Português na 1.ª pessoa - Ciberdúvidas da Língua Portuguesa
 
Início Português na 1.ª pessoa
O poder demiúrgico do escritor
Escrever para não morrer

«Quando o escritor acredita que o que escreve é a sua missão mais importante no mundo, terá o mesmo destino de Sísifo e vê-se condenado a empurrar pela montanha acima uma sempiterna pedra que nunca deixará de rolar pela montanha abaixo», considera a professora Lúcia Vaz Pedro neste texto inaugural da nova rubrica no Ciberdúvidas dedicada à literatura em língua portuguesa – da poesia trovadoresca a Camões, Eça de QueirósFernando Pessoa até às obras e seus autores contemporâneos.

O ensino da passiva em Português Língua Estrangeira (PLE)
O tratamento desta estrutura em manuais

«A omissão [da construção passiva] dos manuais de PLE pode, de alguma forma, criar problemas na aprendizagem dos tipos de frase passiva, uma vez que[...] o conhecimento do aprendente [...] fica deficitário, podendo colocar em causa o seu bom uso nas situações apropriadas» – alerta Inês Gama, neste apontamento sobre a aprendizagem das estruturas passivas pelos alunos de Português Língua Estrangeira (PLE).

«O foco no <i>lifestyle</i>», promete ela
Modismos anglófilos

Marca de lifestyle  e de phygital, eventos com talks e uma prometida ambição de se tornar uma love brand com um cool hunting q.b. caracteriza um anunciado novo projeto editorial lançado em Portugal. Será mesmo para leitores portugueses?

A língua dos mapas ao contrário
O romance Jangada de Pedra e o Dia Mundial da Língua Portuguesa

«E, como a jangada de pedra [do romance de José Saramago], equidistante da América e da África (e também da Ásia), a nossa língua cai cada vez mais em direção a sul e que tudo tem para enriquecer os que a falam e ser um instrumento cada vez mais poderoso de diálogo e comunicação.» 

Crónica da linguista Margarita Correia publicada no Diário de Notícias de 2 de maio de 2022, na qual, a propósito do Dia Mundial da Língua Portuguesa, festejado em 5 de maio, se fala do romance Jangada de Pedra (1986), de José Saramago, como metáfora de um futuro mapa do português.

 

Dia do Trabalhador
A palavra do 1.º de Maio

No dia 1 de maio, Dia do Trabalhador, a professora Carla Marques apresenta uma crónica dedicada à palavra trabalhador. 

A origem portuguesa de <i>fetiche</i>
A relação com feitiço

«Tudo começou — ou pelo menos escolho começar por aqui — na palavra «feitiço», um velho vocábulo português que já tinha vindo do latim com o sentido de qualquer coisa artificial. Uma coisa postiça, ou seja, feitiça

Um apontamento do professor universitário, tradutor e divulgador de temas linguísticos Marco Neves publicado no blogue Certas Palavras, em 24 de abril de 2022, à volta das origens portuguesas do galicismo fetiche e do seu contexto histórico. Transcreve-se comm a devida vénia o texto original, mantendo aornorma otográfica f de 1945 do original

A estrutura passiva em português
Características gerais

«Em geral, as gramáticas consideram que a ordem básica dos constituintes da frase em português é a SVO, ou seja, sujeito-verbo-objeto. Todavia, existem frases a que são aplicados processos sintáticos que originam uma organização de constituintes diferente da típica, como é o caso da estrutura passiva.»

Apontamento de Inês Gama sobre as frases passivas e as construções associadas, como «as casas são vendidas» e «vendem-se casas».

O cair das máscaras
Etimologia, a propósito da covid-19 e do 25 de Abril de 1974

«As palavras máscara em português e em espanhol, masque em francês e mask em inglês terão todas a mesma origem, i.e., a palavra maschera, com o significado de "rosto falso", atestada no século XIV, na obra de Giovanni Boccacio, autor que, tal como Dante Alighieri, era natural de Florença, berço da língua italiana.»

Artigo da linguista Margarita Correia publicado no Diário de Notícias de 25 de abril de 2022, no qual se aborda a etimologia da palavra máscara a propósito do levantamento da obrigação de usar máscara depois das fortes restrições aplicadas no quadro da pandemia de covid-19.

Paisagens linguísticas
A multimodalidade da comunicação contemporânea

«A paisagem linguística representa os variados modos de uso das línguas/linguagens nos espaços sociais e públicos das cidades, revelando que as nossas sociedades são cada vez mais multilíngues, multiculturais e globalizadas.»

Sobre o conceito de «paisagem linguística», a crónica da linguista Edleise Mendes (Universidade Federal da Bahia) para o programa Páginas de Português, na Antena 2, em 24 de abril de 2022.

 

48 expressões e palavras nos 48 anos do 25 de Abril
Modas, modismos, neologismos e incorreções mediáticas

Assinalando os  48 anos do 25 de Abril em Portugal, a professora Carla Marques apresenta 48 palavras e expressões que caracterizam a língua na atualidade, porque a forma como se fala «como outros produtos humanos, não fica indiferente a esta ação do tempo e também ela é permeável às alterações e acompanha os novos tempos abrindo espaço a muitos fenómenos que a alteram, tanto no sentido positivo como no negativo.»