Os elementos de composição nano- , micro-, macro-, infra- - Ciberdúvidas da Língua Portuguesa
Este é um serviço gracioso e sem fins comerciais, de esclarecimento, informação e debate sobre a língua portuguesa, o idioma oficial de Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique, Portugal, São Tomé e Príncipe e Timor-Leste. Sem outros apoios senão a generosidade dos seus consulentes, ajude-nos a dar-lhe continuidade: Pela viabilização do Ciberdúvidas. Os nossos agradecimentos antecipados.
Os elementos de composição nano- , micro-, macro-, infra-

Gostava que me esclarecessem sobre a forma correta de escrever palavras do tipo nanoesfera, nanoestrutura, microesfera, microestrutura, infraestrutura, macroesfera e macroestrutura. A dúvida é se têm ou não hífen (nano-esfera) ou se o e nestas palavras cai ou não (nanosfera).

Grata pela atenção.

Teresa Viseu Professora Universitária Braga, Portugal 1K

No Portal da Língua Portuguesa, a base XVI do Acordo Ortográfico (Do hífen na prefixação, recomposição e sufixação), estipula o seguinte:

1. Nas formações com prefixos (como, por exemplo: ante-, anti-, circum-, co-, contra-, entre-, extra-, hiper-, infra-, intra-, pós-, pré-, pró-, sobre-, sub-, super-, supra-, ultra-, etc.) e em formações por recomposição, isto é, com elementos não autónomos ou falsos prefixos, de origem grega e latina (tais como: aero-, agro-, arqui-, auto-, bio-, eletro-, geo-, hidro-, inter-, macro-, maxi-, micro-, mini-, multi-, neo-, pan-, pluri-, proto­, pseudo­, retro-, semi-, tele-, etc.), só se emprega o hífen nos seguintes casos: 

a) Nas formações em que o segundo elemento começa por h: anti-higiénico/anti-higiênico, circum-hospitalar, co-herdeiro, contra-harmónico/contra-harmônico, extra-humano, pré-história, sub-hepático, super-homem, ultra-hiperbólico; arqui­hipérbole, eletro-higrómetro, geo-história, neo-helénico/neo-helênico, pan-helenismo, semi-hospitalar. [...]

b) Nas formações em que o prefixo ou pseudoprefixo termina na mesma vogal com que se inicia o segundo elemento: anti-ibérico, contra-almirante, infra-axilar, supra-auricular; arqui-irmandade, auto-observação, eletro-ótica, micro-onda, semi-interno. [...]

2. Não se emprega, pois, o hífen:

a) Nas formações em que o prefixo ou falso prefixo termina em vogal e o segundo elemento começa por r ou s, devendo estas consoantes duplicar-se, prática aliás já generalizada em palavras deste tipo pertencentes aos domínios científico e técnico. Assim: antirreligioso, antissemita, contrarregra, contrassenha, cosseno, extrarregular, infrassom, minissaia, tal como biorritmo, biossatélite, eletrossiderurgia, microssistema, microrradiografia. 

b) Nas formações em que o prefixo ou pseudoprefixo termina em vogal e o segundo elemento começa por vogal diferente, prática esta em geral já adotada também para os termos técnicos e científicos. Assim: antiaéreo, coeducaçao, extraescolar, aeroespacial, autoestrada, autoaprendizagem, agroindustrial, hidroelétrico, plurianual. [...] 

O prefixo nano- não está aqui explícito, mas encontramo-lo implícito no ponto 2,  alínea b), que responde às palavras apresentadas pela consulente.

Também considera o Dicionário Priberam da Língua Portuguesa que nano- é um elemento de composição (do grego nãnos, -o, anão).

E reitera o anterior exposto: é seguido de hífen quando o segundo elemento começa por h ou o. Quando seguido de r ou s, a consoante é duplicada. Exemplos: nanorrobônanossegundo.

Este elemento de composição junta-se, pois, a determinadas palavras, conforme a necessidade do contexto o exigir, para lhes dar a noção de dimensão reduzida. O que queremos dizer é que nem todas as palavras construídas a partir deste elemento se encontram dicionarizadas, surgindo muitas delas como neologismos necessários à comunicação imediata.

No caso em apreço, nanoesferananoestrutura não se encontram registados no  VOLP (Vocabulário Ortográfico da Língua Portuguesa). Sendo assim, devem seguir a regra expressa na nota do parágrafo anterior: juntar-se o elemento de composição às palavras esfera e estrutura.

Microsferamicroestrutura aparecem ambas dicionarizadas, bem como infraestrutura. Os elementos micro- e infra- entraram há mais tempo no léxico da língua portuguesa, do que nano, o que justifica a diferença.

Ainda no Priberam, macro- é outro elemento de composição (grego makrós, , ón, «grande», «longo».). Elemento que significa grande (ex. macroestrutura, macromolécula)

     Macroestrutura também se encontra dicionarizada.

Maria Eugénia Alves
Tema: Uso e norma Classe de Palavras: substantivo
Áreas Linguísticas: Léxico Campos Linguísticos: Composição