Ser, verbo copulativo e auxiliar - Ciberdúvidas da Língua Portuguesa
Este é um serviço gracioso e sem fins comerciais, de esclarecimento, informação e debate sobre a língua portuguesa, o idioma oficial de Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique, Portugal, São Tomé e Príncipe e Timor-Leste. Sem outros apoios senão a generosidade dos seus consulentes, ajude-nos a dar-lhe continuidade: Pela viabilização do Ciberdúvidas. Os nossos agradecimentos antecipados.
Ser, verbo copulativo e auxiliar

1. Numa frase passiva o auxiliar ser é um verbo copulativo?

2. Se não, numa frase com predicativo do complemento direto – «Nomearam o professor diretor da escola» – «diretor da escola» passa a ser predicativo do sujeito?

3. Neste caso «da escola» continua a ser modificador do nome?

Muito obrigada.

Manuela Salvador Cunha Professora aposentada Porto, Portugal 42

Respondemos a cada uma das questões apresentadas pela consulente:

1.  Numa frase passiva, o verbo ser forma com o verbo principal um complexo verbal. Nesta situação específica, o verbo ser pertence à subclasse dos verbos auxiliares passivos1. O facto de nestas construções este verbo não selecionar argumentos (complementos) comprova tratar-se de um verbo auxiliar2;

2. Na frase apresentada, o constituinte «o professor» desempenha a função sintática de complemento direto e «diretor da escola» de predicativo do complemento direto. Como é dado a observar, a expressão «o professor diretor da escola» é formada por dois constituintes distintos que, na opinião de Maria Helena Mira Mateus, correspondem a uma oração pequena3, equivalente a uma frase copulativa («O professor é diretor da escola»), selecionada pelo verbo nomear. Isto significa que o constituinte predicativo é «diretor da escola» e o seu sujeito semântico é «professor». Por esta razão, quando a frase é apresentada na sua forma passiva, «O professor foi nomeado diretor da escola», o constituinte «professor» passa a desempenhar a função sintática de sujeito e «diretor da escola» de predicativo do sujeito, na medida em que passa a ser uma predicação sobre o constituinte com função de sujeito.

3. O constituinte «da escola» desempenha, em qualquer das situações apresentadas, a função de complemento do nome. De facto, tanto na forma ativa como na forma passiva, este constituinte está sempre associado a diretor, constituindo um argumento seleccionando por este nome.

Disponha sempre!

 

1. Cf. Raposo et al., Gramática do Português. vol.II, Fundação Calouste Gulbenkian, p. 1225.

2. Idem, ibidem. pp. 1232-1233.

3. Mira Mateus et al., Gramática da Língua Portuguesa. Caminho, pp. 540-543.

Carla Marques
Tema: Classes de palavras Classe de Palavras: verbo
Áreas Linguísticas: Sintaxe Campos Linguísticos: Funções sintácticas