A coordenativa explicativa vs. subordinativa causal - Ciberdúvidas da Língua Portuguesa
Este é um serviço gracioso e sem fins comerciais, de esclarecimento, informação e debate sobre a língua portuguesa, o idioma oficial de Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique, Portugal, São Tomé e Príncipe e Timor-Leste. Sem outros apoios senão a generosidade dos seus consulentes, ajude-nos a dar-lhe continuidade: Pela viabilização do Ciberdúvidas. Os nossos agradecimentos antecipados.
A coordenativa explicativa vs. subordinativa causal

Verifiquei que formulei mal a pergunta que coloquei anteriormente. As dúvidas são as seguintes:

1. Qual a diferença entre a conjunção coordenativa explicativa pois e a conjunção coordenativa conclusiva pois?

2. Pois pode também ser uma conjunção subordinativa causal?

3. Porque pode ser considerada uma conjunção coordenativa explicativa? Se sim, em que medida é diferente da conjunção subordinativa causal porque?

4. Encontrei uma explicação, segundo a qual a diferença entre uma coordenativa explicativa e uma subordinativa causal estaria no verbo, sendo que, quando este estiver no imperativo, a conjunção será do 1.º tipo (por exemplo: «Fecha a porta, porque faz frio»). Confirmam-no?

Maria Duarte Professora Lisboa, Portugal 9K

1. Leia, por favor, a resposta n.º 24 896.

2. A conjunção pois é classificada quer como conjunção coordenativa explicativa quer como conjunção subordinativa causal.*

3. A conjunção porque pode ter valor explicativo. Sobre o porque causal e o porque explicativo, consultar a resposta n.º 20 955.

4. O teste apresentado é válido, porque o valor explicativo emerge sempre como uma justificação do próprio enunciado: «Fecha a porta, porque faz frio.» = «O motivo de eu ordenar que feches a porta é porque faz frio.» Sobre este assunto, recomendo a leitura de um artigo de Ana Cristina Macário Lopes, no qual se observa que:

«[...] as construções explicativas admit[em], como primeiro membro, um enunciado com uma força ilocutória directiva. Ou seja, pode ocorrer uma frase imperativa no primeiro membro da construção, como se atesta em (24), o que nunca acontece com as causais:

(24) Acorda, porque são horas de ir para a escola! [...]»

* N. E. (10/05/2006) – No contexto do ensino não superior de Portugal, observe-se que o Dicionário Terminológico (DT) só refere pois entre as conjunções coordenativas explicativas. Algo de parecido fazem as seguintes gramáticas escolares: na Gramática Prática de Português, Lisboa Editora, 2011, págs. 270/21, pois é conjunção coordenativa conclusiva e explicativa; na Nova Gramática Didática de Português, Santillana/Constância, 2011, pág. 140/141, pois é conjunção coordenativa explicativa, mas é advérbio conectivo quando tem valor conclusivo; em Domínios – Gramática da Língua Portuguesa, Plátano Editora, 2011, págs. 178/179, pois é mencionada apenas como conjunção coordenativa explicativa. Contudo, noutras gramáticas, fora do âmbito do DT,  pois figura quer entre as conjunções coordenativas explicativas quer entre as conjunções subordinativas causais – ver, no quadro da gramática tradicional aplicada ao ensino, o Compêndio de Gramática Portuguesa (Porto Editora, 1976, pág. 306/307), de J. M. Nunes de Figueiredo e A. Gomes Ferreira; consultar também Celso Cunha e Lindley Cintra, Nova Gramática do Português Contemporâneo, Edições João Sá da Costa, 1984, págs. 576/577 e 581, e a Gramática do Português da Fundação C. Gulbenkian (2013, págs. 2006-2011). Agradecemos à consulente Fátima Ferreira (Lisboa) as observações e o reparo que, acerca deste tópico, nos enviou, levando à retificação do que se dizia no ponto 2 da versão original desta resposta.

Carlos Rocha
Tema: Pragmática Classe de Palavras: conjunção
Áreas Linguísticas: Semântica; Sintaxe