Concordância do verbo - Ciberdúvidas da Língua Portuguesa
Este é um serviço gracioso e sem fins comerciais, de esclarecimento, informação e debate sobre a língua portuguesa, o idioma oficial de Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique, Portugal, São Tomé e Príncipe e Timor-Leste. Sem outros apoios senão a generosidade dos seus consulentes, ajude-nos a dar-lhe continuidade: Pela viabilização do Ciberdúvidas. Os nossos agradecimentos antecipados.
Concordância do verbo

Quando li a resposta do Prof. J. N. Henriques relativamente à concordância correcta na frase "A maioria das pessoas consulta esta página" fiquei convencido que até sabia umas coisas de língua portuguesa! Mas foi por pouco tempo, pois verifiquei que no Prontuário Ortográfico (M. Bergstrom/ N. Reis; pag. 50) se indica que neste tipo de frases (as regidas da preposição de) o verbo pode ir para o plural (exemplo: "A maior parte dos soldados mostravam-se desanimados"). Conclusão: começaram as (ciber)dúvidas! Dito isto, pergunto: qual é, afinal, a concordância correcta (ou a mais correcta!) em frases como as indicadas em 1-4 ?
1- Uma dúzia de bombeiros apagou/ apagaram o incêndio em menos de meia hora.
2- Uma grande percentagem dos agricultores portugueses está/ estão com grandes dificuldades económicas.
3- A maior parte das casas do bairro X está/ estão a cair.
4- Um grupo de trabalhadores da empresa X fez/ fizeram uma manifestação em frente à Assembleia da República.

Augusto C. Tomé Aveiro, Portugal 21K

Nem sempre é fácil explicar a concordância do verbo. Há duas regras que dizem o seguinte:

a) O verbo pode ir para o plural, quando atribuímos a acção do verbo, mas separadamente, aos indivíduos que formam o colectivo:

"A maior parte dos alunos foram ao passeio".

Chama-se concordância siléptica, e não gramatical.

b) O verbo fica no singular, quando concorda com o nome colectivo. É a concordância gramatical: "A maioria dos homens não quer salvar-se."

Deve-se preferir o singular, quando a acção do verbo se refere ao nome colectivo e não a cada ser separadamente:

"A maioria dos chefes prejudica a disciplina".

Como o consulente apenas pergunta como se deve dizer, optei pela doutrina da alínea b), mais simples e mais lógica.

A explicação da alínea a) exige doutrina psicológica, mas não vale a pena referir-me agora a ela. Por isso, optei pela frase de construção lógica:" A maioria das pessoas consulta esta página". Considerarei sujeito (a maioria das pessoas) como um todo coeso.

Há gramáticos que se limitam a admitir as duas construções, e não fazem mal, porque simplificam. Embora se admitam, convém preferir a sintaxe da alínea b), que é a concordância gramatical, ou seja, a concordância lógica. Foi o que eu fiz na resposta que dei. Há situações, porém, mas não é agora o caso de me referir a elas, em que é preferível a sintaxe mencionada na alínea a).

A frase 4 da consulta fica mais bem dita assim: "Um grupo de trabalhadores da empresa X fez uma manifestação (…)". Eis a explicação: o "grupo de trabalhadores "da empresa" está apresentado como um grupo coeso, mais como uma unidade do que como uma pluralidade.

José Neves Henriques