Galego-Português - Ciberdúvidas da Língua Portuguesa
Este é um serviço gracioso e sem fins comerciais, de esclarecimento, informação e debate sobre a língua portuguesa, o idioma oficial de Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique, Portugal, São Tomé e Príncipe e Timor-Leste. Sem outros apoios senão a generosidade dos seus consulentes, ajude-nos a dar-lhe continuidade: Pela viabilização do Ciberdúvidas. Os nossos agradecimentos antecipados.
Galego-Português

«A minha pátria é a minha língua.»
Viajo por muitas páginas e há algum tempo conheci várias galegas.
Ao descobrir esse novo mundo, também fiquei a interrogar-me sobre o destino que o galego neste momento leva.
É ainda um irmão lusófono ou não?
Pelas páginas galegas, de literatura, poesia, ou generalistas, na sua maior parte, achei que sim. Mas quando conheço a posição, por exemplo, da CPLP, ou a posição oficial da Comunidade Autónoma da Galiza, já acho que não.
Qual é a posição dos linguistas?
Obrigado.

Hugo Madeira Portugal 3K

a) Não, o Galego-Português não é um irmão lusófono. O Galego-Português foi uma língua comum aos povos de aquém e além-Minho, unidade orgânica e coerente (bem distinta do Castelhano) que floresceu literariamente com a poesia trovadoresca.

O delinear das fronteiras políticas, no século XII, e a progressiva deslocação da corte portuguesa para Sul favoreceram o afastamento e a cisão, donde resultaram duas línguas com destinos bem diversos: o Português, afirmando-se como língua de um Estado soberano; o Galego secundarizado e abafado, quando não reprimido, pelo poder centralizador de Castela.

Segundo Carolina Michaëlis de Vasconcelos o afastamento iniciou-se precocemente, e já no reinado de D. Dinis «...muitas formas e pronúncias galego-portuguesas seriam pouco usadas entre os cortesãos e desconsideradas pela geração nova como arcaísmos e galeguismos». (Cancioneiro da Ajuda, I, 1904, pág.19)

Falar em fraternidade lusófona com os galegos, neste momento, é pouco realista. É, de alguma forma, descartarmo-nos de culpas seculares: ignorámos os galegos, desprezámos a sua língua e a sua cultura. Galego era termo pejorativo, sinónimo de bronco, de burro de carga. E, de facto, emigrados e saudosos da sua terra, eles eram nossos criados, nossos carregadores, armados de cordas e de força pelas esquinas de Lisboa. Depois serviram-nos nos restaurantes.

Hoje, com a autonomia pátria, a progressiva imposição da Língua Galega dentro das fronteiras do Estado, e o próprio desenvolvimento económico da região, outro galo cantará...E então, talvez a aproximação de duas comunidades, linguística e culturalmente tão idênticas, se revitalize. Assim o espero.

b) Penso que a posição dos linguistas não anda longe do que aqui se disse.

Teresa Álvares