O modismo expectável - O nosso idioma - Ciberdúvidas da Língua Portuguesa
Este é um serviço gracioso e sem fins comerciais, de esclarecimento, informação e debate sobre a língua portuguesa, o idioma oficial de Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique, Portugal, São Tomé e Príncipe e Timor-Leste. Sem outros apoios senão a generosidade dos seus consulentes, ajude-nos a dar-lhe continuidade: Pela viabilização do Ciberdúvidas. Os nossos agradecimentos antecipados.
Início Português na 1.ª pessoa O nosso idioma Artigo
O modismo expectável
O modismo expectável
Usado para tudo e por nada...

    O início de cada ano convida à formulação de planos e à verbalização de desejos. Como acontece em inúmeras situações, também para referir aquilo que se espera há uma palavra que está na moda: expectável.

      Se pretende expressar um desejo que provavelmente se realizará, dirá «É expectável que venha a subir de posto» ou «Uma viagem ao estrangeiro é expectável».

    O adjetivo expectável refere-se a acontecimentos cujas probabilidades de virem a ter lugar são elevadas, pelo menos na ótica de quem os deseja. O estatuto de modismo confere à palavra que o conquistou uma capacidade plástica de se moldar a diferentes situações, o que lhe permitiu alargar o leque de situações a que se pode aplicar. Por esta razão, expectável (que, curiosamente, nem tem sequer tem direito a uma entrada no Dicionário da Língua Portuguesa Contemporânea, Usos – 1 / Lexicógrafos – 0) não se reduz simplesmente à expressão do que se espera que venha a ter lugar. Na verdade, pode ser também usado como “unidade de medida” das expectativas: «O comportamento da economia está longe do expectável», «Os resultados da empresa estão abaixo do expectável», «O desempenho do atleta está dentro do que era expectável» ou «O número de mortes ficou acima do expectável».

      Expectável associa-se ainda a eventos positivos: «A qualidade expectável do jogo» ou «A estreia expectável no Mundial». Parece, no entanto, que expectável tem uma predileção pela descrição de eventos negativos: «uma crise expectável», «o expectável aumento de custos», «o expectável aumento da disparidade económica», «um fogo expectável», «uma pena expectável de 25 anos», «a expectável decisão de não levantar imunidade», «o despedimento espectável» ou «dificuldades expectáveis».

                Em muitos casos, quando que se fala do que se espera é expectável que o expectável apareça, assumindo-se como a primeira escolha que ocorre ao falante para expressar as suas intenções. Esta é uma das características das palavras passe-partout. E de tal forma se alargou o escopo da palavra que já a encontramos em usos próximos da interjeição:

      « O treinador foi despedido!»

      « Expectável

      De tal maneira se tem generalizado o uso de expectável que, sobretudo entre os comentadores da comunicação social, sempre que se fala de expectativas o adjetivo é usado como manifestação da arte de bem falar, como se esta fosse a única opção verdadeiramente acertada para expressar a ideia em causa, atitude que influencia claramente o público. Todavia, como em tantas outras situações similares, não é difícil encontrar outras palavras menos gastas e disponíveis a colaborar no enriquecimento vocabular e na diversificação de qualquer discurso: provável, possível, previsto, prenunciado, esperado, aguardado, desejável, almejado, desejado, ensejado.

      A propósito, não esqueçamos que expectável é diferente de espectável, adjetivo usado para referir o que é notável, importante, digno de ser visto.

Sobre a autora

Doutorada em Língua Portuguesa (com uma dissertação na área do  estudo do texto argumentativo oral); investigadora do CELGA-ILTEC (grupo de trabalho "Discurso Académico e Práticas Discursivas"); autora de manuais escolares e de gramáticas escolares; formadora de professores; professora do ensino básico e secundário. Consultora permanente do Ciberdúvidas da Língua Portuguesa, destacada para o efeito pelo Ministério da Educação português.