Este é um serviço gracioso e sem fins comerciais, de esclarecimento, informação e debate sobre a língua portuguesa, o idioma oficial de Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique, Portugal, São Tomé e Príncipe e Timor-Leste. Sem outros apoios senão a generosidade dos seus consulentes, ajude-nos a dar-lhe continuidade: Pela viabilização do Ciberdúvidas. Os nossos agradecimentos antecipados.
Início Português na 1.ª pessoa Acordo Ortográfico Artigo
Angola financia trabalhos do Vocabulário Comum da Língua Portuguesa

Uma primeira parcela, num total de 70 mil euros, dos quais 35 mil foram já entregues, é o contributo do Governo de Luanda para os trabalhos que decorrem sob supervisão do Instituto Internacional da Língua Portuguesa (IILP) para elaboração do Vocabulário Comum da Língua Portuguesa (VOC). A informação foi divulgada pela agência de notícias portuguesa Lusa [21/07/2013] e transcreve-se de seguida com as indispensáveis adaptações para um melhor enquadramento do assunto.

Considerado de importância estratégica para a língua portuguesa nos oito países lusófonos – só o Brasil e Portugal estão neste momento dotados de vocabulários nacionais –, o VOC passará a ser o instrumento que veiculará uma interpretação do Acordo Ortográfico comum a todos os países da CPLP. Em elaboração desde 2011, o VOC incluirá os vocabulários ortográficos nacionais de cada país, reunindo o maior acervo lexical já feito para o português e sendo representativo das variedades nacionais dos oito países de língua oficial portuguesa, como acentuou o diretor executivo do IILP, Gilvan Müller de Oliveira, em audição recente da Comissão de Educação, Ciência e Cultura da Assembleia da República Portuguesa.

Apesar de com o Acordo Ortográfico se estabelecerem pela primeira vez num documento legal único regras de escrita comuns a todos os países, o texto legal foi objeto de leituras ligeiramente divergentes. Existe também a necessidade de construir dicionários e outros recursos lexicográficos de raiz nos países que ainda deles não dispõem, como Angola e Moçambique, em que são usadas formas que não se encontram registadas nas obras de referência. O VOC, instrumento previsto no texto do Acordo Ortográfico firmado por todos os países em 1990, é o fórum multilateral que permitirá resolver essas dissensões e lacunas.

O projeto prevê ainda a fusão dos recursos oficiais de âmbito nacional adotados em Portugal e no Brasil e a criação de novos recursos lexicográficos nos restantes países da CPLP, assegurando a representatividade de todos os Estados-membros no produto final, de que será apresentada uma primeira versão na II Conferência Internacional sobre o Futuro da Língua Portuguesa no Sistema Mundial, a ter lugar em Lisboa em novembro. Os primeiros resultados definitivos deverão estar prontos a tempo da cimeira de chefes de Estado de Díli, a ter lugar na capital timorense em julho de 2014.

Lisboa, 21 jul. (Lusa) – Angola vai financiar os trabalhos do Vocabulário Ortográfico Comum da Língua Portuguesa, tratando-se «da primeira vez que um PALOP (país africano de língua oficial portuguesa) contribui para um instrumento central» do Acordo Ortográfico, disse à Lusa o diretor executivo do Instituto Internacional da Língua Portuguesa, Gilvan Müller de Oliveira.

«É a primeira vez que um PALOP financia um grande instrumento da língua portuguesa, central, como é o Vocabulário Ortográfico da Língua Portuguesa (VOC), para a finalização do Acordo Ortográfico», disse à Lusa o linguista brasileiro, responsável por aquela instituição, acrescentando que a verba é de 35 mil euros [primeira parcela de um total de 70 mil euros atribuído pelo Governo de Luanda].

«O Vocabulário Ortográfico Comum da Língua Portuguesa, ao mesmo tempo que incorpora o vocabulário dos oito países [lusófonos] – seguindo a mesma metodologia e os mesmos critérios de aplicação das bases do Acordo –, mantém a possibilidade de individualizar os vocabulários de cada país, mas não apaga a variante do léxico nacional», explicou Gilvan Müller, sublinhando que Portugal, Brasil e Moçambique são os três países [com os vocabulários nacionais mais adiantados].

(…) Os trabalhos que foram desenvolvidos nos últimos três anos [no âmbito do IILP] vão ser apresentados em Portugal no mês de outubro na II Conferência da Língua Portuguesa no Sistema Mundial. [Medidas concretas] para a promoção e projeção internacional da língua portuguesa deverão ser então aprovadas.

«[Trata-se do] “plano de Lisboa” – explicou o diretor executivo do IILP –, [similar] ao “plano de Brasília”, em que estamos trabalhando, e que estará em vigor em 2014 após a sua aprovação pelos chefes de Estado e de Governo da CPLP na Cimeira de Díli, Timor-Leste», em julho do próximo ano.

«Pretendemos lançar a primeira plataforma do VOC em outubro, mas a nossa perspetiva é integrar [já], também, um quarto país que já está avançado no processo de elaboração do [respetivo vocabulário nacional], que é Cabo Verde.» [Gilvan Müller de Oliveira prevê a integração do vocabulário cabo-verdiano em julho de 2014, na Cimeira da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa de Díli.]

O Instituto Internacional da Língua Portuguesa foi encarregado pelo Plano de Ação de Brasília para a elaboração do Vocabulário Ortográfico Comum da Língua Portuguesa, tratando-se de um resultado direto da primeira Conferência Internacional sobre o Futuro do Português no Sistema Mundial [ocorrida na capital brasileira, em março de 2010.]

«O plano de Brasília» – recordou o diretor executivo do IILP – «foi aprovado numa reunião técnica internacional, pelos pontos focais da CPLP, e foi parcialmente financiado, num primeiro momento, pelos recursos de apoio às iniciativas culturais dos PALOP através do programa dos fundos ACP (África, Caraíbas e Pacífico).»

A  primeira ação do Instituto Internacional da Língua Portuguesa foi realizada precisamente através dos meios desta plataforma – explicou o linguista brasileiro. Já para a elaboração do Vocabulário Ortográfico Comum da Língua Portuguesa, a sua concretização conta agora com os recursos financeiros disponibilizados pelas autoridades angolanas:

«Montámos uma equipa central, mobilizámos as equipas técnicas dos vários países, fizemos o primeiro curso técnico para a composição dos vocabulários ortográficos nacionais. O Vocabulário Ortográfico Comum é constituído pelos vocabulários nacionais de cada país – uma inovação muito grande na metodologia [deste tipo de obras] – e teremos nesse momento [em outubro, na segunda conferência] três vocabulários nacionais concluídos: o de Moçambique, o de Portugal e o do Brasil.»