Pouco, quantificador existencial - Ciberdúvidas da Língua Portuguesa
Este é um serviço gracioso e sem fins comerciais, de esclarecimento, informação e debate sobre a língua portuguesa, o idioma oficial de Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique, Portugal, São Tomé e Príncipe e Timor-Leste. Sem outros apoios senão a generosidade dos seus consulentes, ajude-nos a dar-lhe continuidade: Pela viabilização do Ciberdúvidas. Os nossos agradecimentos antecipados.
Pouco, quantificador existencial

Na frase «os cavalos comeram poucas peras», poucas é advérbio de quantidade, ou é um quantificador?

Alexandra Mendes Professora Coimbra, Portugal 4K

Na frase apresentada pela consulente, a forma poucas é quantificador existencial. O Dicionário Terminológico considera que o quantificador existencial é «utilizado para asserir a existência da entidade designada pelo nome com que se combina sem remeter para a totalidade dos elementos de um conjunto (i) ou para expressar uma quantidade não precisa (ii) ou relativa a um valor considerado como ponto de referência (iii)». São quantificadores existenciais: algum/alguns, bastante(s), pouco(s), tanto(s), vários/várias.

(i) «Alguns alunos faltaram ao teste» (do conjunto de alunos considerados só uma parte faltou ao teste).

(ii) «Vários alunos faltaram ao teste» (uma quantidade não precisa de alunos faltou ao teste).

(iii) «Muitos alunos faltaram ao teste» (o número de alunos que faltou ao teste é superior à quantidade média).

Contudo, este quantificador (pouco) também poderá ser usado como advérbio quando desempenha a função de modificador verbal («agradar pouco»), adverbial («pouco longe») ou adjetival («pouco estimulante»).

Bárbara Nadais Gama
Tema: Classes de palavras Classe de Palavras: quantificador
Áreas Linguísticas: Gramática; Morfologia