Acordo Ortográfico sob polémica presidencial - Acordo Ortográfico - Ciberdúvidas da Língua Portuguesa
Este é um serviço gracioso e sem fins comerciais, de esclarecimento, informação e debate sobre a língua portuguesa, o idioma oficial de Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique, Portugal, São Tomé e Príncipe e Timor-Leste. Sem outros apoios senão a generosidade dos seus consulentes, ajude-nos a dar-lhe continuidade: Pela viabilização do Ciberdúvidas. Os nossos agradecimentos antecipados.
Início Português na 1.ª pessoa Acordo Ortográfico Artigo
Acordo Ortográfico sob polémica presidencial
Acordo Ortográfico sob polémica presidencial

Em Maputo, no decurso da sua visita oficial a Moçambique, declarações do presidente da República Portuguesa, Marcelo Rebelo de Sousa, sobre o Acordo Ortográfico – nas quais admitia que, «se países como Moçambique e Angola decidirem não ratificar o Acordo Ortográfico, isso será uma oportunidade para repensar a matéria»* – relançaram a polémica em Portugal.

É o que, sumariamente, deixamos disponível na área temática das Controvérsias desta rubrica onde se dá conta de tudo à volta do Acordo Ortográfico, com a sempre indispensável demarcação do que é mera informação [Noticias] ou opinião (pró e contra, sempre em pé de igualdade e no escrupuloso respeito editorial do Ciberdúvidas em toda e qualquer controvérsia à volta da língua. Ou, ainda, nesta outra sub-rubrica especialmente concebida para o efeito, onde se acolhem diferentes contributos para uma maior harmonização dos critérios de interpretação do texto oficial do Acordo Ortográfico, que vêm sendo ponderados no espaço e no tempo próprios do quadro multilateral do Instituto Internacional da Língua Portuguesa e no âmbito concreto dos trabalhos do Vocabulário Ortográfico Comum da Língua Portuguesa (conforme incumbência expressa do Plano de Ação de Brasília, de 2010 e formal reconhecimento pelos Estados-membros da CPLP na Cimeira de Díli, em 2014, cuja plataforma foi lançada publicamente no ano seguinte).

A querela em causa remete para os seguintes três textos:

Críticas à ideia de Marcelo para repensar o Acordo (de Sérgio Almeida, Jornal de Notícias, 16/05/2016)

Há uma saída airosa para o Acordo Ortográfico? (de Luís Miguel Queirós, Público, 5/05/2016)

“Acordo” ortográfico e desacordo nacional (Editorial do jornal Público, 5/05/2016)

 

E ainda mais estas tomadas de posição, publicadas posteriormente, incluindo a posição posterior do Presidente português para uma hipotética «reavaliação do Acordo Ortográfico»:

Rejeitar o Acordo Ortográfico? (de Jorge Bacelar Gouveia, Diário de Notícias, 5/05/2016)

As elites bem falantes ou as noções básicas de democracia (de Miguel Sousa Tavares, Expresso, 6/05/2016)

Marcelo, acordo e desacordo (de Henrique Monteiro, Expresso, 6/05/2016)

Tensão entre Governo e Marcelo (de Christiana Martins e Helena Pereira, Expresso, 6/05/2016)

A reversão mais valiosa para o futuro: acabar com o Acordo Ortográfico (de José Pacheco Pereira, Público, 8/05/2016)

Alunos até ao 6.º ano já só escrevem pelo Acordo Ortográfico (de Pedro Sousa Tavares, Diário de Notícias, 9/05/2016)

Secretário executivo da CPLP diz que não há volta atrás no Acordo Ortográfico (Lusa, Diário de Notícias, 9/05/2016)

Governo angolano diz que há progressos em torno do Acordo Ortográfico (Lusa, Diário Digital, 9/05/2016)

Acordo ortográfico. Países africanos atacam Marcelo e não querem reabrir processo (de Ana Sá Lopes, i, 10/05/2016)

A primeira grande gafe diplomática de Marcelo (de Ana Sá Lopes, i, 10/05/2016)

Por que não devemos revogar o Acordo Ortográfico (de Ana Paula Azevedo, Sol, 10/05/2016)

Marcelo: Acordo Ortográfico «é um não tema» (Lusa, Expresso, 10/05/2016)

A irreversibilidade da aplicação do AO90 em Portugal (de D'Silvas Filho, 11/05/2016)

A negligência na língua e na escrita é princípio da decadência dum país (de Guilherme Valente, Público, 13/05/2016)

Contra o acordo infame (de António Guerreira, Público, 13/05/2016)

Os Presidentes também erram (Pedro Santana Lopes, Correio da Manhã, 13/05/2016)

Marcelo Rebelo de Sousa e o Acordo Ortográfico de 1990 (de Francisco Miguel Valada, Público, 16/05/2016)

 

* As declarações do presidente português em Maputo recomendam uma maior precisão sobre a diferente posição de Moçambique e de Angola sobre o Acordo Ortográfico. Se é certo que ambos os países não ratificaram ainda o Acordo Ortográfico (sendo os dois únicos da CPLP que ainda não o fizeram, subscritores embora também dele em 1990), há uma diferença entre ambos os Estados:

a) Angola reclama alterações em pontos de que discorda [vide: Angola quer melhorias no Acordo Ortográfico e garante também o seu vocabulário nacional + Escritor angolano diz que Governo de Angola não é contra o Acordo Ortográfico]

b) Moçambique tem essa decisão dependente apenas da votação no seu parlamento [vide: Acordo Ortográfico ainda por ratificar em Angola e Moçambique 23 anos depois + Moçambique vai ratificar Acordo Ortográfico quando "for oportuno”.

c) Essa demora na ratificação do Acordo Ortográfico, por parte do Estado moçambicano – que, ao que se sabe, tem mais que ver com a instabilidade política no país e com questões orçamentais do que com divergências, como as manifestadas por Angola –, não inviabilizou a elaboração do seu Vocabulário Ortográfico Nacional. Formalmente entregue em 12/05/2014 à direção executiva do IILP pelo presidente do Fundo Bibliográfico do Português moçambicano, Lourenço do Rosário, passa também por aí a diferença com Angola.

d) Finalmente: enquanto Angola tem estado arredada dos trabalhos de elaboração dos vocabulários ortográficos nacionais e do Vocabulário Ortográfico Comum – não deixando no entanto de contribuir para o seu financiamento –, Moçambique é dos países com mais intervenção nesses trabalhos e na discussão técnica para os acertos e preenchimento das lacunas e insuficiências nas regras do Acordo Ortográfico. É o caso, por exemplo, de uma melhor sistematização dos topónimos de origem banta, entre outras formas consideradas de «relevância cultural nacional». Cf. Dotar toda a CPLP de vocabulários nacionais