Uma construção consecutiva em Os Lusíadas (canto I, est. 106) - Ciberdúvidas da Língua Portuguesa
Este é um serviço gracioso e sem fins comerciais, de esclarecimento, informação e debate sobre a língua portuguesa, o idioma oficial de Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique, Portugal, São Tomé e Príncipe e Timor-Leste. Sem outros apoios senão a generosidade dos seus consulentes, ajude-nos a dar-lhe continuidade: Pela viabilização do Ciberdúvidas. Os nossos agradecimentos antecipados.
Uma construção consecutiva em Os Lusíadas (canto I, est. 106)

Como classificar a oração «que não se arme e se indigne o céu sereno», na estância 106, vv. 5-8 de Os Lusíadas?

«Onde pode acolher-se um fraco humano,/ Onde terá segura a curta vida,/ Que não se arme e se indigne o céu sereno/ contra um bicho da terra tão pequeno?»

Isabel Nogueira Professora Estarreja, Portugal 42

A oração em questão1 é uma oração subordinada adverbial consecutiva.

Esta oração está dependente das duas orações coordenadas «Onde pode acolher-se um fraco humano, / Onde terá segura a curta vida», que funcionam como orações subordinantes. 

Assim, verbalizando todos os constituintes e usando a ordem natural, a frase poderia ter a seguinte forma:

(1) «Onde pode acolher-se um fraco humano e onde terá segura a curta vida, de tal maneira que não se arme e se indigne o céu sereno contra um bicho da terra tão pequeno?»

Disponha!

 

1. A oração integra a estância 106 do Canto I, d'Os Lusíadas, de Luís de Camões.

2. Cf. Raposo et al. Gramática do Português. Fundação Calouste Gulbenkian, pp. 2168-2169.

Carla Marques
Áreas Linguísticas: Sintaxe Campos Linguísticos: Orações