Muito: quantificador e advérbio - Ciberdúvidas da Língua Portuguesa
Este é um serviço gracioso e sem fins comerciais, de esclarecimento, informação e debate sobre a língua portuguesa, o idioma oficial de Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique, Portugal, São Tomé e Príncipe e Timor-Leste. Sem outros apoios senão a generosidade dos seus consulentes, ajude-nos a dar-lhe continuidade: Pela viabilização do Ciberdúvidas. Os nossos agradecimentos antecipados.
Muito: quantificador e advérbio

Como é que posso distinguir um quantificador existencial de um advérbio de quantidade/grau? Por exemplo, o muito faz parte das duas classes?

Jorge Claro Portugal 8K

A palavra muito é um quantificador quando se combina com um nome: «muito pão». É um advérbio quando modifica um verbo («ler muito»), um adjetivo («muito grande») ou um advérbio («muito rapidamente»).

O Dicionário Terminológico considera que o quantificador existencial é «utilizado para asserir a existência da entidade designada pelo nome com que se combina sem remeter para a totalidade dos elementos de um conjunto ou para expressar uma quantidade não precisa ou relativa a um valor considerado como ponto de referência». Assim, quando dizemos «muitos alunos faltaram ao teste» (do conjunto de alunos considerados, muitos faltaram ao teste), muitos é, no exemplo, um quantificador existencial.

O mesmo dicionário considera ainda que um advérbio de quantidade/grau, por seu turno, «contribui com informação sobre grau ou quantidade, que pode ocorrer internamente ao predicado ou como modificador de grupos adjetivais ou adverbiais», acrescentando que «alguns destes advérbios são utilizados para a formação do grau dos adjetivos e advérbios.» No exemplo «os rapazes comeram muito», o advérbio de quantidade/grau muito ocorre internamente ao predicado.

Sara Mourato
Áreas Linguísticas: Gramática; Sintaxe Campos Linguísticos: Funções sintácticas