«Estar por vir» vs. «estar para vir» - Ciberdúvidas da Língua Portuguesa
Este é um serviço gracioso e sem fins comerciais, de esclarecimento, informação e debate sobre a língua portuguesa, o idioma oficial de Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique, Portugal, São Tomé e Príncipe e Timor-Leste. Sem outros apoios senão a generosidade dos seus consulentes, ajude-nos a dar-lhe continuidade: Pela viabilização do Ciberdúvidas. Os nossos agradecimentos antecipados.
«Estar por vir» vs. «estar para vir»

Qual a diferença entre «por vir» e «para vir»? «O melhor está por vir» ou «o melhor está para vir»?

Encontro na Internet a utilização de ambos e não consigo perceber qual está correcto[1]. Podem ajudar por favor?

Muito obrigado.

 

[1 O consulente escreve conforme a norma anterior à atualmente vigente.]

Cláudio Oliveira Consultor Porto, Portugal 314

Ambas as construções estão corretas, embora o seu significado tenha ligeiras diferenças.

A preposição para pode ter um valor espacial, de indicação de direção, ou um valor temporal. É este último o seu valor na frase:

(1) «O melhor está para vir.»

Com um valor temporal, a preposição para aponta para o intervalo de tempo «que segue imediatamente o intervalo temporal do mesmo tipo em que é produzido o enunciado (ou seja o tempo de enunciação […])»1. O Dicionário da Língua Portuguesa Contemporânea refere que para «na conjugação perifrástica, liga verbos auxiliares ao infinitivo, traduzindo a ideia de iminência ou de intenção». Desta forma, a frase (1) refere um evento que está em vias de ter lugar, que está iminente.

A preposição por, para além da sua utilização na introdução do complemento agente da passiva, pode expressar valores de causa, instrumento e também de tempo. É também este último valor que está presente na frase:

(2) «O melhor está por vir.»

Quando assume o valor temporal, a preposição por pode expressar uma ação não começada (cf. Dicionário da Língua Portuguesa Contemporânea). Deste modo, na frase (2) coloca-se a tónica no facto de o evento ainda não ter tido início.

Disponha sempre! 

1. Raposo e Xavier in in Raposo (coord.) Gramática do Português. Fundação Calouste Gulbenkian, pp. 1553.

Carla Marques
Tema: Uso e norma Classe de Palavras: preposição
Áreas Linguísticas: Léxico; Semântica; Sintaxe Campos Linguísticos: Regência