Este é um serviço gracioso e sem fins comerciais, de esclarecimento, informação e debate sobre a língua portuguesa, o idioma oficial de Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique, Portugal, São Tomé e Príncipe e Timor-Leste. Sem outros apoios senão a generosidade dos seus consulentes, ajude-nos a dar-lhe continuidade: Pela viabilização do Ciberdúvidas. Os nossos agradecimentos antecipados.
Conjunções e preposições

Como diferenciar as Conjuncões das Preposições e conjunções preposicionais ou preposições conjuncionais?

Zeferino Candongo Professor Benguela, Angola 2K

Segundo o Dicionário Terminológico, as classes de palavras podem ser:

1. abertas, quando possuem um número ilimitado de palavras (nome, adjetivo, verbo, advérbio, interjeição),

2. fechadas, quando possuem um número limitado de palavras (determinante, pronome, quantificador, preposição e conjunção) 

O consulente pretende identificar as conjunções e as preposições e disso daremos conta a seguir. Chamamos a atenção para o facto de não existir a nomenclatura a que alude na pergunta, «conjunções preposicionais ou preposições conjuncionais». 

 

A. CONJUNÇÕES

 A Gramática de Português, de Maria Regina Rocha, Porto Editora, 2017, define assim: «As conjunções são palavras invariáveis que servem para ligar elementos dentro de uma frase. Em função do tipo de oração que introduzem, podem classificar-se de coordenativas ou subordinativas.

A par das conjunções, existem as locuções conjuncionais, constituídas por sequências de duas ou mais palavras que têm as mesmas funções das conjunções.»

 

- COORDENAÇÃO

As conjunções subordinativas estabelecem uma relação entre duas orações coordenadas da mesma natureza, ou entre palavras. Dividem-se em: 

Copulativas – estabelecem uma relação de adição.

Ex: Acabei de ler o livro e agora vou fazer a ficha de leitura.

e , nem, nem… nem, não só… mas também, não só… como também, tanto… como

 

Adversativas – estabelecem uma relação de oposição ou contraste.

 Ex: Fui ao supermercado, mas esqueci-me de comprar fósforos.

mas, contudo, todavia, porém, no entanto, não obstante, ainda assim, apesar disso

 

Conclusivas – estabelecem uma relação de conclusão: ligam duas orações, sendo a mensagem da segunda uma conclusão da da primeira.

Ex: Estou atento nas aulas, logo não receio os testes.

pois, portanto, logo, assim, por conseguinte, por consequência, por isso

 

Disjuntivas – apontam uma disjunção ou alternativa.

Ex: Vai de carro ou de comboio.

ou, ou…ou, quer…quer, seja…seja, ora…ora, já...já, nem...nem

 

Explicativas – apresentam uma relação de explicação. A segunda oração explica o acontecimento relatado na primeira oração.

 Ex: Não faças mais isso, pois fico aborrecida.

pois, que, porquanto

  

- SUBORDINAÇÃO

 

As conjunções subordinativas estabelecem uma relação de dependência entre duas orações, uma subordinante e uma subordinada, tendo esta última a função de completar o sentido da primeira (a subordinada depende da subordinante e, regra geral, pode ser anteposta). Podem ser:

Causais – indicam causa, motivo, razão.

Ex: Desencontrámo-nos, porque não marcámos as horas.

porque, como, porquanto, pois, que, pois que, dado que, uma vez que, visto que, já que, tanto mais que, pelo muito que

 

Temporais – estabelecem uma relação de tempo.

Ex: Assim que chegares, vou ter contigo.

quando, enquanto, apenas, mal, logo que, depois que, antes que, até que, sempre que, todas as vezes que, agora que, cada vez que, assim que, à medida que

 

Finais – indicam finalidade, objetivo, propósito.

Ex: A professora assinalou-me os erros, para não os cometer de novo.

para, para que, de modo a que, de forma a que, a fim de, por que

 

Condicionais – introduzem uma condição ou uma hipótese.

Ex: Desde que cumpras, eu aceito a proposta.                                                          

se, caso, desde que, contanto que, salvo se, exceto se, a menos que, a não ser que

 

Concessivas – introduzem uma objeção, uma dificuldade.

Ex: Aceito a tua opinião, embora não concorde com ela.

embora, conquanto, que, malgrado, ainda que, mesmo que/se, posto que, se bem que, por mais que, por menos que, ainda quando, sem que, nem que, não obstante, apesar de

 

Consecutivas – introduzem consequência(s) do anteriormente declarado.

Ex: Ontem estava tanto frio que nem saí de casa.

que (depois de tal, tanto, tamanho, tão, de tal maneira, de tal modo), de modo que, de sorte que, de maneira que, de forma que

 

Comparativas – introduzem uma comparação.

 Ex: Aqueles alunos têm tanta facilidade a escrever como a fazer uma exposição oral.

como, segundo, qual (depois de tal), conforme, [do] que, quanto (depois de tanto), bem como, assim como, como se, ao passo que mais/ menos do que, tão/tanto… como

 

• Completivas ou integrantes – introduzem uma oração subordinada substantiva, que completa o sentido da oração subordinante. 

Ex: – Ele disse que não ia ao concerto.

      – Perguntei-lhe se já tinha lido o texto

      – Pedi para te calares. 

para, que, se

 

B. PREPOSIÇÕES

Palavras invariáveis que exprimem relações de sentido entre dois elementos de uma frase, sendo que o sentido do primeiro é completado pelo segundo. 

Ex: Ele almoçou (1º elemento) com o teu padrasto (2º elemento).

 

A lista que se segue constitui o conjunto das preposições:

a, ante, após, até, com, contra, de, desde, em, entre, para, perante, por, sem, sob, sobre, trás. 

 

Fonte: Gramática de Português, Maria Regina Rocha, Porto Editora, 2017

Maria Eugénia Alves
Tema: Classes de palavras Classe de Palavras: conjunção