Ainda a concordância do verbo com o sujeito - Ciberdúvidas da Língua Portuguesa
Este é um serviço gracioso e sem fins comerciais, de esclarecimento, informação e debate sobre a língua portuguesa, o idioma oficial de Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique, Portugal, São Tomé e Príncipe e Timor-Leste. Sem outros apoios senão a generosidade dos seus consulentes, ajude-nos a dar-lhe continuidade: Pela viabilização do Ciberdúvidas. Os nossos agradecimentos antecipados.
Ainda a concordância do verbo com o sujeito

Sou professor de Geografia. Faço atualmente o curso de Letras. Nos foi dada uma questão como atividade para fazer, mas não consigo responder.

Sabemos que, em relação à concordância verbal, o verbo deve concordar em número e pessoa com o sujeito. No entanto, nem sempre as pessoas utilizam essa regra. Por que isso ocorre? É importante analisarmos a questão da ordem, ou seja, se o sujeito aparece antes ou depois do verbo. Será que na ordem canônica isso ocorrerá com menos frequência? Além disso, você acha que na ordem canônica é mais fácil entender o sentido do enunciado?

Paulo Sérgio dos Santos Estudante Teresópolis, Brasil 9K

O sujeito é a expressão nominal que pode ser substituída por um pronome pessoal nominativo (ele, eles). Ocupa normalmente a posição pré-verbal.

Porém, esta ordem básica pode ser alterada (por motivos de ênfase):

(1) «Chegaram os grandes ilusionistas romenos.»

(2) «Ao pai, o João ofereceu uma gravata.»

(3) «O bolo de chocolate, comeram as crianças.»

Não obstante, independentemente da ordem pela qual o sujeito ocorre, ele é (salvo raríssimas excepções1) o desencadeador da concordância verbal.

O que origina muitos erros de concordância é o facto de o elemento que desempenha a função de sujeito não ser muitas vezes reconhecido.

Observem-se os seguintes exemplos (nota: o asterisco indica que a frase tem um erro de concordância):

(1) * «Foi preso um dos maiores ladrões da actualidade. São de sua autoria o desaparecimento de mais de cem viaturas.»

O nome desaparecimento é o núcleo do grupo nominal sujeito, logo, o verbo deverá estar no singular: «O desaparecimento das viaturas é de sua autoria.»

(2) * «Os especialistas informam que a decifração dos dados recolhidos durante os dez dias dessa missão irão demorar meses.»

O nome decifração é o núcleo do grupo nominal sujeito, logo, o verbo deverá estar no singular: «A decifração irá demorar meses.»

(3) * «Fui eu quem reparei a avaria do computador.»

O pronome relativo quem é o sujeito do verbo reparar, logo, o verbo deverá estar na 3.ª pessoa do singular: «Quem reparou a avaria fui eu.»

(4) * «Essa é uma das empresas que domina o espaço publicitário.»

O sujeito do verbo dominar é o pronome relativo que, que por sua vez se refere ao nome empresas, que está no plural. Logo, o verbo deve ser conjugado na 3.ª pessoa do plural: «Essa é uma das empresas que dominam o espaço publicitário.»

1 Quando estamos perante o verbo ser identificacional, o verbo concorda com o predicativo do sujeito: ex.: «a surpresa foram os palhaços»; «a vida não são rosas».

Sandra Duarte Tavares