A regência do verbo aborrecer-se - Ciberdúvidas da Língua Portuguesa
Este é um serviço gracioso e sem fins comerciais, de esclarecimento, informação e debate sobre a língua portuguesa, o idioma oficial de Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique, Portugal, São Tomé e Príncipe e Timor-Leste. Sem outros apoios senão a generosidade dos seus consulentes, ajude-nos a dar-lhe continuidade: Pela viabilização do Ciberdúvidas. Os nossos agradecimentos antecipados.
A regência do verbo aborrecer-se

Como estudante universitário, decidi comprar dois exemplares de Alice no País das Maravilhas traduzidos por duas tradutoras diferentes. No seguimento da leitura destes livros, deparei-me com umas dúvidas relativas à pontuação.

Em primeiro lugar, está correta a frase «Alice começava a aborrecer-se imenso de estar sentada à beira-rio com a irmã, sem nada para fazer: espreitara uma ou duas vezes para o livro que a irmã lia, mas não tinha gravuras nem diálogos»? Está correcto o uso da preposição de, ao invés da preposição por, que, no meu ver, me parece ser mais correta? E o uso dos dois pontos?

Em segundo lugar, tendo por base a frase «Em primeiro lugar, tentou lobrigar qualquer coisa lá em baixo e perceber para onde ia, mas estava demasiado escuro; depois, olhou para as paredes do poço...», não seria mais correto reformulá-la da seguinte maneira: «Em primeiro lugar, tentou lobrigar qualquer coisa lá em baixo e perceber para onde ia. Mas estava demasiado escuro; depois, olhou para as paredes do poço...»?

As minhas dúvidas prendem-se, pois, com a pontuação, as preposições e os sinais de pontuação que acompanham a conjunção mas.

Grato pela atenção.

Francisco Neves Estudante universitário Porto, Portugal 72

De acordo com Winfried Busse, no seu Dicionário sintáctico de verbos portugueses (1994), o verbo aborrecer-se pode usar-se com as preposições de ou com:

(1) «A criança aborreceu-se com os colegas.»

(2) «A criança aborreceu-se de brincar.» (exemplos do autor (cf. ibid., p. 5))

Assim, podemos concluir que a opção pela preposição de, na primeira frase apresentada, está correta.

Segundo Cunha e Cintra, na Nova Gramática do Português Contemporâneo (1988), os dois pontos empregam-se, entre outros usos, para indicar um esclarecimento (cf. idid., p. 651). Ora, no caso apresentado, o narrador afirma que Alice não tinha nada fazer e, de seguida, esclarece que a personagem tentou ocupar o seu tempo, o que não foi possível. Este esclarecimento é anunciado pelos dois pontos, pelo que a pontuação selecionada está correta.

Relativamente à última questão colocada, mas é uma conjunção coordenativa adversativa que pode ser utilizada em diversos contextos:

(i) coordena grupos de palavras: «O João é inteligente mas pouco estudioso.»

(ii) coordena orações: «Hoje fui ao café, mas não tomei chá.»

(iii) conecta frases: «O João riu. Mas ela não desviou o olhar.»

Em síntese, a opção mais comum de utilização das conjunções é no interior da frase. Todavia, por razões estilísticas ou de sentido, o autor pode optar por colocá-las em início de frase. Tudo depende da sua intenção.

Na frase em apreço, a utilização de mas no interior da frase é, pois, perfeitamente comum, sendo que, neste caso particular, mas assinala não um contraste de sentido entre as duas orações, mas um contraste pragmático, ou seja, marca o facto de a inferência extraída da primeira oração (o facto de a personagem tentar ver o que existia naquele local devia levar a que conseguisse perceber de que se tratava) contrasta com o conteúdo da segunda oração, introduzida por mas (o escuro não lhe permitiu realizar o seu intento)1.

Disponha sempre!

1. Para aprofundar este assunto, consulte-se Raposo et al., Gramática do Português. Fundação Calouste Gulbenkian, pp. 1800-1801.

Carla Marques
Tema: Uso e norma Classe de Palavras: verbo
Áreas Linguísticas: Léxico; Ortografia/Pontuação; Semântica; Sintaxe Campos Linguísticos: Pontuação