem, o regionalismo catacus
e tópicos à volta do Dia Mundial do Teatro
Por Ciberdúvidas da Língua Portuguesa 312

1. Contrariando um mito linguístico, sabemos hoje, talvez com desapontamento, que o japonês arigato não vem do português obrigado. Mas uma volta ao mundo depressa nos compensará com a descoberta das numerosas palavras de origem portuguesa que andam dispersas por diferentes línguas. É o caso da denominação da laranja, que se diz burtuqāla, em árabe, portakal, em turco, ou portocală, em romeno, vocábulos que remontam ao nome próprio Portugal. A viagem também nos levará a reconhecer os empréstimos que entraram no português ou a desvendar o parentesco longínquo da nossa língua com o russo, o persa ou o hindi. Tudo isto e muito mais nos revela o tradutor e escritor português Marco Neves num novo livro intitulado Palavras que o Português Deu ao Mundo – Viagens por Sete Mares e 80 Línguas, obra que se apresenta na rubrica Montra de Livros, num apontamento da linguista Carla Marques, consultora permanente do Ciberdúvidas.

2. No Consultório, além de se comentarem o regionalismo catacus, o uso da locução «ao vivo» e a construção «outro que não...», identificam-se a forma correta de um verso camoniano, a regência do adjetivo faminto e a figura de estilo associada à frase «o temporal rugia lá fora».

3. Comemora-se o Dia Mundial do Teatro, que se assinala em Portugal com várias estreias. Entre os espetáculos, saliente-se o da Companhia de Teatro de Braga no Theatro Circo, uma apresentação noturna cuja receita reverte para apoiar as vítimas do ciclone Idai, que atingiu Moçambique.

A propósito desta data, leiam-se os seguintes conteúdos em arquivo: "Os conceitos de hiperonímia e de hiponímia em arte, cinema, teatro, pintura e escultura", "Aderecista, caracterizador e maquilhador, profissionais da máscara (teatro)",  "O significado de estásimo e de párodo (teatro)", "Fosso (de orquestra)", "A origem da palavra coxia", "Forrobodó, farrobodó e farrabadó", "A Geringonça, mas a da 'Esopaida' de António José da Silva" , Diga?, "Teatro".

4. Retomando a questão dos mitos sobre a língua, façamos referência a mais outro contributo de Marco Neves para a divulgação de temas da linguística como seja o da definição de erros e incorreções do uso. Trata-se de "'Os dois pais' é erro de português?", um texto assinado por este autor no blogue Certas Palavras.

5. Justifica-se também como registo de  atualidade o Festival da Língua Portuguesa (FELPO), que se realiza em Salvador da Bahia de 28 a 30 de março. Este evento reúne figuras das artes e das letras do Brasil, de Angola e de Portugal (mais informação aqui).

6. Quanto aos programas produzidos pelo Ciberdúvidas para a rádio pública portuguesa:

– no Língua de Todos, emitido na RDP África, na sexta-feira, dia 29/03, depois do noticiário das 13h00* (com repetição no dia seguinte, pelas 9h15), destaque para uma conversa com o professor universitário Tjerk Hagemeijer  (Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa ), que fala sobre a situação linguística em São Tomé e Príncipe;

– no Páginas de Português, transmitido na Antena 2, no domingo, dia 31/03, às 12h30 * (com repetição no sábado seguinte, dia 6 de abril, às 15h30*),  Paulo Feytor Pinto, professor do Ensino Secundário, e Sílvia Melo-Pfeifer, professora da Universidade de Hamburgo, falam de  Políticas Linguísticas em Português (LIDEL), obra que coordenaram para dar a conhecer as políticas linguísticas dos países africanos de língua oficial portuguesa, assim como as de Portugal, do Brasil e da cidade de Macau.

* Hora oficial de Portugal continental, ficando ambos os programa disponíveis posteriormente, aqui e aqui.