Ana Martins - Ciberdúvidas da Língua Portuguesa
Ana Martins
Ana Martins
31K

Licenciada em Línguas e Literaturas Modernas – Estudos Portugueses, pela Faculdade de Letras da Universidade do Porto, e licenciada em Línguas Modernas – Estudos Anglo-Americanos, pela Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra. Mestra e doutora em Linguística Portuguesa, desenvolveu projeto de pós-doutoramento em aquisição de L2 dedicado ao estudo de processos de retextualização para fins de produção de materiais de ensino em PL2 – tais como  A Textualização da Viagem: Relato vs. Enunciação, Uma Abordagem Enunciativa (2010), Gramática Aplicada - Língua Portuguesa – 3.º Ciclo do Ensino Básico (2011) e de versões adaptadas de clássicos da literatura portuguesa para aprendentes de Português-Língua Estrangeira.Também é autora de adaptações de obras literárias portuguesas para estrangeiros: Amor de Perdição, PeregrinaçãoA Cidade e as Serras. É ainda autora da coleção Contos com Nível, um conjunto de volumes de contos originais, cada um destinado a um nível de proficiência. Consultora do Ciberdúvidas da Língua Portuguesa e responsável da Ciberescola da Língua Portuguesa

 
Textos publicados pela autora

Pergunta:

Primeiramente agradeço o sempre excelente trabalho que vocês desempenham.

Tenho encontrado em Machado de Assis um tipo de construção que me é nova: o uso do pretérito perfeito composto do indicativo em lugar do pretérito mais-que-perfeito composto do subjuntivo, especialmente em situações condicionais, hipotéticas. Trago abaixo alguns exemplos do mesmo escritor. A locução de tempo composto vai destacada em maiúsculas:

1) "Um dos oradores do dia 21 observou que se a Inconfidência TEM VENCIDO, os cargos iam para os outros conjurados, não para o alferes. Pois não é muito que, não tendo vencido, a história lhe dê a principal cadeira."

2) "Teve seus minutos de aborrecimento, é verdade; a princípio doeu-me que Ezequiel não fosse realmente meu filho, que me não completasse e continuasse. Se o rapaz TEM SAÍDO à mãe, eu acabava crendo tudo, tanto mais facilmente quando que ele parecia haver-me deixado na véspera evocava a meninice, cenas e palavras, a ida para o colégio..."

3) "De repente, cessando a reflexão, fitou em mim os olhos de ressaca, e perguntou-me se tinha medo. — Medo? — Sim, pergunto se você tem medo. — Medo de quê? — Medo de apanhar, de ser preso, de brigar, de andar, de trabalhar... Não entendi. Se ela me TEM DITO simplesmente: "Vamos embora!" pode ser que eu obedecesse ou não; em todo caso, entenderia."

Onde destaquei, parece dizer-se "tivesse vencido", "tivesse saído", "tivesse dito". Sei que muitos tempos e modos podem assumir o lugar de outros, como "Se eu fora (fosse) rico...", mas é a primeira vez que me deparo com tal possibilidade, e nunca a vi noutro autor.

Tem certa semelhança com o uso corrente do presente do indicativo a substituir o pretérito ou o futuro do subjuntivo: "Se erro a questão, reprovo". Vocês têm conhecimento dessa hipótese de substituição? É prevista em alguma gramática? Acha-se noutros escritores?

Resposta:

Com efeito, as frases aqui apresentadas não atualizam construções prototípicas da subordinação condicional. Não estamos, todavia, perante estruturas inaceitáveis. A situação corresponde, antes, a nosso ver, uma exploração criativa da combinação de tempos e modos verbais ao serviço das intenções do escritor.

Os casos apresentados configuram o uso da construção condicional com um valor contrafactual, ou seja, apresentam uma situação que se depreende que não teve lugar.

Tipicamente, as orações condicionais contrafactuais constroem-se com recurso ao pretérito mais-que-perfeito do conjuntivo:

(1) «Se ele me tivesse telefonado, eu teria falado com ele.»

É possível também veicular este valor contrafactual por meio do recurso ao imperfeito do conjuntivo (2) ou até ao presente do indicativo (3):

(2) «Se ele me telefonasse, eu falaria com ele.»

(3) «Se o Zé é honesto, então eu sou o rei de Marrocos.»1

No entanto, como se adverte na Gramática do Português, o valor contrafactual da frase (3) obtém-se por esta ter uma intenção irónica: «a leitura contrafactual do antecedente obtém-se porque é sabido que, obviamente, o falante não é o rei de Marrocos»2.

Nas gramáticas consultadas, não se encontra previsto o uso do pretérito perfeito composto para exprimir este valor contrafactual numa construção condicional.

Não obstante, ainda na Gramática do Português pode ler-se: «É, no enta...

Explique por palavras suas
Falar ou escrever para não se fazer entender

Na comunicação social, na esfera académica ou na vida administrativa, circulam muitos textos pouco ou nada inteligíveis. Será problema de quem lê, por ignorância, ou de quem fala ou escreve, para disfarçar incompetência e esconder propósitos inconfessáveis? A linguista Ana Sousa Martins, coordenadora da Ciberescola da Língua Portuguesa, critica a falta de clareza de linguagem em crónica difundida na rubrica "Cronigramas", do programa Páginas de Português, emitido no dia  de 7 de julho de 2019.

Rir para não chorar
Traduções tristemente hilariantes

O guia de conversação hoje mais conhecido como English as she is spoke, do português Pedro Carolino, é um título que há muito faz parte do anedotário em torno do desconhecimento da língua inglesa. Mas que dizer do português que traduz mal o inglês? Um texto de Ana Sousa Martins para a rubrica "Cronigramas" do programa Páginas de Português, transmitido pela Antena 2, no dia 19 de maio de 2019.

O vil metal
Uso e conotações da palavra dinheiro

Aludindo a temas financeiros, a língua portuguesa parece poupar-se ao uso da palavra dinheiro – sobretudo em comparação com o inglês. Esta é uma das conclusões a que chega a linguista Ana Sousa Martins em crónica que escreveu e leu no programa Páginas de Português em 14/04/2019.

Nós todos e ninguém
O discurso político sobre a violência doméstica

O uso de nós no discurso público constitui também uma estratégia de não identificar o sujeito de uma ação, levando a diluir a responsabilidade individual no coletivo, como tem acontecido em Portugal quando o tema é a violência doméstica. Texto assinado pela linguista Ana Sousa Martins, coordenadora da Ciberescola da Língua Portuguesa, que o leu na rubrica "Cronigramas" do programa de rádio Páginas de Português (emissão de 17/03/2019).