Guilherme de Almeida - Ciberdúvidas da Língua Portuguesa
Guilherme de Almeida
Guilherme de Almeida
3K

Guilherme de Almeida (Lisboa, 1950) é licenciado em Física, autor português e professor aposentado. Publicou, entre outras obras, Sistema Internacional de Unidades – Grandezas e Unidades Físicas, Terminologia, Símbolos e Recomendações, livro recomendado pela Sociedade Portuguesa de Física. Tem mais de 100 artigos publicados. Ver mais aqui e na página deste autor.

 
Textos publicados pelo autor
Imagem de destaque do artigo
Sobre o uso do anglicismo voucher

«Um termo com pêlos eriçados, que [...] soa a pobreza vocabular, ecoa a pedantismo, transpira vaidade saloia, transborda de deslumbramento pacóvio perante a palavra estrangeira» – assim se refere Guilherme de Almeida ao uso do anglicismo voucher, que pode ser substituído por palavras bem enraizadas no português como vale, talão ou cheque e demais palavras compostas relacionadas.

O símbolo do litro "l" (letra L minúscula) foi  inicialmente adoptado pelo Comité Internacional dos Pesos e Medidas, em 1879, e confirmado em 1948.

A demasiada semelhança entre o "l" (minúsculo) com o algarismo "1", sobretudo em determinadas fontes de caracteres, tornou as leituras de volume confusas, susceptíveis de ambiguidade.

– Escrevendo, por exemplo "11 l", fica-se sem saber se estamos a indicar o número 111 (cento e onze) ou a referir onze litros.

– A indicação "2 l" significará dois litros ou representará o número vinte e um?

– Do mesmo modo "1 l" pode parecer o número onze  ou a indicação "um litro".
 
Para evitar esses inconvenientes, a 16.ª Conferência Geral dos Pesos e Medidas, em 1979, decidiu admitir, para o litro, o símbolo alternativo "L", permitindo a facultatividade de usar "l" ou "L". Trata-se de uma adopção excepcional.

Por uma questão de bom senso, ou se usa um símbolo, ou se usa outro, sendo de mau gosto misturar na mesma prosa ambos os símbolos.

Em regra, só as unidades que derivam de nomes de cientistas (por exemplo, N, símbolo do newton; W, símbolo do watt;  Pa, símbolo do pascal; Wb, símbolo do weber) têm símbolos com letra maiúscula, ou, no caso de terem duas letras (situação que decorre de já haver outro símbolo com a mesma letra), a primeira será maiúscula e a segunda minúscula. Este critério favoreceria a opção pelo "l" (dado que a palavra litro não deriva do nome de nenhum cientista).

No entanto,...

Imagem de destaque do artigo
Nos países europeus, como Portugal, e ≠ no Brasil e EUA

nomenclatura dos grandes números foi estudada pelo Bureau des Longitudes de Paris e apresentada ao Comité International des Poids et Mesures. Neste estudo foram submetidas para discussão duas nomenclaturas diferentes, baseadas na regra N – que consagra a ordenação seguida em Portugal e na generalidade dos países europeus – e na regra  n-1 seguida no Brasil, EUA e noutros países não-europeus. 

[texto do autor na revista Gazeta da Física, Vol 37. N.º 1]

Imagem de destaque do artigo
A história de uma palavra com raízes na astronomia popular e nas crendices

A palavra canícula, geralmente entendida como «calor muito forte», encerra toda uma história que remonta à Antiguidade romana e à sua visão do universo. É o que conta neste texto e Guilherme de Almeida, professor aposentado e especialista em Física, autor, entre outros, do livro Grandeza e Unidade Físicas – terminologia, símbolos e recomendações.

Btu (British Thermal Unit) é uma unidade de energia. É uma unidade não métrica, fora do Sistema Internacional de Unidades (SI), mas ainda utilizada nos Estados Unidos da América e outros locais, muitas vezes para expressar (em Btu/h) a potência de determinados aparelhos, como sucede com o material de ar condicionado. Até em Portugal, por hábito enraizado, a potência destes aparelhos ainda se expressa em Btu/h (nos restantes casos utiliza-se o watt como unidade de potência).

As determinações do BIPM (Bureau International des Poids et Mesures), no que respeita ao uso dos prefixos SI com unidades fora deste sistema. não incluem a British Thermal Unit (Btu). Porém, por uma questão de mera facilidade de escrita, será possível utilizar – por exemplo – o prefixo quilo (k)) e o prefixo mega, juntamente com o símbolo Btu para expressar respectivamente 1000 Btu e 1 000 000 Btu, ficando assim:

1 kBtu = 1000 Btu ; 1 MBtu = 1 000 000 Btu.

Note-se que não se deixa espaço entre o símbolo do prefixo e o símbolo da unidade. Do ponto de vista científico, não se deve usar minúscula para símbolo de milhão pois o símbolo correcto é "M".  Além disso, o símbolo "m" significa mili (milésima parte), ou seja 0,001, e por isso mesmo, escrever mBtu significaria precisamente 0,001 Btu. A não ser que se queira especificamente e conscientemente referir mBtu no seu contexto próprio onde, por exemplo, 3,4 mBtu representaria 3,4x0,001 Btu, ou seja, 0,0034 Btu.

Estas são as indicações decorrentes do uso dos prefixos SI e da prática científica. ...