Estrangeirismos q.b. - Pelourinho - Ciberdúvidas da Língua Portuguesa
Este é um serviço gracioso e sem fins comerciais, de esclarecimento, informação e debate sobre a língua portuguesa, o idioma oficial de Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique, Portugal, São Tomé e Príncipe e Timor-Leste. Sem outros apoios senão a generosidade dos seus consulentes, ajude-nos a dar-lhe continuidade: Pela viabilização do Ciberdúvidas. Os nossos agradecimentos antecipados.
Início Português na 1.ª pessoa Pelourinho Artigo
Estrangeirismos q.b.

É importante que as empresas portuguesas tenham "rating". Lagos, Nigéria, ainda recupera da explosão do "pipeline". Esta semana assistimos ao "sprint" final do Dakar. Saiba quais são os melhores "resorts" de Inverno.

Os estrangeirismos percorrem todas as secções dos jornais.

A importação de palavras de outras línguas é um fenómeno comum. É, inclusivamente, factor de evolução de uma dada língua. Basta ver que o português moderno é marcado ao nível do léxico pela adopção e adaptação de palavras do latim, das línguas germânicas, do árabe, do francês... A função básica do estrangeirismo é dar resposta à necessidade de nomeação de conceitos ou objectos específicos de outra cultura. Com o inglês como língua franca no plano científico e tecnológico, o anglicismo é a solução mais cómoda, rápida e eficaz numa comunicação globalizada.

Mas há também o uso estético do estrangeirismo. É quando a palavra importada dá estatuto ou prestígio ao falante. Claro que a delimitação entre o estrangeirismo útil e o estrangeirismo fútil não se traça a régua e esquadro e condenar um qualquer falante por usar muitas palavras importadas será sempre uma apreciação mais ou menos subjectiva.

O mesmo não se passa com o discurso dos jornais. Aqui o público integra pessoas com vários graus e qualidades de conhecimento e o critério para saber quando um estrangeirismo está a mais é a clareza do texto. E aqui o "pipeline" perde para oleoduto; o "resort", para estância; o "rating", para avaliação — e por aí fora.

Sol

Fonte

in semanário "Sol" de 27 de Janeiro de 2007

Sobre a autora

Mestra e doutora em Linguística Portuguesa, desenvolveu projeto de pós-doutoramento em aquisição de L2 dedicado ao estudo de processos de retextualização para fins de produção de materiais de ensino em PL2 – tais como  A Textualização da Viagem: Relato vs. Enunciação, Uma Abordagem Enunciativa (2010), Gramática Aplicada - Língua Portuguesa – 3.º Ciclo do Ensino Básico (2011) e de versões adaptadas de clássicos da literatura portuguesa para aprendentes de Português-Língua Estrangeira.Também é autora de adaptações de obras literárias portuguesas para estrangeiros: Amor de Perdição, PeregrinaçãoA Cidade e as SerrasContos com Nível é o seu último livro. Consultora do Ciberdúvidas da Língua Portuguesa e responsável da Ciberescola da Língua Portuguesa