A construção «aquilo que é/são....» - Ciberdúvidas da Língua Portuguesa
Este é um serviço gracioso e sem fins comerciais, de esclarecimento, informação e debate sobre a língua portuguesa, o idioma oficial de Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique, Portugal, São Tomé e Príncipe e Timor-Leste. Sem outros apoios senão a generosidade dos seus consulentes, ajude-nos a dar-lhe continuidade: Pela viabilização do Ciberdúvidas. Os nossos agradecimentos antecipados.
A construção «aquilo que é/são....»

Será impressão minha ou, de há uns tempos para cá, tem alastrado o uso e abuso «daquilo que são» determinantes (ou pronomes, não sei bem) demonstrativos. Exemplo: «quero falar-vos daquilo que é a minha preocupação», em vez de «quero falar-vos da minha preocupação».

Alberto Magalhães Psicólogo clínico Évora, Portugal 760

A expressão em discussão é composta por um pronome demonstrativo invariável (aquilo) seguido de uma oração relativa (que é a minha preocupação).

O pronome demonstrativo é normalmente utilizado com o valor de «designa[r] algo que se encontra distante, no espaço ou no tempo»1. Todavia, em situações similares à apresentada, o pronome demonstrativo tem um significado muito próximo do pronome demonstrativo o, utilizado em construções relativas iniciadas por o que.

(1) «Aquilo que me interessa é o teu trabalho.» (= «O que me interessa é o teu trabalho.»)

Este pronome funciona como antecedente da oração relativa:

(2) «que é a minha preocupação» (= «a minha preocupação é aquilo»)

Assim, construções sintáticas compostas pelo pronome aquilo seguido de oração relativa são absolutamente comuns.

Noutra perspetiva, se atentarmos no sentido da expressão apresentada, percebemos que, cotejando duas possibilidades de realização da mesma ideia, esta é algo redundante, como demonstra o consulente, pois a frase:

(3) «Quero falar-vos daquilo que é a minha preocupação.»

pode ser substituída por uma expressão mais económica:

(4) «Quero falar-vos da minha preocupação.»

Neste caso, o pronome demonstrativo é usado com um valor antecipatório2, ou seja, sinaliza uma realidade que é única. Neste sentido, embora algo redundante, a expressão é trabalhada estilisticamente para destacar a preocupação do falante.  

Quanto à suposição do consulente de que o uso desta construção tem vindo a aumentar, efetivamente, numa busca rápida, em textos do século XIX, apenas encontramos uma construção similar à apresentada:

(5) «Virgílio, o poeta mais elegante que tem existido compreendeu que Vênus ocultasse nos olhos do filho, na selva líbica, a beleza imortal de seus olhos, de seu sorriso, de suas formas sedutoras; mas não aquilo que era sua essência divina, sua graça olímpica.» (José de Alencar, A pata da gazela. 1870)

Inequívoco é o facto de a construção ser muito frequente nos meios de comunicação social, como a breve amostra pretende ilustrar:

(6) «Não houve nada de relevante, daquilo que é convergente e daquilo que é divergente, que não fosse falado» (Presidente da Républica, Marcelo Rebelo de Sousa, citado por Expresso, 28/06/2018)

(7) «O primeiro-ministro, António Costa, elogiou esta sexta-feira a chanceler alemã Angela Merkel por estar “do lado certo daquilo que são os valores da Europa”» (Eco, economia online, 29/06/2018)

(8) «Rui Vitória: «Gostei muito daquilo que vi nesta fase inicial» (Record, 28/06/2018)

(9) «Tem de se fazer um diagnóstico sério daquilo que se passou» (TSF, 9/08/2018)

Não obstante, a hipótese de estarmos perante a implementação de uma estrutura, que poderá mesmo ser um modismo, exige ser comprovada por um estudo alongado que neste espaço não tem lugar.

 

1. Dicionário Houaiss da Língua Portuguesa. Círculo de Leitores, 2002.

2. Cf. proposta de valor antecipatório do artigo definido e do pronome demonstrativo aquele / aquilo (Raposo et al., Gramática do Português. pp. 826-827 e 876-877)

Carla Marques
Tema: Mudança linguística Classe de Palavras: pronome
Áreas Linguísticas: Semântica; Sintaxe Campos Linguísticos: Expressões idiomáticas