A origem do x nas palavras enxabido / desenxabido - Ciberdúvidas da Língua Portuguesa
Este é um serviço gracioso e sem fins comerciais, de esclarecimento, informação e debate sobre a língua portuguesa, o idioma oficial de Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique, Portugal, São Tomé e Príncipe e Timor-Leste. Sem outros apoios senão a generosidade dos seus consulentes, ajude-nos a dar-lhe continuidade: Pela viabilização do Ciberdúvidas. Os nossos agradecimentos antecipados.
A origem do x nas palavras enxabido / desenxabido

Parece não haver dúvidas que o vocábulo latino *insapidus, do latim clássico insipidus, originou o nosso vocábulo enxabido, que, com o prefixo de reforço des-, deu origem a desenxabido.

A minha pergunta é se é possível saber-se por que razão estas palavras se escrevem com x em vez de s, como acontece em algumas regiões aqui referidas na resposta "As variantes de desenxabido".

Muito obrigado,

João Nogueira da Costa Almada, Portugal 43

A resposta tem de ter como enquadramento o período inicial de desenvolvimento da língua, ou seja, o período galego-português (do século IX a XIII, aproximadamente).

Não há certezas quanto ao fenómeno fonético que ocasionou a passagem da consoante fricativa apicoalveolar surda [s̪] (o chamado "s beirão") à consoante fricativa palatal [ʃ] (o som representado por ch em chá ou x em baixo). Existem várias hipóteses, entre elas, a de, no sistema galego-português medieval, a proximidade dos pontos de articulação das duas consoantes favorecia a sua permuta. Assim se compreende que, no período medieval, o pronome pessoal átono se se escrevesse frequentemente xe; ou que o latim insertare, «inserir», dê origem a enxertar, «inserir, transplantar» (ver Edwin B. Williams, Do Latim ao Português, Rio de Janeiro, Tempo Brasileiro, 2001, pág. 73; para uma discussão mais aprofundada, ver também Ramón Mariño Paz, Fonética e Fonoloxía Históricas da Lingua Galega, Vigo, Edicións Xerais de Galicia, 2017, pág. 335-340). O mesmo terá, portanto, ocorrido nos primórdios do português, no passo de *insapidus (variante vulgar do latim insipidus, «sem sabor, insípido») a enxabido (donde derivou desenxabido).

Acrescente-se que este fenómeno também se encontra documentado nos dialetos castelhanos e aragoneses (cf. Joan Coromines e José Antonio Pascual, Diccionario Crítico Etimológico Castellano e Hispánico, edição eletrónica, Madrid, Editorial Gredos, s.v. saber).  São exemplos o judeo-espanhol xabdo, «insípido»,  bem como o termo sinónimo do riojano (dialeto castelhano) jaudo e o do aragonês jauto, cujo j representa um fonema fricativo velar com origem na consoante fricativa palatal [ʃ], acima mencionada (cf. idem, ibidem).
Carlos Rocha
Tema: História da língua Classe de Palavras: adjectivo