O uso da vírgula antes da preposição para - Ciberdúvidas da Língua Portuguesa
Este é um serviço gracioso e sem fins comerciais, de esclarecimento, informação e debate sobre a língua portuguesa, o idioma oficial de Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique, Portugal, São Tomé e Príncipe e Timor-Leste. Sem outros apoios senão a generosidade dos seus consulentes, ajude-nos a dar-lhe continuidade: Pela viabilização do Ciberdúvidas. Os nossos agradecimentos antecipados.
O uso da vírgula antes da preposição para

Algumas vezes encontro uma vírgula, em certos casos, sendo empregada antes da preposição para. Nestes casos, o emprego da vírgula não se relaciona com um par deste mesmo sinal ortográfico, constituindo algum tipo de intercalação ou comentário adicional; clarificarei adiante.

A minha dúvida é a seguinte: a preposição para, exceto nos casos de intercalação e similares (e.g. «o edifício, para João, era muito alto»), não deixa de fazer sentido sintático/lógico quando é interrompida (precedida), antes, por uma só vírgula? Exemplo: «João viajou para Lisboa» vs. «João viajou, para Lisboa». Acredito ter visto exemplos assim em obras famosas. O emprego da vírgula, neste meu exemplo, é facultativo ou sintaticamente errado?

Agradeço grandemente de antemão o tempo, o espaço providenciado e os esclarecimentos!

Lucas Dupont Programador Brasil 6K

A vírgula está associada a diferentes funções no texto escrito, desde a marcação de curvas melódicas, à sinalização gráfica, passando pela delimitação de constituintes sintáticos, existindo casos em que a vírgula é obrigatória, outros em que é interdita e, ainda, outras em que se associa a intenções expressivas.

O caso apresentado está relacionado com a delimitação de grupos de palavras, de acordo com a sua função sintática. Neste caso, convém recordar que não se utiliza vírgula a separar o sujeito do predicado ou o predicado dos seus complementos.

Na frase «O João viajou para Lisboa», o constituinte «para Lisboa» tem a função de complemento oblíquo e, uma vez que se trata de um complemento pedido pelo verbo, não poderá ser separado deste último por vírgula.

Repare-se que, numa situação como

(1) «Viajou, apressada e nervosamente, para Lisboa.»

já haverá lugar ao uso das vírgulas, pois estas não estão relacionadas com o constituinte «para Lisboa», mas, antes, com os advérbios «apressada e nervosamente», cujo valor de inciso assinalam.

Refira-se, porém, que a vírgula pode ser usada numa construção semelhante à apresentada pelo consulente com o objetivo de destacar enfaticamente um constituinte. Neste contexto, seria possível uma frase como:

(2) «Eu sei para onde viajas, para Lisboa!»

Neste caso, o constituinte «para Lisboa» seria pronunciado com uma curva melódica distinta, marcada pelo uso da vírgula.

Carla Marques
Tema: Uso e norma