Este é um serviço gracioso e sem fins comerciais, de esclarecimento, informação e debate sobre a língua portuguesa, o idioma oficial de Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique, Portugal, São Tomé e Príncipe e Timor-Leste. Sem outros apoios senão a generosidade dos seus consulentes, ajude-nos a dar-lhe continuidade: Pela viabilização do Ciberdúvidas. Os nossos agradecimentos antecipados.
Ana Martins
Ana Martins
3K

Linguista, consultora do Ciberdúvidas da Língua Portuguesa, responsável da Ciberescola da Língua Portuguesa. Autora de A Textualização da Viagem: Relato vs. Enunciação, Uma Abordagem Enunciativa (2010), Gramática Aplicada - Língua Portuguesa - 3.º Ciclo do Ensino Básico (2011) e de versões adaptadas de clássicos da literatura portuguesa para aprendentes de Português-Língua Estrangeira.

 
Textos publicados pela autora
A análise sintática da frase em referência é a seguinte:
 
Sujeito nulo/subentendido: [Ele]
Predicado: sabia-se portador de uma mensagem importante
Predicador: sabia
Complemento Direto: se
Predicativo do Complemento Direto: portador de uma mensagem importante.
Complemento do nome: de uma mensagem importante
Modificador apositivo do nome: importante

Sobre esta questão, já o Ciberdúvidas respondeu várias vezes: aquiaquiaqui e aqui.*

A frase correta é «Deixe aqui a sua questão a um dos cantores mais queridos dos portugueses...»

Se invertermos os termos da frase, mais facilmente se verifica a sua correção: «Dos cantores  mais queridos dos portugueses [ele é um deles].»

 

* N.E. – Voltamos a pedir a quantos acedem ao consultório do Ciberdúvidas: antes da colocação da pergunta, confirme-se na pesquisa do arquivo [ Como (melhor) navegar e pesquisar no Ciberdúvidas. ] se o tema já não se encontra esclarecido.

Os valores aspetuais perfeito-imperfeito realizam-se na flexão do verbo. É o aspeto gramatical.

Uma ação perfetiva (realizada pelo pretérito perfeito) corresponde a uma ação unificada, sumariada, holística. Imaginemos um intervalo de tempo como uma linha espacial, com um princípio (limite da esquerda) e um fim (limite da direita). O intervalo de tempo da ação perfetiva tem o limite da direita fechado. Esse intervalo de tempo pode ter demorado um segundo ou décadas, mas o seu limite temporal da direita é perspetivado como fechado:

1. A minha filha brincou no parque, depois fomos às compras e foi tudo perfeito.

Pelo contrário, a situação imperfetiva oferece uma visão analítica da ação, na sua extensão não mensurável. O intervalo de tempo da ação é aberto, ou seja, o termo da ação não é considerado. O aspeto imperfetivo, em português, pode ser expresso pelo pretérito imperfeito, pelo presente, pelo pretérito perfeito composto, ou pelo progressivo (estar a + INF):

2. Eu brincava neste parque. Tudo era perfeito.

O valor durativo pertence à semântica do verbo que designa a ação, independentemente das opções morfológicas do locutor, ou seja, independentemente da flexão em que se encontra o verbo (se bem que nem todas as combinatórias sejam aceitáveis, como por exemplo: ? «A bomba estava a explodir»). Falamos então de aspeto ...

Imagem de destaque do artigo

Tradução do resumo da comunicação intitulada "Online Courses of Portuguese as a Second Language. Closing the Gap with Blended Learning in Mainstream Education" (tradução livre: "Cursos em linha para Português como Segunda Língua. Reduzindo discrepâncias com a aprendizagem mista no ensino regular"), que Carla Barros Lourenço (Direção-Geral da Educação, Ministério da Educação) e Ana Sousa Martins (Ciberescola/Cibercursos da Língua Portuguesa) apresentaram à 7th International Conference on Computer Supported Education (7.ª Conferência Internacional de Educação assistida por Computador), que se realizou em Lisboa, de 23 a 25 de maio de 2015. Também se inclui o acesso ao texto integral em inglês, publicado nas atas do referido encontro. (...)

Imagem de destaque do artigo

Texto em que a autora, Ana Sousa Martins, coordenadora da Ciberescol/Cibercursos da Língua Portuguesa, evidencia como a construção do projeto Ciberescola da Língua Portuguesa, no contexto do ensino do Português Língua Não Materna (PLNM) no ensino básico e secundário em escolas públicas portuguesas, tem assentado grandemente na estimulação da aprendizagem autónoma, permitindo defender que este modelo, concebido e aplicado especificamente para o PLNM, é exportável para outras disciplinas (artigo publicado na revista Nova Ágora, n.º 5, setembro de 2016).