Ciberdúvidas com as atualizações retomadas neste início de 2019 - Ciberdúvidas da Língua Portuguesa
Este é um serviço gracioso e sem fins comerciais, de esclarecimento, informação e debate sobre a língua portuguesa, o idioma oficial de Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique, Portugal, São Tomé e Príncipe e Timor-Leste. Sem outros apoios senão a generosidade dos seus consulentes, ajude-nos a dar-lhe continuidade: Pela viabilização do Ciberdúvidas. Os nossos agradecimentos antecipados.
Início Aberturas Abertura
Ciberdúvidas com as atualizações retomadas neste início de 2019
Ciberdúvidas com as atualizações retomadas neste início de 2019
Por Ciberdúvidas da Língua Portuguesa 77

1. De regresso às atualizações regulares e desejando a todos os nossos consulentes um excelente 2019, enumeramos os artigos que neste dia entram em linha, na rubrica O nosso idioma:

– No começo de um novo ano, abundam as previsões e os prognósticos, muitos introduzidos pelo modismo «é expectável». Porque não dizer simplesmente «espera-se que....» ou «tem grande probabilidade...»? Num comentário ao uso da estafada expressão, Carla Marques, consultora permanente do Ciberdúvidas, lembra que há formas em alternativa, capazes de diversificar o discurso.

–  Mas, afinal, quanto é um bilião em Portugal? E no Brasil? O professor Guilherme de Almeida, especialista em grandezas e unidades físicas, dá os esclarecimentos necessários para evitar certas confusões.

– O plural de livro é livros, mas quantos, por exemplo, no Brasil, já não terão deparado com usos como «os livro», que a norma não aceita? Num texto transcrito, com a devida vénia, do blogue Certas Palavras, o professor universitário e tradutor Marco Neves dá conta de como as estruturas que marcam o plural são suscetíveis de grandes e curiosas variações nas línguas do mundo.

2. Outras rubricas acolhem também novos conteúdos:

Imagem de destaque do artigo– No Pelourinho, um apontamento de João Alferes Gonçalves, publicado originalmente no blogue do Clube de Jornallistas, esclarece a pronunciação do nome do norueguês Ole Gunnar Solskjaer (na foto), que substituiu o português José Mourinho, como treinador do Manchester United.

– Em Ensino, disponibiliza-se um texto de Ana Sousa Martins, coordenadora da Ciberescola da Língua Portuguesa, a respeito da necessidade de devolver à memorização o papel que deve ter na aprendizagem.

– Nas Diversidades, transcreve-se um trabalho do economista Jorge Fonseca de Almeida e publicado em 3/01/2019 no semanário digital O Lado Oculto, à volta do lugar que cabe ao inglês na União Europeia e na sociedade portuguesa.

Resultado de imagem para consultório ciberduvidas3. O consultório retoma igualmente a plena atividade: fala-se de discurso indireto, da polissemia do nome atualização, da história do chamado se apassivante, da relação semântica entre cãibra e contratura (ou contractura) e da ordem dos apelidos nos nomes pessoais completos.

4. Entre as várias notícias difundidas pelos media, seleciona-se a da escolha de enfermeiro como palavra do ano em Portugal, na edição de 2018 do passatempo organizado pela Porto Editora. Os outros vocábulos finalistas eram professor e toupeira. A votação incidiu, como é hábito, em palavras recorrentes ao longo do ano transato, em Portugal, como aconteceu com as já mencionadas, em referência aos conflitos laborais que têm envolvido a classe dos enfermeiros e a dos professores dos ensinos básico e secundário, bem como ao caso e-Toupeira, que implica figuras ligadas ao Sport Lisboa e Benfica.

5. Uma última chamada de atenção para o novo texto de Marco Neves (ver mais acima), no seu blogue Certas Palavras, desta vez a respeito de diferentes sistemas de expressar as horas, começando pelo suaíli, língua com estatuto oficial na Tanzânia, no Quénia e no Uganda. Que horas são quando, na cidade queniana de Nairóbi, os relógios (já de si, peculiares) marcam as sete da tarde?